Menu
Rodolfo Amstalden
Exile on Wall Street
Rodolfo Amstalden
Sócio-fundador da Empiricus e autor do Programa de Riqueza Permanente
2020-09-17T12:06:22-03:00
Exile on Wall Street

Cuidado, excesso de cuidado à frente!

Nossos heróis demasiado humanos não podem falhar nem mesmo no olho do furacão?

17 de setembro de 2020
12:06
Ray Dalio Bridgewater
Imagem: Print site Bridgewater

Você provavelmente já ouviu falar dele.

Ray Dalio toca um dos maiores hedge funds do mundo.

Sua gestora — a Bridgewater Associates — possui um patrimônio de aproximadamente US$ 150 bilhões.

Seu livro de Princípios virou best-seller global, merecidamente (recomendo a leitura a qualquer pessoa que queira empreender, e sobretudo às pessoas que não queiram).

Então, você deve imaginar, esse sujeito é adorado por todos, certo?

Não exatamente.

A imprensa americana sempre aproveita as mínimas chances de atacar sua reputação.

No caso mais recente, noticia-se que o principal fundo de investimentos da Bridgewater acumula uma queda de 18% no ano, a pior performance em uma década de track record.

Nossos heróis demasiado humanos não podem falhar nem mesmo no olho do furacão?

Ironicamente, num novo mundo de fóruns de day traders em que a ilusão pelo acaso é ostensivamente premiada, a pretensa falha de Ray Dalio tem menos a ver com indisciplina e mais a ver com um excesso de cuidado.

A Bridgewater foi rápida ao cortar suas alocações de risco em março, quando o coronavírus se tornou um grave problema sistêmico.

No entanto, o retorno a essas mesmas posições ocorreu de forma vagarosa nos meses subsequentes, sem conseguir pegar carona no "helicopter money" do Fed.

Não é a primeira vez que isso acontece.

Em janeiro de 2019, um movimento semelhante impediu que a gestora surfasse o pacote de estímulos de Jerome Powell.

E não custa lembrar que o maior erro da carreira de Ray Dalio, explicitado no livro, ocorreu em 1982, quando ele apostou todas as sua fichas em um cenário de depressão econômica que nunca veio à tona (ao contrário, aquele fora o início de um dos maiores ciclos de crescimento não inflacionário dos EUA).

Ok, todos esses fatos são verídicos e têm sua devida importância no entendimento de como pensa e trabalha a Bridgewater.

Mas, se Ray Dalio é mesmo tão estúpido, como seu principal fundo foi capaz de subir em 17 dos últimos 20 anos, gerando um retorno médio de 12% ao ano, em dólares, sob volatilidade bastante aceitável?

No calor do momento, as notícias financeiras são levadas ao leitor desprovidas de contexto.

Um sujeito passa 20 anos fazendo um ótimo trabalho e é retratado como um idiota em meio à adversidade de um 2020 pandêmico.

Se é verdade que a Bridgewater vai mal quando o mercado se recupera rapidamente — e mesmo assim é capaz de gerar alfa em longo prazo —, isso significa que só poder ir bem quando o mercado não se recupera.

Diante da atual escassez de hedges para os nossos portfólios, uma posição em Bridgewater traz o pouco de cuidado a mais de que todos estamos precisando antes de sair por aí falando mal de quem não conhecemos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

empresa de porto alegre

Startup Zenvia entra com pedido de IPO na Nasdaq

Empresa quer levantar até US$ 100 milhões; oferta terá seus recursos destinados para pagar o montante utilizado na aquisição da startup D1, entre outros

LDO

LDO de 2022 prevê ‘vacinas’ contra manobras do Orçamento

Proposta exclui a possibilidade de indicação das emendas de relator e proíbe o Congresso de subestimar despesas obrigatórias sem aval do Executivo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies