Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2020-09-23T18:25:40-03:00
Exile on Wall Street

O mercado dos 100%

Com juros muito menores atualmente e retornos cadentes como um todo, volatilidade inferior e economia mais bem organizada e sem inflação, difícil imaginar ativos dobrando de preço em poucos pregões.

23 de setembro de 2020
12:52 - atualizado às 18:25
Gráfico de alta com homem sobre avião de papel
Imagem: Shutterstock

Não sei se é verdade, mas papai contava como se fosse. Talvez vá lhe soar um pouco agressivo demais, politicamente incorreto. Peço desculpas por isso. Não é a intenção. A verdade é que os tempos eram outros e, por incrível que pareça, era considerado normal. Não digo que era certo, fique claro. Apenas era o que era. Não julgo. Só conto a história. Todos pareciam estar de acordo com aquilo, numa relação comercial privada e consensual. “Her body, her choice.” 

Reza a lenda que, décadas atrás, quando os coletinhos eram amarelos e motivo de orgulho, não de campanha publicitária no intervalo do Jornal Nacional, alguns operadores da Bovespa e da BM&F se organizavam para apostar qualquer coisa. Tinha até sorteio de uma mulher, uma garota de programa que era sorteada entre os participantes in loco do pregão viva-voz.

Segundo papai, a coisa funcionava assim: cada um recebia um número, uma senha. Então, sorteava-se um número numa espécie de bingo. O “match” entre o número sorteado e o detentor da respectiva senha levava o prêmio pra casa.

 O negócio era tão louco que o número não era anunciado de uma vez. Apostava-se se deu par ou ímpar. Então, um locutor falava ao microfone: “par”. Todos os ímpares estavam excluídos portanto. Os detentores de números pares podiam negociar entre si as senhas. Agora, com 50% dos jogadores excluídos, cada passe já estava mais valorizado. Então, íamos para uma nova rodada: “O número é maior ou menor do que 50?”. Nova negociação entre vendedores e compradores de senhas, interessados em levar algum dinheiro com a venda de seu número ou mais interessados no prêmio. O processo se repetia até a descoberta objetiva do real número sorteado e do respectivo vencedor. 

Pelo que se diz, isso acontecia a cada final de ano. Com frequência maior, havia outro tipo de aposta recorrente, no que se chamava de “mercado dos 100%”. A cada semana, os operadores apostavam qual seria a ação a dobrar de preço mais rápido nos pregões seguintes. Aquele que apontasse a próxima multiplicação de valor levava o prêmio — desta vez, em dinheiro mesmo. 

Os tempos são outros, claro. O absurdo do primeiro tipo de bingo seria impensável hoje. De algum modo, o segundo também. Com juros muito menores atualmente e retornos cadentes como um todo, volatilidade inferior e economia mais bem organizada e sem inflação, difícil imaginar ativos dobrando de preço em poucos pregões. 

O “mercado dos 100%” teria pouca liquidez e poucos apostadores — ao menos em sua frequência semanal. Contudo, sua existência sugere alguma atratividade especial na ideia de dobrar o capital. Parece haver algo mítico na ideia de multiplicar suas economias por 2x. Não tenho comprovação científica, tampouco estudei isso, mas, intuitivamente, suspeito que o benefício marginal em termos de Utilidade (algo próximo à medição do nível de felicidade) do investidor ao sair de um ganho de 80% para 90% numa posição é bem menor do que se fôssemos de 90% para 100% — embora todos saibamos, claro, que, objetivamente, se trata da mesma coisa.

Lembrei dessa história depois de call da nossa equipe de análise com o top management de Jereissati (JPSA3), feito ontem. Claro que o cenário para shoppings ainda é muito difícil e que seria ridículo pensar num horizonte de semanas. Mas, fazendo conta, consigo encontrar nas ações um potencial de valorização da ordem de 100%. O cenário hoje já é melhor do que aquele traçado durante o mês de maio e o próprio management se mostra mais aliviado. Os ativos são bons, os juros baixos vieram para ficar e as ações se mostram muito depreciadas. Podemos até ter alguma mudança de mix dentro dos shoppings mais à frente, com mais entretenimento e menos lojas para consumo de produtos físicos. Mas não me parece que chegaremos a um ponto de mudança no padrão de consumo em que as pessoas passarão a ir menos para os shoppings. Ao contrário, pode até haver algum elemento antifrágil aqui. O shopping estará sujeito a regras claras de convívio, limpeza, distanciamento social e rígidos protocolos de atendimento. Será um ambiente seguro — aqui entendido em vários níveis — e mais atraente às famílias. Podemos ter mais um ou dois trimestres difíceis, mas, objetivamente, as coisas estão voltando semana após semana e logo teremos a vacina. Uma boa empresa, com ativos irreplicáveis, passando por um mau momento (circunstancial) em Bolsa costuma ser uma das oportunidades de compra mais simples. Downside razoavelmente baixo e ótimo upside para um horizonte de 18 meses.

Também fiquei pensando em Oi (OIBR3) ao ver relatório do BTG ontem, com novo preço-alvo de R$ 2,80 para as ações. Por termos os papéis recomendados nas nossas carteiras, fico feliz com qualquer notícia que possa ajudar a valorizar os papéis, pois isso implica ganhos para nossos assinantes. Mais até do que o preço-alvo em si, duas coisas me chamaram atenção: i) a percepção de risco muito menor sobre o case agora, o que é ótimo para um ativo sempre considerado muito especulativo; e ii) os elogios à aprovação do aditamento do plano de recuperação judicial; falo isso porque também vi de forma muito positiva a última AGC, embora as ações não tenham andado bem desde então. Quando um negócio vai bem, as ações no final do dia acabam seguindo. Acredito ser o caso agora. Com a evolução do cenário positivo, entendo que OIBR3 poderia buscar R$ 3,20. Sob alguma sorte e eventual maior apetite dos compradores dos seus ativos, chegaríamos a R$ 3,40 por ação — e então, já estamos quase próximos aos 100% de upside.

Por fim, para fechar a tríade, me vem à cabeça Natura (NTCO3), uma das cinco maiores players globais do setor (hoje é uma empresa realmente global), valendo US$ 11 bilhões em Bolsa, contra pares que rodam entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões. Se o turnaround der mesmo certo e conseguir entregar aumento de margens de Avon, isso aqui pode ser uma porrada seca e com liquidez. Comecei a estudar Natura com mais afinco a partir de um anedótico, quando percebi o quanto os gestores próximos à Pragma (multi-family office com laços umbilicais com a Natura) estão otimistas com o case. A partir de então, quanto mais estudo, mais eu gosto. Pode não parecer e não ser tão óbvio a priori, mas NTCO3 também faz parte do meu clube dos 100%. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

ouça de graça

Tela Azul #22: A vida difícil dos PJs, Startups e o Venture Capital no Brasil

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Tognini, CEO do Conta Simples, uma startup brasileira que une serviços bancários para PJ, com ferramentas que facilitam a gestão financeiras das empresas.

PREÇOS EM ALTA

Projeções para inflação em 2021 continuam se afastando do centro da meta

Relatório Focus mostra que economistas reajustaram expectativas para IPCA pela nona semana consecutiva e esperam dólar acima de R$ 5,10

O melhor do Seu Dinheiro

Papel, celulose e tesoura

O que você diria de uma empresa que teve um prejuízo anual de quase R$ 11 bilhões e ainda assim conseguiu melhorar praticamente em todas as frentes operacionais? Esse é o curioso caso da produtora de papel e celulose Suzano. Com quase toda a receita em dólar, a companhia teve um forte avanço na geração […]

COMO DOMAR O LEÃO

Seu Dinheiro lança Guia do Imposto de Renda 2021 com orientações para preencher a declaração e pagar menos imposto; conheça

Veja como declarar imóveis, dependentes, pensão alimentícia e investimentos. O curso mostra o que mudou no Imposto de Renda 2021 e caminhos legais para pagar menos imposto ou receber uma restituição maior.

"Cheque em branco"

Câmara analisa retirar o limite de R$ 44 bilhões para pagamento de auxílio emergencial

O medo da maioria dos deputados é de que o governo receba um “cheque em branco” e descontrole os gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies