2020-03-08T13:09:16-03:00
Estadão Conteúdo
Impactos da epidemia

Coronavírus faz Itaú reduzir projeção para PIB mundial

Banco revisou expectativa de crescimento mundial em 2020 de 3,1% para 2,7% em consequência da difusão do coronavírus

8 de março de 2020
14:56 - atualizado às 13:09
coronavírus vírus máscaras
Imagem: Shutterstock

A equipe de analistas do Itaú Unibanco enviou para clientes do banco na noite de sexta-feira relatório em que reporta revisão da sua projeção de crescimento mundial em 2020 de 3,1% para 2,7%.

Leia também:

“Também baixamos nossas previsões de crescimento para China no ano, para 5,3% ante 5,8%, e Europa, para 5,3%, ante 5,8%. Mas mantemos a projeção de crescimento do PIB dos EUA em 2,0% para 2020”, escreveram os economistas do Itaú Unibanco.

As alterações foram feitas pautadas por expectativas de que a difusão do coronavírus pelo mundo, atingindo mais de 80 países em todas as regiões, vai afetar a economia mundial.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

“Em nossa visão, as respostas de política econômica ajudarão a amortecer a queda, mas os riscos adversos para o cenário permanecem”, apontaram os analistas.

“Antes concentrado na China, o novo coronavírus continua a se difundir pelo globo, atingindo mais de 80 países em todas as regiões. Além de um grande problema de saúde pública, a epidemia segue afetando preços de ativos e as cadeias de produção global”, acrescentaram os economistas do Itaú Unibanco.

De acordo com os profissionais do banco, para mitigar os impactos da epidemia na economia e nas condições financeiras, também crescem apelos por políticas econômicas mais estimulativas.

Foi nesse contexto, avaliam os economistas do Itaú, que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) implementou um corte emergencial de 0,50 ponto porcentual na taxa básica de juros norte-americana. “Em nossa visão, uma nova redução, de 0,25 ponto, provavelmente está a caminho”, observam.

Para o Itaú Unibanco, os EUA parecem mais resilientes neste momento e, apesar de uma pequena desaceleração no curto prazo, devem se recuperar de maneira mais rápida nos trimestres à frente, devido aos estímulos monetários. A exemplo do Fed, outros bancos centrais também seguiram ou ainda devem seguir na mesma direção.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ACIONISTAS FELIZES

‘Sextou’ com dividendos: Raia Drogasil (RADL3) e MRS Logística (MRSA3B) anunciam R$ 201 milhões em proventos

Ambas as companhias detalharam o valor por ação, a data de corte para receber os proventos e quando o dinheiro deverá cair na conta dos acionistas

FECHAMENTO DA SEMANA

Em semana de alta volatilidade, Ibovespa pega carona com PEC dos precatórios e sobe 2,78%; dólar também avança, mas juros passam por alívio

Variante ômicron, PEC dos precatórios e o futuro da política monetária americana dominaram a semana do Ibovespa

Evergrande vende parte de suas ações de empresa de tecnologia e obtém US$ 145 mi

O grupo chinês da Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida […]

Aperto monetário

Copom deve elevar Selic para 9,25% ao ano na próxima semana, aposta JP Morgan

Para o banco, a queda de 0,1% do PIB do terceiro trimestre e o avanço da PEC dos precatórios no Congresso fizeram com que as estimativas convergissem para a manutenção do ritmo de alta de 1,5 ponto

Intervenção estatal

Sob risco de novo calote, governo chinês envia ‘socorro administrativo’ para Evergrande

O movimento ocorre após a gigante imobiliária alertar que corria o risco de não cumprir mais uma grande obrigação financeira