Menu
2020-10-21T18:53:56-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Dia de euforia

Bitcoin quebra recorde em reais e supera a marca dos R$ 70 mil

A moeda também rompeu a máxima do ano em dólar, cotada a mais de US$ 12 mil

21 de outubro de 2020
18:05 - atualizado às 18:53
bitcoin
Imagem: Shutterstock

Um dia após voltar a romper uma resistência importante em dólar, ultrapassando a o patamar dos US$ 12 mil, o bitcoin alcançou também uma importante marca em reais, superando o topo histórico anteriormente alcançado em 2017.

Nesta quarta-feira (21), a principal moeda digital do mundo rompeu a marca dos R$ 70 mil, atingido pela última vez em dezembro de 2017. Por volta das 18h, o bitcoin estava cotado a US$ 12.792,30 (R$ 71.500), alta de 7,26%. Desde o início da pandemia, a criptomoeda já se valorizou mais de 130% em reais, após uma queda superior a 50% em março, auge da crise de liquidez.

O cenário, no entanto, é muito diferente do que tínhamos em 2017, quando os R$ 70 mil foram atingidos pela primeira vez. Enquanto na época a cotação acompanhava também o topo histórico em dólar, agora a história é outra. O bitcoin segue longe da marca dos US$ 20 mil.

O câmbio tem papel fundamental para o alcance do recorde em reais. Enquanto em 2017 a moeda americana estava cotada a R$ 3,30, no fechamento de ontem o dólar estava cotado a R$ 5,61.

Além disso, no último boom do bitcoin, em 2017, o mercado de criptomoedas ainda exibia um perfil muito mais amador. A euforia do momento levou a cotação de US$ 3 mil para US$ 20 mil em apenas três meses, em um momento em que plataformas e regras ainda estavam muito mais imaturas e em estágios iniciais de desenvolvimento.

Com o valor recorde, o mercado brasileiro de criptomoedas deve viver mais um momento de euforia. Essa é a previsão de Daniel Coquieri, COO da BitcoinTrade, corretora brasileira especializada no mercado cripto. Para Coquieri é importante que o investidor fique atento e não se deixe levar pelo momento.

João Marco Cunha, gestor de portfólio da Hashdex, gestora de fundos de criptoativos, lembra que os investidores domésticos que compraram bitcoin no pior momento possível - no auge da bolha -, já estão tendo lucro, o que reforça a tese de que 'os criptoativos fazem mais sentido como um investimento para prazos mais alongados.

Embora o bitcoin tenha alcançado também a sua máxima em dólar do ano nesta quarta-feira, a superação da marca em reais está muito mais relacionada com a desvalorização da moeda nacional do que qualquer outra coisa.

Cunha aponta que para os investidores brasileiros, o bitcoin é uma boa forma de se proteger da desvalorização do real, mas lembra que muitas pessoas entrando em busca de lucros exorbitantes em um curto espaço de tempo não é um movimento saudável para o mercado. "As outras vezes em que o bitcoin passou dos 12 mil dólares foram efêmeras, mas temos várias boas notícias recentes para a indústria de criptoativos nos últimos tempos, o que leva a crer que dessa vez pode ser diferente", completa.

" O caminho está aberto para que o bitcoin busque a máxima do ano anterior, de US$ 13.900 e buscarmos o recorde. Em breve vamos ultrapassar os US$ 20 mil e ir além. Mas o investidor precisa ter um pouco de paciência e ser menos ansioso" - Daniel Coquieri, COO da BitcoinTrade

Desempenho do bitcoin no ano - Fonte: CoinMarketCap

Gatilhos para alta

O ano de 2020 ficará marcado nos livros de história como o ano do coronavírus, sem sombra de dúvidas. Mas, para além da pandemia que paralisou o mundo, o ano também foi transformacional para o mercado de criptomoedas.

Em março, tivemos o halving - uma correção técnica que acontece de quatro em quatro anos e corta pela metade a emissão de bitcoins. O evento não tem um efeito imediato, mas, no médio e longo prazo, com o crescimento da demanda, é um dos gatilhos que puxa para cima a cotação da moeda.

Coquieri, da BitcoinTrade, também cita o amadurecimento do mercado como essencial para a recuperação pós-março. Nesta quarta-feira, o Paypal, plataforma de pagamentos online, anunciou que passará a oferecer a compra e venda de criptomoedas. A notícia ajudou o bitcoin a se valorizar mais de 6% em dólar.

Com regulamentações caminhando em todo o mundo e cada vez mais empresas e institucionais entrando no mercado, deve ser cada vez mais fácil para que o investidor se exponha ao ativo. "É a combinação perfeita para que o bitcoin continue se valorizando no médio e longo prazo. O que não impede que ele caia 20% amanhã", ressalta ao lembrar da grande volatilidade que ainda cerca o setor.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Estamos em um novo ciclo de alta de commodities?

Por que está se falando tanto em commodities? Isso é o que Matheus Spiess te explica no vídeo de hoje. Observando o histórico de ciclos de alta de commodities, presenciamos ciclos de altas de preços nas matérias primas. E estudos dizem que estamos na beira de um SUPERCICLO. Vamos ao passado: Início de 1900: 2º […]

Controle total

Petrobras: Cade aprova venda da participação da estatal em eólica para FIP Pirineus

Após a assinatura do acordo de R$ 32,97 milhões, o FIP Pirineus passa a deter o controle unitário do empreendimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies