⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2020-01-29T18:51:43-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados azedos

Mau humor: Ibovespa cai quase 1% e destoa do exterior; dólar vai à máxima em dois meses

A manutenção dos juros dos EUA no patamar de 1,50% a 1,75% foi pouco repercutida pelo Ibovespa, que fechou em queda firme e voltou ao nível dos 115 mil pontos — o dólar subiu a R$ 4,22

29 de janeiro de 2020
18:48 - atualizado às 18:51
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Desde o começo da semana, os mercados brasileiros têm mostrado uma certa indisposição. O bull market conseguiu suportar as instabilidades no Oriente Médio e os primeiros dias do surto de coronavírus, mas, agora, parece sem forças para continuar avançando.

O Ibovespa, que chegou a flertar com o nível dos 120 mil pontos, entrou numa maré negativa: nesta quarta-feira (29), fechou em queda de 0,94%, aos 115.384,84 pontos e, com isso, já acumula perdas de 2,53% na semana — no ano, tem leve baixa de 0,23%.

O dólar à vista também foi pressionado na sessão de hoje, terminando em alta de 0,62%, a R$ 4,2193. É a maior cotação de fechamento em dois meses: no dia 29 de novembro do ano passado, a moeda americana valia R$ 4,2407.

E o que explica esse mau humor? Em primeiro plano, há a disseminação do coronavírus, que tem ocorrido num ritmo mais veloz que o esperado pelos mercados — jogando por terra as apostas de que a nova doença não se tornaria um problema global.

Além disso, a sessão desta quarta-feira foi marcada por um evento importante no exterior: a decisão de juros do Federal Reserve, o banco central americano — um acontecimento que, no entanto, não trouxe maiores surpresas aos investidores.

Assim, sem um fator que pudesse resgatar a confiança dos agentes financeiros, o Ibovespa segue em sua trajetória de correção, afastando-se das máximas recentemente obtidas. O dólar também ficou mais agitado, rompendo novamente a barreira dos R$ 4,20.

Sem novidade no front

Em decisão unânime, o Fed manteve as taxas inalteradas na faixa entre 1,50% e 1,75% ao ano — um movimento que já era aguardado pelos investidores.

 No comunicado, a instituição disse que a atual política monetária é "apropriada para suportar a expansão econômica", dadas as condições mais fortes do mercado de trabalho e o retorno da inflação para perto dos 2%.

O comitê disse ainda que vai considerar as condições do mercado de trabalho, indicadores de pressão inflacionária e expectativa de inflação, além de leituras sobre o desenvolvimento do mercado financeiro e internacional para futuros ajustes.

Dada a falta de novidades na postura da autoridade monetária americana, os mercados globais mostraram-se pouco impactados. Nos Estados Unidos, o Dow Jones (+0,04%), o S&P 500 (-0,09%) e o Nasdaq (+0,06%) ficaram perto do zero a zero.

E o coronavírus?

O noticiário referente à disseminação da doença continua inspirando cautela aos mercados. No mundo, já são 133 mortos e mais de seis mil casos confirmados, a maioria na China — a Finlândia e os Emirados Árabes Unidos registraram as primeiras ocorrências do vírus.

No Brasil, subiu para nove o número de casos suspeitos do coronavírus — ainda não há nenhuma confirmação da doença no país.

E mesmo o presidente do Fed, Jerome Powell, mostrou-se preocupado com o vírus. Em coletiva de imprensa após a decisão de juros, ele afirmou que o surto é uma questão séria, que resultará em breve em impactos econômicos à China — o que, em última instância, pode prejudicar o nível de atividade no mundo.

Dólar forte

No mercado de câmbio, o dia foi de valorização do dólar em escala global, tanto em relação às moedas fortes quanto as de países emergentes, em meio à expectativa com a decisão de juros nos EUA.

O dólar se valorizou em relação ao peso mexicano, ao rublo russo, a peso colombiano, ao rand sul-africano e ao peso chileno, entre outras moedas. Assim, o real seguiu a tendência global, embora tenha apresentado um dos piores desempenhos do grupo.

O posicionamento do Fed mexeu de maneira mais firme com o mercado de juros: as curvas se afastaram das mínimas, com os investidores acreditando que a manutenção das taxas nos EUA poderá influenciar a decisão do Copom, na semana que vem.

Veja como ficaram as curvas mais líquidas nesta quarta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,33% para 4,34%;
  • Janeiro/2023: de 5,50% para 5,49%;
  • Janeiro/2025: de 6,21% para 6,18%;
  • Janeiro/2027: de 6,60% para 6,58%.

Balanços em foco

No front corporativo, destaque para as units do Santander Brasil (SANB11), que fecharam em queda de 1,86% — mais cedo, chegaram a subir 3,01%.

Nesta manhã, o banco reportou um lucro líquido gerencial de R$ 3,726 bilhões no quarto trimestre de 2019, alta de 9,43% na base anual — no acumulado do ano, os ganhos totalizaram R$ 14,55 bilhões, avançando 17,4% em relação a 2018.

Ainda falando em balanços, Cielo ON (CIEL3) caiu 4,00% e apareceu entre as maiores baixas do Ibovespa. A empresa reportou números trimestrais considerados fracos, mas, ainda assim, os papéis avançaram 3,57% — desta forma, boa parte dos ganhos é devolvida hoje.

Confira abaixo as cinco ações de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • MRV ON (MRVE3): +4,67%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): +2,98%
  • Hypera ON (HYPE3): +2,78%
  • Localiza ON (RENT3): +2,55%
  • BB Seguridade ON (BBSE3): +1,74%

Veja também as maiores baixas do índice no momento:

  • Fleury ON (FLRY3): -4,12%
  • Azul PN (AZUL4): -4,07%
  • Marfrig ON (MRFG3): -4,06%
  • Cielo ON (CIEL3): -4,00%
  • Braskem PNA (BRKM5): -3,86%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O DIA DEPOIS

Bolsonaro mais forte no segundo turno anima o mercado, mas é a eleição de um Congresso mais reformista que embala os ativos nesta segunda-feira

3 de outubro de 2022 - 11:35

Na percepção do mercado, o presidente Jair Bolsonaro sai mais forte da disputa, mas é no Congresso que mora as chances de uma agenda reformista e permanência do teto de gastos

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Veja como a imprensa internacional repercutiu o resultado da eleição

3 de outubro de 2022 - 10:35

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

ELEIÇÕES 2022

Um teste para a democracia brasileira: Veja como a imprensa estrangeira está repercutindo o resultado da eleição

3 de outubro de 2022 - 10:29

Jornais, sites e revistas chamam a atenção para o desempenho melhor que o previsto pelas pesquisas do presidente Jair Bolsonaro

CAUTELA GLOBAL

Ativos de risco em xeque: bitcoin (BTC) sustenta patamar de US$ 19 mil, mas não empolga com dados esperados da semana; criptomoedas não saem do bear market

3 de outubro de 2022 - 10:00

Correndo o risco de parecer brutalmente realista, pouco se pode esperar de qualquer mudança no cenário daqui para frente

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa opera em alta acima de 4% com eleições e exterior; Sabesp (SBSP3) e Petrobras (PETR4) disparam

3 de outubro de 2022 - 9:05

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam sem direção definida nesta segunda-feira (3). No exterior, os investidores mantêm-se cautelosos e acompanham discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed) nos EUA. O grande destaque do dia é o cenário doméstico, com a digestão do primeiro turno eleitoral e a continuidade da disputa presidencial entre Lula (PT) […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies