Menu
Exile on Wall Street
João Piccioni
Analista de investimentos na Empiricus e especialista em investimentos no exterior
2020-12-23T11:02:12-03:00
O DESAFIO DE ACHAR BONS NEGÓCIOS

Incertezas globais em 2021? Tomara!

Em um planeta em que os anos viraram meses e as semanas viraram dias, ainda vejo muita confusão no mundo dos investimentos. O segredo é procurar insights e não o óbvio.

23 de dezembro de 2020
10:46 - atualizado às 11:02
Homem de negócios em meio a interrogações e o número 2021
As incertezas no radar de 2021 - Imagem: Shutterstock

Sabe do que eu mais gosto nas previsões sobre o futuro? Das incertezas. Não fossem elas, a humanidade andaria em passos de tartaruga e os sonhadores (e fazedores) seriam relegados ao segundo plano. O desafio de transpô-las é o que nos faz levantar dia após dia e, apesar de todos os obstáculos, inundar o planeta com avanços tecnológicos.

Em um planeta em que os anos viraram meses e as semanas viraram dias, ainda vejo muita confusão no mundo dos investimentos. Investidores que ainda buscam a certeza na hora de selecionar suas ações acabam deixando diversas oportunidades na mesa. Céticos com o mundo, eles insistem em modelar negócios óbvios e procurar ali vantagens competitivas. Para se obter o verdadeiro alfa, precisamos usar nossos conhecimentos para termos insights, e não para encontrar o óbvio…

É como Reed Hastings, fundador e CEO da Netflix, descreve em seu livro a oferta feita ao então CEO da Blockbuster, John Antioco, para vender a sua empresa por meros US$ 50 milhões no início dos anos 2000. Antioco, uma estrela em ascensão à época, simplesmente não enxergou valor no negócio e recusou categoricamente. Sua cabeça moldada pela certeza do modelo da Blockbuster deixou de lado as incertezas da Netflix, que hoje se tornou uma gigante de US$ 200 bilhões. Sorte a nossa que Hastings ficou livre para voar!

As MAANGs (permita-me a substituição das ações do Facebook pelas ações da Microsoft no acrônimo — já me justifico) revolucionaram as economias globais no início do século e a minha aposta é que continuarão a fazê-lo na década que se avizinha. O óbvio aqui é que elas são boas companhias. O insight é conseguir ver em seus projetos, a capacidade de disrupção nos seus mercados.

Na ordem do acrônimo:

  • a Microsoft deve avançar sobre a Intel com o lançamento de um microchip desenhado para rodar em seus servidores.
  • A Amazon continuará a penetrar no varejo digital, além de expandir os horizontes dos seus serviços de nuvem e fortalecer novas frentes de negócios, como os mercados de saúde e advertising.
  • A Apple continuará a surpreender, seja com seus hardwares, serviços ou, quem sabe, com o seu projeto de veículo autônomo (iCar ou Apple Car; a certeza é que ele cairia como uma luva no mercado de veículos elétricos — te cuida, Tesla! Ou deveria dizer Ford, GM, Volks, Toyota…).
  • A Netflix deve continuar fazendo o que mais sabe e levar horas e horas de entretenimento às pessoas.
  • E, por fim, a Alphabet (Google), com as suas dezenas de startups, que estão desenvolvendo tecnologias que vão desde o veículo autônomo até os segredos da juventude, certamente trará algo de novo para a sociedade.

(Deixei de lado as ações do Facebook porque não acredito tanto na sua capacidade transformacional. A execução perfeita até aqui foi bastante calcada em boas aquisições e, agora, por conta das pressões públicas, a empresa será sempre questionada pelas autoridades governamentais quando as oportunidades surgirem. Ou seja, pressão não vai faltar.)

Incluo também nesse rol de vencedoras as ações da Disney. O nascimento dos seus negócios de streaming recolocou o crescimento de volta nos livros da empresa. O Disney+ já conta com mais de 90 milhões de assinantes ao redor do mundo e deve crescer substancialmente até 2024.

Do micro para o macro, é preciso também levar em conta o ambiente de descompressão dos riscos após a vitória de Joe Biden. Um dólar fraco não é necessariamente ruim para a economia americana, cujos negócios são em sua ampla maioria globais. Depois do solavanco causado pela pandemia, a expectativa é de que os estímulos continuem a fluir e as pautas eleitorais (energia limpa, ESG e infraestrutura) ganhem espaço.

A recuperação da economia americana pode tirar da sonolência classes de ativos que ficaram para trás durante a crise. Os REITs (os fundos imobiliários americanos), por exemplo, devem voltar a ganhar espaço nas alocações em 2021, dado seu elevado poder de remuneração. As taxas de juros extremamente baixas permitem uma alavancagem saudável e taxas internas de retorno superiores à média histórica.

Já os negócios da “velha economia”, como o varejo físico e o setor bancário, precisarão ser avaliados com um pouco mais de atenção. A questão aqui é justamente o grau de certeza relacionado à perda de participação de mercado para os novos negócios que surgem rapidamente. Não se trata de uma fraqueza generalizada, mas sim da necessidade de se escolher bem companhias que consigam integrar o uso da tecnologia aos seus planos estratégicos. Aos olhos dos grandes fundos de investimento, cada ponto perdido de market share custará uma fortuna.

Por fim, é preciso reforçar o apetite do investidor pelo que é novo. Nesse sentido, o ano de 2020 trouxe surpresas interessantes, como a descoberta em tempo recorde das vacinas contra a Covid-19, novos testes envolvendo edição de genes (CRISPR), o salto nos estudos sobre as baterias de estado sólido e os avanços do 5G, inteligência artificial e energia limpa. Todos esses segmentos despertaram a curiosidade dos investidores e foram selecionados por diversas casas renomadas (UBS, Goldman Sachs, Morgan Stanley) como os setores mais promissores da próxima década.

Quem acompanha a série MoneyRider sentiu na pele esse apetite. Não obstante o bom retorno de 18% em dólar do MoneyRider Hedge Fund (a principal carteira da série), os resultados obtidos pelas carteiras de tecnologia (MoneyBets Revolution) e cannabis (GreenRider) podem ser considerados muito bons — 138% e 46%, respectivamente, sempre em dólar.

Para 2021, a avidez pelas ações americanas (e globais, por que não?) continuará existindo. Seja pelos juros baixos, seja por conta da transformação do tempo (anos viraram dias), as oportunidades continuarão a surgir no horizonte. Estejam elas localizadas na velha ou na nova economia, o importante é que você destine parte dos seus investimentos para os mercados internacionais.

Uma boa dose das MAANGs, associada às ideias fora da caixa da série As Melhores Ações do Mundo, deve dar conta do recado. Lembrando que você sempre pode ter mais insights com a série MoneyRider e se embrenhar no verdadeiro mundo de oportunidades.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies