Menu
2020-06-26T11:27:49-03:00
Estadão Conteúdo
COMÉRCIO

IBGE: atividade comercial de 2018 teve menos estabelecimentos e mais empregados

A perda ficou concentrada no varejo, enquanto os segmentos atacadista e de comércio de veículos e peças tiveram aumento no número de estabelecimentos.

26 de junho de 2020
11:27
Comércio
Imagem: Fotos Públicas

A atividade comercial no País encerrou o ano de 2018 com menos estabelecimentos, mas mais empregados. O comércio obteve R$ 3,7 trilhões de receita operacional líquida, segundo a Pesquisa Anual de Comércio 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O valor adicionado bruto do setor alcançou R$ 613,5 bilhões naquele ano.

O País tinha 1,5 milhão de empresas comerciais, totalizando 1,7 milhão de unidades locais, 1,2% a menos que em 2017. A perda ficou concentrada no varejo, enquanto os segmentos atacadista e de comércio de veículos e peças tiveram aumento no número de estabelecimentos.

O comércio ocupou cerca de 10,2 milhões de pessoas em 2018, que receberam R$ 237,4 bilhões em salários e outras remunerações. Em relação a 2017, houve aumento de 0,3% no total de trabalhadores, além de avanço de 2,2% nas remunerações pagas, já descontada a inflação do período.

A ampliação do emprego ocorreu no comércio de veículos e peças (2,4%) e no comércio por atacado (0,5%), enquanto o comércio varejista manteve a quantidade de trabalhadores estável. O IBGE salienta, entretanto, que o comércio ainda empregava menos do que no período pré-recessão econômica. O total de ocupados em 2018 era 4,0% menor do que em 2014, com perdas em todos os três subsetores: veículos e peças (-4,8%), atacado (-7,0%) e varejo (-3,1%).

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,3% em 2018, apenas repetindo o resultado do PIB de 2017. No entanto, o comércio avançou mais, 2,5%, em linha com o aumento no consumo das famílias, o que sugere que o setor iniciou em 2018 uma retomada gradual do crescimento.

"Entretanto, o contexto de instabilidade econômica e institucional iniciado em 2015 ainda não foi totalmente superado pelas empresas do setor, que dependem de melhoras do cenário macroeconômico, como a diminuição do desemprego, para um aumento mais expressivo na atividade", ponderou o IBGE.

Quanto às remunerações dos trabalhadores, houve melhora em 2018 no total desembolsado pelos três subsetores em relação a 2017: veículos e peças (3,8%), atacado (1,1%) e varejo (2,4%). Mas a massa salarial ainda ficou 2,6% aquém da registrada em 2014, com recuos expressivos em veículos (-14,4%) e no atacado (-4,7%), apesar da ligeira estabilidade do varejo (0,2%).

No ano de 2018, o comércio de veículos movimentou R$ 345,1 bilhões em receita operacional líquida. O segmento tinha 894,4 mil trabalhadores, que receberam R$ 22,7 bilhões.

O comércio atacadista teve receita de R$ 1,7 trilhão, empregou 1,7 milhão de pessoas e pagou R$ 59,6 bilhões em remunerações.

Já o varejo alcançou R$ 1,7 trilhão em receita operacional líquida. O subsetor ocupava 7,6 milhões de pessoas, que receberam R$ 155,2 bilhões em remunerações.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

inteligência artificial

Elon Musk critica anúncio da Microsoft e expõe insatisfação com projeto de IA

Empresa terá licença exclusiva para o GTP-3, modelo de linguagem de inteligência artificial criado pela OpenAI – iniciativa fundada sem o propósito lucrativo

POTENCIAL DE ALTA DE 41%

Credit Suisse eleva preço-alvo da Suzano, em meio a sinais positivos do mercado de celulose

Analistas dizem que ações são a principal escolha entre as empresas de papel e celulose cobertas pelo banco

números do serasa

Pedidos de recuperação judicial recuam 7% em agosto na comparação anual

Grandes empresas foram as que apresentaram maior diminuição no índice, com queda de 25% nos requerimentos, segundo Indicador de Falências e Recuperação Judicial, mantido pela Serasa Experian

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements