Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-04-21T10:07:41-03:00
ONDE INVESTIR

Lingo Lingo Şişeler: hora de comprar algumas utilities na Bolsa

Como investidores, não podemos tomar decisões emocionais. Ao mesmo tempo que os riscos estão elevadíssimos, o que nos impede de carregar uma posição muito grande em Bolsa, existem barganhas escancaradas.

21 de abril de 2020
5:45 - atualizado às 10:07
Cena do filme O Milagre da Cela 7
Cena do filme O Milagre da Cela 7 - Imagem: Divulgação

Fazia tempo que não me emocionava com um filme. A última vez fora quando assisti a Dama de Ferro, filme de 2011 sobre a história de Margaret Thatcher, um dos bastiões da política moderna, ao menos na minha opinião.

Depois de um longo período, aconteceu mais uma vez, dessa vez com o filme “Milagre na Cela 7”, disponível via streaming no Netflix. Assisti durante o último fim de semana e o resultado foi memorável. O filme turco conseguiu me tocar.

Na trama, conhecemos Memo, rapaz com deficiência mental e pai de Ova. No decorrer da história, Memo é injustamente preso pelo assassinato da filha de um comandante do exército, a quem, na verdade, tinha tentado salvar. Como não entendia o que estava acontecendo, o comandante em sua fúria acabou por se aproveitar da situação para condenar à morte Memo, que é separado de sua filha. Assim, o protagonista vê a sua vida se transformar dentro da cela de número 7, atormentado pela saudade aterradora que sente de sua filha.

A história é muito triste, mas me ajudou a refletir sobre o momento atual. Inclusive, quando trazemos para o universo das ações também podemos traçar alguns paralelos.

Acontece que, no filme, quando o comandante se depara com a cena de sua filha nos braços de Memo, já sem vida, toda sua energia se volta em matar Memo. Só não o faz no mesmo instante porque seus soldados e amigos o freiam. Mas ele não pararia por aí, todos seus esforços, toda sua vida, se trata de supostamente vingar sua filha, quando na realidade ele simplesmente interpretou errado toda a situação.

A problemática da história inteira parte de um erro de interpretação (sim, mal-intencionado) do comandante. Ele viu o que tinha em sua frente, mas não prestou atenção. Na realidade, não culpo em um primeiro momento o comandante. Depois ele de fato se provou ser mau caráter, mas, em princípio, a reação explosiva foi justificada.

No calor da emoção 

O emocional humano é uma bomba relógio em várias situações. No fundo ainda somos seres bestializados, animais. A razão nada mais é que outra de nossas grandes e fortes emoções, é o desejo de controle.

Muitas vezes, olhamos para uma imagem estática e deixamos nos levar por tomadas de decisões equivocadas. Pior do que isso, insistimos no erro, como o comandante, que se convencera de que Memo havia matado sua filha, quando a verdade era o oposto. 

Fui impactado porque é justamente com o que me deparo diariamente em meu trabalho, todos os dias desde o grande sell-off de fevereiro e, principalmente, março.

Temos radicalizações em ambas as partes. Tanto dos totalmente pessimistas quanto dos demasiadamente otimistas. Veja, suas duas opiniões discrepantes partindo de uma mesma situação. Alguém está errado. 

Não podemos agir como o comandante, como investidores devemos pensar friamente sobre a realidade concreta. Ao mesmo tempo que os riscos estão elevadíssimos, o que nos impede de carregar uma posição muito grande em Bolsa, existem barganhas escancaradas.

Lembrem-se sempre: x não é f(x). Sua opinião sobre a realidade pouco importa. Como você se expõe a ela faz a diferença. Se estamos pessimistas,devemos carregar proteções clássicas e caixas. E se ainda existem oportunidades em Bolsa, mantemos uma carteira reduzida em ativos de risco. Focando em que? Em ações de qualidade, por exemplo, com boa previsibilidade de resultados, forte geração de caixa e balanço bastante sólido.

Aqui chegamos aonde queria levar o leitor desde o início. Existe um setor específico que se enquadra neste perfil e pode trazer consistência de longa prazo completamente fora da curva para um portfólio balanceado: as utilities de energia.

A empresas de utilidade pública, em geral, funcionam de maneira previamente contratada, ou seja, a previsibilidade de resultado é elevadíssima. Destaque aqui para empresas com know-how em transmissão de energia, o segmento mais estável e resiliente do setor, por ser menos impactado por crescimento econômico - só é remunerado pela quantidade de linha de transmissão que dispõe.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

No pânico, apanha até quem não merece

Muitas companhias bastante voltadas para este segmento acabaram apanhando muito na correção e agora negociam a uma TIR (taxa interna de retorno) impressionantemente atrativa. Tem nome no mercado negociando a TIR de quase 20%. Ou seja, em menos de cinco anos você paga o investimento. Nomes como Alupar, CPFL, Taesa, Transmissão Paulista etc. podem entrar em um cardápio, contando com uma carteira já diversificada e balanceada.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

O investidor buscando assimetrias precisa se apropriar de momento de entrada como o atual, de modo a criar carteiras robustas no longo prazo, se valendo de uma combinação de smart beta e arbitragem temporal (usualmente colocados em antagonismo – na prática, você deve uni-los).

Se você gostou deste texto, deixo aqui um convite. Ideias como esta você pode encontrar na série da Empiricus Palavra do Estrategista, em que o estrategista-chefe, Felipe Miranda, expõe as melhores estratégias e oportunidades de investimento para os mais diferentes tipos de perfil de investidor.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PROVENTO EM DÓLAR

Aura Minerals (AURA33) anuncia dividendos e programa de recompra de BDRs — veja o que muda para os acionistas

O pagamento chegará bem a tempo para o Natal dos investidores nacionais, mas para ter direito é preciso possuir os ativos em 9 de dezembro

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa perto de perder os 100 mil pontos, Petrobras na mira de Paulo Guedes e outros destaques do dia

A dinâmica dos mercados globais nos últimos dias lembra muito os primeiros momentos de incerteza que marcaram o início da pandemia do coronavírus, no início de 2020. A covid-19 não é mais uma doença desconhecida e as vacinas já estão disponíveis no mercado, mas a desigualdade na distribuição de imunizantes e a recusa de muitos […]

FECHAMENTO DO DIA

Racha no Senado e chegada de ômicron aos Estados Unidos levam o Ibovespa a renovar as mínimas do ano (mais uma vez); dólar sobe

Embora o dia tenha começado positivo para o Ibovespa e as demais bolsas globais, a variante ômicron e a dificuldade de aprovar a PEC dos precatórios azedaram os negócios

CRYPTO NEWS

Aprenda com o bitcoin: não perca o timing com a próxima promessa cripto

O mercado de criptomoedas tem colocado alguns sorrisos nos rostos de quem vem investindo nessa classe de ativos

RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas