Menu
2020-08-19T15:22:35-03:00
Estadão Conteúdo
linha de apoio

Apoio do BNDES ao setor aéreo depende do aceite das companhias, diz Montezano

O apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor aéreo depende agora do aceite das companhias, segundo Montezano

19 de agosto de 2020
15:22
gol
Gol Linhas Aéreas - Imagem: Shutterstock

O apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao setor aéreo depende agora do aceite das companhias, afirmou nesta quarta-feira, 19, o presidente da instituição de fomento, Gustavo Montezano. Ao comentar sobre a demora de quase cinco meses para colocar a linha de apoio para funcionar - até hoje, a primeira operação ainda não foi fechada -, o executivo disse que a "gestão de passivos" por parte das companhias era um requisito inicial e que, atualmente, "algumas empresas têm dúvidas se precisam do recurso" do BNDES.

Segundo Montezano, as companhias aéreas fizeram a "gestão de passivos" requerida e, "agora, depende delas apertar o botão e fazer as ofertas" de títulos de dívida conversíveis em ações, modelo escolhido pelo BNDES para a linha de apoio ao setor. "Do nosso lado, estamos preparados e aguardando a decisão das empresas", afirmou o presidente do banco de fomento, em transmissão ao vivo pela internet promovida pelo jornal Valor Econômico, da qual participou de casa, já que Montezano foi diagnosticado com covid-19 e está em isolamento, embora assintomático.

Antes de reafirmar a decisão do BNDES de optar por uma linha de apoio com condições de mercado e com participação de financiadores privados para o setor de transporte aéreo, Montezano ressaltou que, desde o início, o foco das medidas do governo federal para mitigar a crise provocada pela covid-19 foram as médias, pequenas e microempresas (MPEs). Dessa forma, as linhas setoriais para as grandes companhias, como as aéreas, foram todas desenhadas em parceria com financiadores privados e com condições "transversais", ou seja, iguais para todas as empresas.

"Desde o início da crise, o foco das medidas corporativas foram as MPEs. As grandes empresas seriam atingidos pelo mercado privado bancário ou o mercado de capitais. E estamos vendo isso acontecer", afirmou Montezano.

Segundo o presidente do BNDES, o compartilhamento das linhas de apoio às grandes empresas com financiadores privados, com condições de mercado e sem subsídios, contribui para a governança das medidas. O executivo criticou a forma como o banco de fomento já fez operações do tipo no passado.

"Aprendemos, no passado, a duras penas os males de (o BNDES) escolher os beneficiários", afirmou Montezano.

Para o apoio às MPEs, o presidente do BNDES chamou atenção para o que chamou de "próxima" onda de medidas de crédito, concretizadas na sanção de quatro leis pelo presidente Jair Bolsonaro, que será formalizada em cerimônia marcada para o fim da tarde desta quarta-feira, 19, em Brasília.

As medidas que serão sancionadas incluem o orçamento adicional para o Pronampe, linha de crédito operacionalizada pelo Banco do Brasil (BB), a melhoria de condições do Peac, programa baseado na ampliação do FGI, o fundo de avais a empréstimos administrado pelo BNDES, a reformulação da linha de crédito para financiar a folha de salários, lançada pelo Banco Central (BC) com recursos do Tesouro Nacional, e o Peac-Maquininhas, nova modalidade do programa que usará recebíveis de receitas atreladas ao uso das máquinas de cartões como garantia de crédito.

Com as medidas, o crédito para pequenas empresas "vai deslanchar até o fim do ano", disse Montezano, lembrando que o BNDES opera três das quatro novas ações a serem sancionadas nesta quarta.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

EXILE ON WALL STREET

TINWO: carta a um jovem investidor

Investimento tem seu próprio momento de maturação; para amadurecê-lo, não há como apressar sua seiva

K-POP NA BOLSA

Agência de K-pop Big Hit faz oferta de ações na bolsa e deixa membros do BTS multimilionários

A companhia, que captou mais de US$ 820 milhões e fará a sua estreia no índice KOSPI em outubro, pretende pegar carona na popularidade crescente de suas estrelas

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Um outro olhar

Ibovespa opera em alta acompanhando otimismo com perspectiva de acordo nos EUA

Posicionamento do BC chinês e expectativa em torno acordo entre democratas e republicanos sobre estímulo nos EUA sustentam bom humor dos investidores

INVESTINDO

Petrobras assume concessões na Foz do Amazonas após desistência da Total

Blocos estão em águas ultraprofundas, áreas consideradas prioritárias no plano de investimento da companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements