Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2020-09-15T11:03:48-03:00
Exile on Wall Street

Noivo neurótico (e rico), noiva nervosa

O controle das pulsões é, de algum modo, civilizatório — e também fruto das neuroses freudianas, uma espécie de preço a se pagar pela adequação.

15 de setembro de 2020
11:03
Passado e futuro
Imagem: Shutterstock

Uma das diferenças importantes do ser humano frente a outros animais é sua habilidade de ampliar a percepção do tempo. Podemos imaginar o futuro e guardar lembranças na memória, ponderando decisões intertemporais. Sacrificamos o presente em prol de um futuro melhor ou abrimos mão de mais amanhã diante do imediatismo do hoje. 

Como resume Eduardo Giannetti com seu tradicional brilhantismo, estamos sempre sob o dilema da escolha entre “mais vida nos nossos anos” e “mais anos na nossa vida”. Em linguagem de meme, a difícil opção entre “dar uma segurada” e “só se vive uma vez”.

A conquista da dimensão temporal trouxe algo importante aos humanos: uma capacidade de abstração do agora, que freia a tirania das pulsões mais imediatas e calibra decisões a partir dos cálculos entre passado, presente e futuro. Vivemos mentalmente numa espécie de mundo paralelo, desviando a atenção do mero momento corrente para viver contemplações de futuro ou memórias do passado. 

Por vezes, deixamos o aqui-e-agora para viver o que não é, aquilo que não existe; ou existe somente nas nossas cabeças. Controlamos a tirania dos sentidos e suspendemos o imediatismo dos impulsos em prol de um futuro mais próspero. 

Paul Valéry define o ser humano como o animal cuja principal morada está no passado e no futuro. Ele mira outro mundo, não observável e não concreto àquele momento, alguém que sente continuamente a necessidade daquilo que não existe. 

O controle das pulsões é, de algum modo, civilizatório — e também fruto das neuroses freudianas, uma espécie de preço a se pagar pela adequação.  

Há situações de exceção sobre a boa ponderação entre presente e futuro. Circunstâncias de intensa dor ou prazer tornam o momento absoluto, sacrificando o peso atribuído ao valor do futuro. O aqui-e-agora volta a reinar soberano. As pulsões dominam qualquer espaço para abstração da realidade objetiva e concreta diante de uma sensação extrema. O êxtase ou o machucado restauram o animal humano em sua versão mais primitiva. “Uma pequena ardência sentida nos impulsiona com mais força do que grandes prazeres prospectivos nos atraem ou cativam.”

Se você estiver faminto, não há taxa de juros ou compensação futura que o fará postergar a refeição. O instinto de sobrevivência avassalador falará mais alto do que qualquer preço da espera. 

Este texto é uma pequena homenagem a “O Valor do Amanhã”. O retorno da volatilidade aos mercados me levou de volta ao livro. Em situações de extrema dor ou prazer, o ser humano calibra mal o presente e o futuro, dando peso excessivo ao primeiro. Em momentos de maior volatilidade, o investidor pode estar sob maior prejuízo (dor) ou lucro (prazer). A consequência é a perda da capacidade de abstração daquele retrato temporal específico, levando ao ímpeto da decisão por impulso. 

Como forma de tangibilizar o lucro (prazer) e guardá-lo consigo, o investidor, na média, vende posições vencedoras antes da hora. Em contrapartida, para não enfrentar a dor (prejuízo), carrega as perdedoras por mais tempo do que deveria.

Ainda mais preocupante é o fato de que, sob situações de extrema dor (prejuízo), o investidor tende a arriscar-se ainda mais, numa tentativa, por vezes desesperada, de virar o jogo. 

Com isso, aumentamos as chances de entrar numa espiral negativa, um ciclo vicioso em que prejuízos iniciais abrem espaço para novas decisões de investimento ruins, quando perdemos a capacidade de ponderar racionalmente sobre presente e futuro e cedemos às pressões das pulsões instintivas. Sob prejuízos intensos, passamos a agir como animais com muita dor, cujo objetivo é apenas livrar-se daquele sofrimento, sem qualquer outra capacidade imaginativa. A vossa excelência Volatilidade desperta no investidor os instintos mais deliciosamente primitivos. A capacidade de abstração do momento particular deve prevalecer a qualquer custo.

A primeira tarefa do investidor neófito em Bolsa é civilizar-se. Há várias possíveis interpretações para isso. Escolha a sua preferida.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil tem 142 mil óbitos e 4,74 milhões de casos acumulados

Do total de contaminados, 86% se recuperaram da doença

seu dinheiro na sua noite

Cheiro de pedalada e de drible no teto de gastos

Caro leitor, O governo bem que tentou se safar manejando o cobertor curto, mas pelo menos para o mercado financeiro, não colou. O anúncio do programa social Renda Cidadã nesta segunda-feira lançou um combo de preocupações nos investidores e atirou o Ibovespa na lama, totalmente na contramão do resto do mundo. O dólar, por sua vez, voltou […]

dinheiro à vista

CCR paga R$ 373,2 milhões em dividendos em 30 de outubro

Empresa pagará o correspondente a R$ 0,18477410142 por ação ordinária

Na contramão

Bolsa cai e dólar dispara depois de governo revelar como pretende financiar Renda Cidadã

Ibovespa abriu em alta, mas virou em meio à frustração dos investidores com o financiamento do programa que sucederá o Bolsa Família

em anúncio do renda cidadã

Guedes: Política dá o timing e desoneração está sendo estudada

No anúncio do novo programa social do presidente Jair Bolsonaro, o Renda Cidadã, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a proposta do governo foi feita com a busca da “verdade orçamentária”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu