Menu
2020-08-06T08:29:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
digitalização do varejo

Magazine Luiza compra Canaltech e Inloco Media, entrando no segmento de publicidade online

Enquanto uma empresa tem foco em produção de conteúdo, outra atua em comercialização de publicidade digital; aquisições acontecem em momento de mudança no varejo

6 de agosto de 2020
7:48 - atualizado às 8:29
Site do Magazine Luiza
Imagem: Shutterstock

O Magazine Luiza anunciou nesta quinta-feira (6) a aquisição das empresas Canaltech e Inloco Media, marcando a entrada da empresa no segmento de publicidade online.

O foco do Canaltech é produção de conteúdo de tecnologia - texto, áudio e vídeo, cobertura do noticiário diário, entre outros. Já a plataforma Inloco Media é focada na comercialização de publicidade digital.

As aquisições marcam uma tentativa da varejista de ampliar a divulgação de produtos disponíveis na plataforma da empresa e monetizar a audiência, em um momento de profundas mudanças do setor.

Canaltech e Inloco Media

A aquisição da Plataforma Inloco Media deve acelerar o crescimento do MagaluAds. A compra deve permitir levar aos parceiros da empresa - sellers do marketplace e fornecedores - a oportunidade de promover suas marcas e produtos de forma mais assertiva e abrangente, diz a empresa.

Com a operação, uma equipe de 12 desenvolvedores e especialistas que atuavam nessa divisão na Inloco passarão a compor o time do MagaluAds.

Além do foco em mídia digital, a Plataforma Inloco Media também possui soluções de publicidade “online-to-offline” (O2O) por meio de tecnologia de geolocaliação.

Já o Canaltech tem mensalmente 24 milhões de visitantes únicos. O portal tem uma das maiores audiências dos canais brasileiros de tecnologia do YouTube, com 2,5 milhões de inscritos, e um total de 420 milhões de exibições - uma média de 8 milhões de visualizações mensais.

Momento do Magazine Luiza

A aquisição anunciada pelo Magalu acontece em meio a um processo de mudanças no varejo. A crise do novo coronavírus impôs alterações de comportamento do consumidor, que passou a comprar mais pela internet.

As empresas que têm melhores perspectivas agora são aquelas que já estavam mais preparadas para fortalecer as operações online - notadamente as varejistas com capital aberto e bastante dinheiro em caixa, como o Magazine Luiza.

A empresa é um dos grandes sucessos da bolsa brasileira, acumulando sucessíveis altas nos últimos anos. Apenas desde janeiro, MGLU3 escalou cerca de 73% - há, inclusive, quem defenda no mercado que não há mais espaço para subir, mas também não consenso.

De qualquer forma, os papéis da companhia devem reagir no pregão de hoje ao anúncio. Mas o mercado financeiro local tem outros destaques - saiba mais nesta matéria.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

após relatório da inflação

Retomada indica que País está acima da média de emergentes, diz Campos Neto

Presidente do BC disse que a autoridade monetária tem posição de “absoluta tranquilidade” em relação à inflação e afirmou não acreditar que a alta nos preços de alimentos neste ano possa impactar a inflação em 2021

De olho no e-commerce

Vinci Partners assina joint venture com Fulwood para desenvolver até R$ 1 bilhão em galpões logísticos

Recursos serão captados por fundo imobiliário inicialmente não negociado em bolsa; motivação é o desenvolvimento do e-commerce na pandemia

saída da crise

Analistas e BC têm se surpreendido com números melhores da atividade, diz Kanczuk

Banco Central atualizou nesta quinta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 6,4% para retração de 5,0%

MERCADO DE TRABALHO

Nos EUA, pedidos de auxílio-desemprego sobem 4 mil na semana, a 870 mil

Resultado ficou acima da expectativa dos analistas, que previam 850 mil solicitações na última semana

retomada econômica

Sem Petrobras e Vale, lucro das empresas deve crescer 14% em 2021

Análise foi feita pelo BTG e compara as perspectivas sobre os resultados de 2019; expectativa melhorou em relação ao relatório anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements