Menu
Exile on Wall Street
Ana Westphalen
2020-09-04T10:52:58-03:00
Exile on Wall Street

Seu portfólio em um tabuleiro de WAR

A partir deste mês ficará mais fácil tornar-se sócio de empresas estrangeiras, com a flexibilização do acesso a todos os tipos de BDRs para o investidor de varejo

4 de setembro de 2020
10:52
WAR
Imagem: Shutterstock

Em seu aniversário de 90 anos, no último domingo, Warren Buffett resolveu inovar. Fã de fast-food, sorvete e Coca-Cola (sendo os dois últimos eventualmente misturados), o megainvestidor estendeu seu apetite para além das fronteiras americanas, rumo ao Oriente. As comemorações foram acompanhadas do anúncio de um investimento de mais de US$ 6 bilhões em cinco grandes tradings no Japão, conglomerados que importam diversos recursos e produtos para os consumidores japoneses.

A decisão não foi tomada por falta de convicção na economia de seu país, muito pelo contrário. Em maio, o oráculo de Omaha alertava: “Never bet against America” (“nunca aposte contra a economia americana”), na reunião anual de investidores de sua empresa, a Berkshire Hathaway.

Ficam duas lições aqui: a primeira é que Buffett geralmente está certo. E a segunda é que, independentemente do lugar onde você vive e da situação econômica do seu país, sempre é tempo de diversificar geograficamente seus investimentos. Se o seu portfólio fosse representado hoje num tabuleiro de WAR, os seus exércitos estariam espalhados por quantos territórios?

Quem saiu da zona de conforto do “home bias” ­­— tendência de investirmos somente naquilo que está mais próximo da nossa realidade ­­— teve no mês passado uma boa amostra dos benefícios de um portfólio internacionalizado. Para dar um exemplo, enquanto as carteiras alocadas apenas em Brasil sofreram com questões tão tupiniquins (preocupação com o fiscal, ruídos sobre o futuro do ministro da Economia), as Bolsas de Nova York marcaram o melhor agosto desde 1980.

A partir deste mês ficará mais fácil tornar-se sócio de empresas estrangeiras, com a flexibilização do acesso a todos os tipos de BDRs para o investidor de varejo. Até então, os principais recibos de ações negociados na B3 e lastreados em empresas gringas eram restritos ao público qualificado (com mais de R$ 1 milhão em investimentos ou com certificações específicas).  

Mas aqui na série Os Melhores Fundos de Investimento queremos mais: defendemos que o público geral também tenha acesso a fundos que investem até 100% no exterior. Isso porque, pela regulação atual, o varejo só pode ter em sua carteira fundos com no máximo 20% de exposição lá fora. 

A flexibilização dos BDRs é um avanço, mas acabou criando uma assimetria regulatória. Por que o varejo pode lotar sua carteira de ações de empresas estrangeiras via BDRs, mas não é permitido que invista em um fundo diversificado, que aloca recursos em diferentes classes de ativos no exterior? 

Com acesso ao instrumento BDR de forma isolada, a tendência é que o investidor que está chegando à Bolsa acabe concentrado em poucas ações. Já a alternativa via fundos permitiria a diversificação, além do acompanhamento da estratégia por um especialista nos mercados estrangeiros. 

Estamos na torcida para que o acesso aos fundos 100% internacionais seja ampliado ao varejo, mas, desde já, saiba que temos excelentes sugestões desses produtos aqui (por enquanto, infelizmente, só para os investidores qualificados).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

preocupação

Ex-BCs dizem que atraso na vacinação preocupa por pressão fiscal

Carlos Viana disse não ver uma mudança estrutural no processo inflacionário no País, onde, assim como a atual direção do BC, vê como temporário os choques de preços

pandemia

Anvisa aprova segundo lote da vacina CoronaVac

Diferença da análise do segundo lote para o primeiro está no fato de que o envase e os processos de rotulagem e embalagem ocorrem no Instituto Butantan

tecnologia na bolsa

Méliuz, que subiu 230% desde IPO, precisa entregar visão mais clara, diz BTG

Empresa foi tema de um relatório otimista após entrevista do CEO da companhia; para banco, Méliuz impressiona pela equipe, cultura e modelo de negócios

energia renovável

Braskem fecha acordo de R$ 1 bilhão com Casa dos Ventos

É o quarto contrato de compra de energia renovável competitiva assinado pela companhia; operação deve contribuir para viabilizar a construção de um novo parque eólico

Proteção

Governo de SP coloca estado na fase vermelha da quarentena a partir do dia 25

Nos dias úteis, a fase vermelha valerá das 20h às 6h.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies