Menu
2020-10-14T14:34:08-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
PASSIVOS JUDICIAIS

Controlador da JBS fecha acordo com justiça dos EUA e ações sobem mais de 6%

J&F firma acordo com Departamento de Justiça sobre práticas de corrupção e SEC por violações das leis de valores mobiliários

14 de outubro de 2020
14:11 - atualizado às 14:34
JBS
Imagem: shutterstock

A J&F Investimentos, holding controladora da JBS e que pertence aos irmãos Batista, fechou acordos com as autoridades dos Estados Unidos para encerrar dois passivos judiciais no país.

A J&F firmou um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ, na sigla em inglês) para encerrar um processo a respeito de práticas de corrupção, concordando em pagar uma multa de US$ 128,2 milhões.

E em conjunto com a JBS, celebrou um acordo com a Securities and Exchange Comission (SEC), equivalente americana à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), para encerrar um processo sobre violações das leis de valores mobiliários, concordando em pagar uma multa de US$ 26,8 milhões.

As iniciativas foram bem recebidas pelos investidores. Por volta das 14h32, as ações do frigorífico subiam 6,10%, a R$ 20,87. Acompanhe a cobertura de mercado do Seu Dinheiro.

J&F

O acerto da J&F abrange os mesmos fatos e condutas que foram objeto do acordo de leniência celebrado entre a holding e o Ministério Público Federal (MPF) e os acordos de colaboração celebrados entre Wesley e Joesley Batista com a Procuradoria Geral da República (PGR).

A J&F e o MPF assinaram um acordo de leniência em 2017 após a holding revelar um esquema de pagamento de propinas envolvendo políticos e agentes públicos. O documento firmado por procuradores e irmãos Batista à época previa o pagamento de R$ 10,3 bilhões de multa e ressarcimento.

Nos termos do acordo firmado com o DoJ, a J&F se declarou culpada por violar a lei que trata de práticas de corrupção fora dos Estados Unidos. Ele previa o pagamento de US$ 256,5 milhões em multa, mas a empresa recebeu um crédito de 50% por conta dos valores pagos às autoridades brasileiras.

A JBS não é parte do acordo acertado com o DoJ e não arcará com quaisquer obrigações decorrentes dele.

JBS

O acordo com a SEC envolve violações de leis que fizeram com que a subsidiária indireta da JBS nos Estados Unidos, a Pilgrim’s Pride Corporation, falhasse em manter precisos seus livros, registros e controles contábeis.

Além do pagamento da multa, a JBS deverá durante três anos revisar, avaliar e informação a SEC da efetividade das políticas anticorrupção procedimentos, práticas, controles internos e manutenção de registros e processos de reportes financeiros da JBS.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fechou bem o ano

Petrobras tem lucro de quase R$ 60 bi no 4º trimestre e anuncia R$ 10 bi em dividendos

Alta extraordinária de 635% no lucro teve influência de itens não recorrentes de peso, mas mesmo o lucro recorrente totalizou R$ 28 bilhões, alta de 120% na comparação anual; em 2020, estatal lucrou R$ 7,1 bilhões, queda de 82% em relação a 2019

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Quanto vale a Eletrobras privatizada

Ontem à noite, o governo federal entregou ao Congresso a Medida Provisória que possibilita a privatização da Eletrobras e de quase todas as suas subsidiárias. O procedimento será feito por meio de uma capitalização que vai diluir a participação da União, que apenas manterá uma ação com poderes especiais de veto, a chamada golden share. […]

FECHAMENTO

Eletrobras dá susto na reta final, mas Ibovespa segue se recuperando do tombo recente; dólar recua

Estatais seguem se recuperando do tombo recente e a bolsa brasileira também conta com uma ajudinha do exterior

De volta ao topo

País volta a ser maior mercado de caminhão da Mercedes, que reafirma investimento

O volume supera os 24,5 mil caminhões vendidos na Alemanha, que caiu para a segunda posição no ranking de mercados globais da montadora.

Retomada

Faturamento da indústria de máquinas sobe 38,5% em janeiro em comparação anual

A expectativa é de que as vendas internas continuem positivas.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies