Menu
2020-01-29T19:26:28-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Cuidado com a bolha

29 de janeiro de 2020
19:26
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Olá,

De uns meses para cá, eu tenho me dedicado a um novo hobby: cozinhar. Para quem mal sabia fazer o básico, é uma conquista enorme ver que os meus bolos ficam parecidos com os das receitas da TV.

Mas, como todo cozinheiro inexperiente, é claro que eu cometo alguns erros: já me cortei com uma faca afiada demais, já errei as medidas de sal — o prato ficou intragável — e já me queimei ao encostar numa assadeira recém-saída do forno.

Esse último problema me rendeu uma bolha na mão direita — eu fiquei alguns dias sem conseguir digitar muito bem. Mas o que me incomodava mesmo era a lembrança que o machucado evocava: afinal, todo aquele transtorno poderia ser evitado caso eu fosse mais cuidadoso...

Ok, 'transtorno' é um termo meio dramático: foram só alguns dias de incômodo. Mas e se a queimadura fosse mais grave?

Bolhas, como todos sabem, podem causar problemas mais sérios se não forem tratadas com a devida atenção. Não importa se estamos falando de uma queimadura, um sapato apertado ou uma alta desenfreada dos preços de um ativo: é melhor ficar atento para evitar dores de cabeça.

Um veterano das cozinhas — quer dizer, do mercado financeiro — está preocupado com uma bolha que pode estar se formando na bolsa brasileira. 

Luis Stuhlberger, da Verde Asset, participou de um evento nesta tarde, e o Vinícius Pinheiro estava lá para ouvi-lo — você pode conferir a opinião do gestor nesta matéria especial.

Sem muita empolgação 

decisão unânime do Fed de manter os juros dos Estados Unidos entre 1,50% e 1,75%, sob o argumento de que a atual política monetária é “apropriada para suportar a expansão econômica”, não mexeu muito com os ânimos dos investidores. Veja como os agentes financeiros reagiram à postura do BC americano em nossa cobertura de mercados.

O foco agora é no Senado 

A novela sobre a capitalização da Eletrobras pode terminar no segundo semestre deste ano — pelo menos, esse é o objetivo do presidente da estatal, Wilson Ferreira. Em evento do Credit Suisse, ele destacou que vai focar agora nas conversas com o Senado para fazer com que o projeto engate no Congresso. Além disso, ele falou quais serão as prioridades da companhia para este ano. 

Sem pressa

O BNDES vai tirar o pé do acelerador nas vendas de ativos em 2020. Segundo Gustavo Montezano, presidente do banco, a instituição ainda tem até três anos para reduzir as participações detidas pela BNDESPar em empresas. Uma das prioridade no curto prazo será impulsionar a indústria de fundos. A Julia Wiltgen esteve no evento e mostra tudo o que o executivo está planejando para o banco. 

De saída dos jornais 

O bilionário Warren Buffett decidiu se desfazer do império de jornais que possuía, vendendo suas publicações impressas para a Lee Enterprises, uma tradicional editora dos Estados Unidos, por R$ 140 milhões. Só que essa operação recebeu uma ajudinha extra da Berkshire Hathaway, administrada pelo próprio Buffett: o conglomerado financiou a transação e ainda vai refinanciar a dívida da compradora. Eu fui atrás dessa história e te conto aqui os detalhes. 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Que Bolsa é essa?

Crash do Coronavírus: o que fazer com o seu dinheiro?

Epidemia não deve deixar marcas permanentes sobre os negócios de empresas como Itaú, Weg, Vale ou Petrobras, mas o fenômeno é grande e tem potencial para machucar bem o PIB brasileiro no primeiro semestre

Seu Dinheiro na sua noite

O pior pregão desde o ‘Joesley Day’

Se o ano no Brasil só começa mesmo depois do Carnaval, 2020 resolveu chegar logo com uma voadora no peito dos brasileiros. Enquanto nós descansávamos ou curtíamos a folia, os mercados no exterior amargavam fortes perdas diante do agravamento da disseminação do coronavírus fora da China, notadamente na Itália. Pois bem, após a batucada pela […]

Gigante de tecnologia

Microsoft revê projeção trimestral e cita impactos do coronavírus

Empresa de tecnologia vive uma demora maior do que a esperada para a volta ao normal das operações em suas cadeias de suprimento

Caos na bolsa

Pressionado pelo coronavírus, Ibovespa cai 7% e tem o pior pregão desde o Joesley Day

O Ibovespa perdeu quase oito mil pontos nesta quarta-feira, impactado por um forte movimento de correção por causa da disparada de casos do coronavírus fora da China — todas as ações do índice fecharam em queda. Já o dólar à vista subiu a R$ 4,44, cravando mais um recorde nominal de encerramento

Mais uma polêmica

Vídeo de Eduardo Bolsonaro defendendo Orçamento impositivo circula pelo WhasApp

Vídeo mostra a fala do parlamentar no plenário da Câmara, no dia 26 de março do ano passado

Surto mundial

Por coronavírus, Costa Cruzeiros amplia medida de segurança em seus navios; Nestlé aconselha funcionários a não viajarem

Entre as providências está a proibição da entrada de pessoas que tenham viajado para países e regiões afetadas pela doença

FORA DO AR

Investidores da XP relatam problemas para acessar home broker nesta quarta-feira

Ao ser procurada, a assessoria de imprensa informou que “a plataforma apresentou lentidão para alguns clientes no início da tarde desta quarta-feira”

Medida do BC

Moody’s: diminuição de compulsório para depósitos a prazo é positiva

Para a agência, os gigantes do mercado são os mais beneficiados, por deterem 72% de todos os depósitos a prazo no Brasil

CDS no radar

Risco-país do Brasil tem novo dia de alta e vai a 106 pontos

Desde o começo de fevereiro o CDS vinha sendo negociado abaixo dos 100 pontos

CRIPTOMOEDAS

Criptomoedas ainda mantêm um papel limitado como forma de proteção, para analistas do JPMorgan

Apesar da baixa correlação das criptomoedas com ativos tradicionais, analistas do banco acreditam que elas ainda não podem servir como hedge da carteira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements