Menu
2020-08-20T20:00:18-03:00
Ricardo Gozzi
Alívio nas contas

Câmara mantém veto de Bolsonaro e congela salários e carreiras do funcionalismo público

Decisão do presidente prevalece, já que um veto presidencial só pode ser derrubado se tanto a Câmara quanto o Senado decidirem pela anulação

20 de agosto de 2020
19:54 - atualizado às 20:00
Congresso Nacional Governo
Imagem: Shutterstock

A Câmara dos Deputados manteve nesta quinta-feira o veto do presidente Jair Bolsonaro à possibilidade de reajuste salarial a algumas categorias do funcionalismo público.

Em votação encerrada pouco antes das 20h, o veto presidencial foi mantido por 316 votos a favor, 165 contra e duas abstenções.

Com isso, prevalece a decisão do presidente de congelar os salários dos funcionários públicos até pelo menos o fim de 2021, uma vez que um veto presidencial só pode ser derrubado se tanto a Câmara quanto o Senado votarem por sua anulação.

Ontem à noite, o Senado impôs uma derrota inesperada ao governo. Os senadores derrubaram o veto do presidente Jair Bolsonaro à medida que permitiria a continuidade das promoções e progressões de carreira programadas para algumas categorias dos serviços públicos municipais, estaduais e federal.

A proposta de manter descongelados os salários dos funcionários públicos fora aprovada pelo Congresso dentro do pacote de socorro financeiro a Estados e municípios por causa da pandemia, mas acabou vetada ao chegar à mesa de Bolsonaro.

Veto no Senado surpreendeu governo

A derrubada do veto pegou o governo de surpresa e o Palácio do Planalto pediu mais tempo para negociar.

Com isso, a análise da proposta pelos deputados federais foi adiada de ontem para hoje.

Horas antes da votação desta quinta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), afirmou que se empenharia pela manutenção do veto pelos deputados.

O Ministério da Economia calcula que, se mantida, a anulação do veto comprometeria uma economia fiscal de R$ 121 bilhões a R$ 132 bilhões em 12 meses.

Mais cedo, Bolsonaro declarou que seria "impossível" governar o País se a Câmara mantivesse a decisão do Senado.

O cálculo, no entanto, foi contestado pela oposição pelo fato de não haver em pauta nenhuma votação específica de reajuste, mas sim uma decisão sobre o congelamento ou não das carreiras dos funcionários públicos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Números da pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 435 mil; casos passam de 15,6 milhões

Mais de mil mortes e 40 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Cripto

Musk dá a entender que Tesla pode se desfazer de Bitcoins que já recebeu

Comentário sobre a criptomeda foi feito em interação em rede social.

Trilhões em jogo

Ao defender pacote, Biden diz que EUA precisam de infraestrutura confiável

O projeto sofre oposição, entretanto, até mesmo de alguns meses do partido do presidente

Força-maior

Com morte de Covas, Ricardo Nunes assume definitivamente a prefeitura de São Paulo

Vice estava no cargo desde que Covas licenciou-se no início de maio; ele decretou luto oficial de 7 dias pela morte do prefeito

Ainda no papel

Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid-19

Botucatu abriu hoje vacinação em massa da população para pesquisa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies