Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-06-26T11:27:49-03:00
Estadão Conteúdo
COMÉRCIO

IBGE: atividade comercial de 2018 teve menos estabelecimentos e mais empregados

A perda ficou concentrada no varejo, enquanto os segmentos atacadista e de comércio de veículos e peças tiveram aumento no número de estabelecimentos.

26 de junho de 2020
11:27
Comércio
Imagem: Fotos Públicas

A atividade comercial no País encerrou o ano de 2018 com menos estabelecimentos, mas mais empregados. O comércio obteve R$ 3,7 trilhões de receita operacional líquida, segundo a Pesquisa Anual de Comércio 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O valor adicionado bruto do setor alcançou R$ 613,5 bilhões naquele ano.

O País tinha 1,5 milhão de empresas comerciais, totalizando 1,7 milhão de unidades locais, 1,2% a menos que em 2017. A perda ficou concentrada no varejo, enquanto os segmentos atacadista e de comércio de veículos e peças tiveram aumento no número de estabelecimentos.

O comércio ocupou cerca de 10,2 milhões de pessoas em 2018, que receberam R$ 237,4 bilhões em salários e outras remunerações. Em relação a 2017, houve aumento de 0,3% no total de trabalhadores, além de avanço de 2,2% nas remunerações pagas, já descontada a inflação do período.

A ampliação do emprego ocorreu no comércio de veículos e peças (2,4%) e no comércio por atacado (0,5%), enquanto o comércio varejista manteve a quantidade de trabalhadores estável. O IBGE salienta, entretanto, que o comércio ainda empregava menos do que no período pré-recessão econômica. O total de ocupados em 2018 era 4,0% menor do que em 2014, com perdas em todos os três subsetores: veículos e peças (-4,8%), atacado (-7,0%) e varejo (-3,1%).

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,3% em 2018, apenas repetindo o resultado do PIB de 2017. No entanto, o comércio avançou mais, 2,5%, em linha com o aumento no consumo das famílias, o que sugere que o setor iniciou em 2018 uma retomada gradual do crescimento.

"Entretanto, o contexto de instabilidade econômica e institucional iniciado em 2015 ainda não foi totalmente superado pelas empresas do setor, que dependem de melhoras do cenário macroeconômico, como a diminuição do desemprego, para um aumento mais expressivo na atividade", ponderou o IBGE.

Quanto às remunerações dos trabalhadores, houve melhora em 2018 no total desembolsado pelos três subsetores em relação a 2017: veículos e peças (3,8%), atacado (1,1%) e varejo (2,4%). Mas a massa salarial ainda ficou 2,6% aquém da registrada em 2014, com recuos expressivos em veículos (-14,4%) e no atacado (-4,7%), apesar da ligeira estabilidade do varejo (0,2%).

No ano de 2018, o comércio de veículos movimentou R$ 345,1 bilhões em receita operacional líquida. O segmento tinha 894,4 mil trabalhadores, que receberam R$ 22,7 bilhões.

O comércio atacadista teve receita de R$ 1,7 trilhão, empregou 1,7 milhão de pessoas e pagou R$ 59,6 bilhões em remunerações.

Já o varejo alcançou R$ 1,7 trilhão em receita operacional líquida. O subsetor ocupava 7,6 milhões de pessoas, que receberam R$ 155,2 bilhões em remunerações.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

aumento de participação

CCR (CCRO3) compra participação de 6,33% da Riopar na VLT Carioca, que opera veículo leve sobre trilhos na Zona Portuária do Rio

Hoje, controlada da CCR possui 80,82% do capital social da VLT Carioca, e passará a deter 87,15% após a aquisição

Novo guardião do cofre

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro Nacional

Novo titular é servidor de carreira do Tesouro Nacional e hoje é subsecretário de Previdência Complementar do Ministério do Trabalho e Previdência

PODCAST MESA PRA QUATRO

Mario Sergio Cortella dá lições filosóficas de como lidar com o dinheiro

O filósofo e professor foi convidado do podcast Mesa Pra Quatro e contou sobre a sua trajetória, relação com o dinheiro e investimentos

IVAN SANT'ANNA

Ganância, dinheiro e poder – ou por que hoje só invisto em petróleo na hora de encher o tanque do carro

Deixei de operar petróleo e jamais comprarei novamente papéis da Petrobras ou qualquer outra ação sobre a qual o governo tenha influência

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies