Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2020-02-06T19:32:31-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Centauro perde nos 100 metros, mas leva maratona

6 de fevereiro de 2020
19:30 - atualizado às 19:32
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Eu já estive em dezenas de cerimônias de abertura de capital de empresas na sede da bolsa, quando acontece o tradicional toque da campainha que marca o início dos negócios com as ações.

Mas poucas delas foram tão sem graça quanto a da Centauro, em abril do ano passado. Pode-se dizer que o evento refletiu a desconfiança do mercado no potencial da varejista de produtos esportivos e que tem lojas nos principais shoppings do país.

O preço por ação da empresa saiu pouco acima do piso da faixa estabelecida no IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial). E os papéis ainda fecharam em queda no primeiro dia de negócios.

Pouco depois do IPO, a empresa ainda entrou numa disputa ferrenha com o Magazine Luiza pela compra da Netshoes, mas a companhia controlada pela família Trajano levou a melhor.

Quem comprou as ações da Centauro pensando em uma corrida de 100 metros rasos de fato não se deu bem. Mas quem vislumbrou uma maratona à frente (como deveria ser todo investimento em bolsa, aliás) ganhou muito dinheiro.

Em menos de um ano, desde o IPO pouco badalado em abril, os papéis subiram 280% – desempenho bem superior ao das “queridinhas” Via Varejo e Magalu no mesmo período.

E a vantagem da Centauro nessa corrida ficou ainda maior hoje, depois que a empresa “calçou” os tênis da Nike e anunciou um acordo com a marca para atuar como distribuidora exclusiva da marca no país.

Vale a pena conhecer os detalhes desse negócio que muda as peças do varejo de produtos esportivos, na reportagem do jornalista e corredor de fim de semana Victor Aguiar.

Com o pé direito

Por falar em IPO, a Locaweb fez uma estreia na bolsa típica das ofertas mais quentes do setor de tecnologia no exterior. As ações da empresa de hospedagem de sites e comércio eletrônico dispararam quase 20% no primeiro dia de negociações na B3. Será que ainda vale a pena comprar os papéis? Eu respondo nesta matéria.

Dólar mostra as garras

Os investidores na bolsa começaram o dia animados depois de mais um corte da taxa básica de juros pelo Banco Central. Mas o Ibovespa não conseguiu se sustentar em alta e acabou virando ao longo do pregão. Já o dólar fez o movimento exatamente oposto: abriu em queda e depois passou a subir, a ponto de cravar um novo recorde de fechamento: R$ 4,2852, em alta de 1,09%. Saiba o que movimentou os mercados na nossa cobertura.

Que horas ele volta?

Mais aguardada do que a noiva na igreja, a reconquista do grau de investimento do Brasil frente às agências de classificação de risco parece estar bem longe de se tornar realidade novamente. Para a Fitch, dependendo de como o país se comportar, a melhora na avaliação pode levar até dez anos. Entenda os motivos com a Julia Wiltgen.

O dinheiro nunca dorme

Dados da Anbima divulgados hoje mostram que os investidores se mexeram para buscar rendimentos maiores com a Selic nas mínimas históricas. Nesse processo, os fundos de ações e imobiliários foram os destaques de aumento do volume financeiro no segmento de varejo em 2019. Na contramão, os de renda fixa perderam espaço no mercado, como mostra a Bruna Furlani.

Polêmicas no fluxo

Apesar de reconhecer que os governadores devem dificultar a tramitação de projeto para mudar as regras do ICMS, o presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje que vai enviar a proposta ao Congresso e que ela está pronta com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Parece que o texto está passando pelos ajustes finais.

Ranking do juro

O Brasil ostentou por muito tempo o título nada honroso de país com juro real (descontada a inflação) mais alto do planeta. A boa notícia é que, com a queda da Selic nos últimos anos, já não aparecemos mais nem no pódio. A ruim é que, como outras economias também promoveram fortes ajustes nas taxas, ainda estamos no top 10. Confira o ranking completo.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

olho no datafolha

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu