Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2020-04-13T18:26:51-03:00
Exile on Wall Street

Tempos modernos: investir é preciso, por mares nunca dantes navegados

13 de abril de 2020
10:42 - atualizado às 18:26
Navegação
Imagem: Shutterstock

"As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram”
Os Lusíadas

Vamos ter um papo de gente fina, elegante e sincera. Os tempos modernos — da História, não do Lulu — tradicionalmente têm seu início marcado em 29 de maio de 1453, com a tomada de Constantinopla pelos turcos otomanos. Pode haver alguma discordância de limite cronológico, se esse é mesmo o marco do fim da Idade Média. De modo geral, porém, concorda-se com o encerramento do feudalismo no século 15 para o início de um novo paradigma, que incluiria o renascimento, o mercantilismo e a era dos descobrimentos. Navegar era preciso, ainda que por mares nunca dantes navegados.

Na quinta-feira, no exato mesmo momento em que foram publicados mais 6,6 milhões de novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, levando a um acúmulo de 16,5 milhões em apenas três semanas (projeções de desemprego já na casa de 14%, segundo Mohamed El-Erian, num patamar superior ao ápice da crise de 2008), o Federal Reserve anunciou uma injeção de liquidez de US$ 2,3 trilhões — o que inclusive rendeu anedotas divertidas:

Foi o momento em que, definitivamente, o Fed foi para o “all-in” ou teve, na prática, muito além do discurso, seu “whatever it takes” (tudo o que for necessário). De forma ainda mais ampla, talvez o banco central americano tenha adotado um novo paradigma, absorvendo até então hipótese teórica que permeia a chamada “Teoria Monetária Moderna” (Modern Monetary Theory ou MMT).

Simplificando um tanto as coisas — e talvez tornando a explicação excessivamente grosseira —, a MMT argumenta que governos com capacidade de se endividar na própria moeda não precisam se preocupar com déficits, mesmo os muito grandes, contanto que atuem para o preenchimento de folga da oferta agregada. Sempre que houver alguma fraqueza de demanda, o governo pode emitir sua própria moeda, endividar-se e isso não é um problema. Afinal, segundo a argumentação, ele poderia emitir mais moeda para pagar a própria dívida. Resumo: um governo pode se endividar indefinidamente, pagando de volta com impressão de moeda.

A expansão do balanço do Fed não encontra paralelos na história, fazendo as intervenções de 2008-09 parecerem coisa de criança — há quem argumente, como a BlackRock por exemplo, que o balanço do Fed pode rapidamente superar os US$ 10 trilhões; o que se somaria aos US$ 2 trilhões do pacote fiscal recém-aprovado nos EUA.

Qual o problema dessa experiência? Quais consequências devem ser sentidas de sua adoção?

Nós não sabemos. É exatamente esse o problema. Por enquanto, a hipótese defendida pela MMT é apenas… uma hipótese. A economia não é uma ciência que nos permite testes em ambiente de laboratório. Estamos trocando o pneu com o carro andando — e sabe lá Deus o que vai vir daí. Nunca tivemos na História uma expansão monetária dessa natureza.

Randall Wray, talvez o maior expoente da MMT, pode estar certo, e o caminho para a indefinida expansão dos déficits não seja um problema para países que possam se endividar em moeda local. Ou talvez Ray Dalio esteja certo e estejamos diante de uma brutal mudança de paradigma, rompendo o grande ciclo de dívida iniciado em 1945 e vivendo agora a iminência de um período semelhante àquele de 1930-32, à espera de uma Grande Depressão. Sua expressão “cash is trash” (o caixa é um lixo), tão duramente criticada depois dos retornos ruins da Bridgewater no auge da crise, volta a ser potencialmente pertinente, sobretudo mediante a vigorosa valorização do ouro na semana passada e a chance da corrosão de valor das moedas de reserva.

A verdade é que não sabemos ainda. Estamos em mares nunca dantes navegados, à deriva.

Há algo ao menos curioso sobre a Moderna Teoria Monetária. Ora, se não há limite para a expansão monetária em determinadas circunstâncias, desafiamos aqui a própria essência e a definição da Economia, que é a ciência da escassez. Caímos num paradoxo de que uma hipótese sobre o funcionamento da economia se choca com a própria natureza do que é a Ciência Econômica.

Outra dúvida: se a resposta à crise passa necessariamente pelo aumento indiscriminado do endividamento público, como ficam os países sobre os quais pairam questionamentos sobre sua capacidade de pagamento, entre eles, claro, o Brasil, que pode sair dessa brincadeira com uma dívida/PIB perto de 100%?

Em mares nunca dantes navegados, investir é preciso. Estamos presenciando a adoção de um procedimento sem a menor ideia de suas reais consequências. Descobriremos na prática, talvez da forma mais dolorosa. Da minha parte, prefiro não ser a cobaia.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies