Menu
Exile on Wall Street
Ana Westphalen
2020-06-12T12:41:08-03:00
Exile on Wall Street

Assim é (se lhe parece)

O mistério em pauta é a dicotomia entre os preços dos ativos negociados na Bolsa e os números preocupantes vindos da economia real

12 de junho de 2020
12:41
segredos da bolsa bomba
Imagem: Shutterstock

Escrita pelo italiano Luigi Pirandello em 1917, a comédia “Assim é (se lhe parece)” conta a história de um homem recém-chegado a uma cidadezinha da Sicília. Sua rotina incomum logo vira assunto na vizinhança, por alternar os dias entre a casa da esposa e a casa da sogra — que, estranhamente, nunca eram vistas juntas.

O título da peça faz referência à forma como a narrativa é conduzida, baseada nas versões idealizadas pelos vizinhos para explicar o mistério. Fica para o leitor a tarefa de questionar o que é verdade e o que se trata de pura ilusão.

Dando um salto diretamente para os dias atuais, o mistério em pauta é a dicotomia entre os preços dos ativos negociados na Bolsa e os números preocupantes vindos da economia real.

Embora hoje o nível de risco e as incertezas sejam muito maiores do que no início do ano, nenhum dado tem sido suficiente para inibir a esperança em uma recuperação global em formato de “V”, ou seja, com um rápido retorno da atividade após a parada forçada pela pandemia do coronavírus.

“A verdade é que contra fluxo não há argumento”, gosta de justificar um amigo operador. Ele se refere à expansão monetária sem precedentes coordenada pelos grandes bancos centrais desde o início do ano. Pelos cálculos do FMI, os estímulos já somam US$ 10 trilhões em todo o mundo.

Esse dinheiro inevitavelmente flui pelo mercado financeiro e acaba ajudando a sustentar a onda de otimismo que presenciamos nas últimas semanas, que levou as principais Bolsas americanas a zerarem as perdas em 2020, apesar de o Federal Reserve projetar uma queda de 6,5% para o PIB dos EUA neste ano.

Mas até que ponto a disposição dos grandes bancos centrais de continuar bancando a festa justifica esse otimismo exagerado e inabalável? Curiosa sobre como os gestores de fundos estão vendo esse cenário, passei a última semana devorando as cartas mensais divulgadas pelas gestoras.

Além do contato contínuo com os gestores, nós da série Os Melhores Fundos de Investimento nos dedicamos a acompanhar de perto as cartas ­— e fazemos questão de enviá-las prontamente aos nossos assinantes. Nos empenhamos em ler todas elas, sejam os respectivos fundos sugeridos nesta série ou não.

E o que temos visto? Poderia dividir os gestores hoje em dois grupos. No primeiro, estão os que têm assumido uma postura cética diante do rali dos mercados. Eles questionam a hipótese de uma saída rápida da recessão e chamam a atenção para a piora da relação entre risco e retorno dos ativos. Já adianto que consideramos esses os melhores profissionais para gerir o seu patrimônio.

Importante dizer: o fato de questionarem se o rali da Bolsas é sustentável não os impede de ganhar com a alta. O que os melhores gestores fazem é procurar uma forma responsável e diligente de aproveitar a tendência, mas sem nunca abrir mão de proteções na carteira diante do elevado nível de incerteza no cenário econômico.

Do outro lado, temos visto a figura do “gestor torcedor”. Aquele que, estimulado pelo rali recente e com receio de desperdiçar a chance de melhorar seu retorno de curto prazo, acaba relegando o risco que corre. Sobretudo no Brasil, onde o descontrole sobre a pandemia e a deterioração econômica somam-se à fragilidade fiscal e à constante turbulência política. Sem coragem de ir contra a manada, ele aumenta o risco da carteira e vira um torcedor.

Mesmo com o tombo em Wall Street ontem (e que implicará um ajuste por aqui hoje), os ativos de risco podem até continuar subindo no curto prazo. Mas nem de longe é hora de baixar a guarda. Algumas lições que ficam para o investidor:

– Momentos como esses são bons termômetros para identificar quem está mais apto a cuidar da preservação do seu capital;

­– Desempenho de curto prazo é o pior critério para avaliar um gestor. Em geral, quem entrega retorno acima da média hoje é justamente aquele que está correndo riscos além do que consideramos adequado.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

dragão debilitado

China cresce 2,3% em 2020, mas pode desacelerar no começo de 2021

Crescimento da economia no 4º trimestre superou expectativas, mas dados de dezembro foram mistos, diz Commerzbank

NÚMEROS DA PANDEMIA

Brasil registra 209,9 mil mortes e 8,48 milhões de casos de covid-19

Nas últimas 24 horas, foram notificados 551 óbitos e 33.040 novos diagnósticos de covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde

entrevista exclusiva

Para Figueiredo, da Mauá e ex-BC, as ações no Brasil estão baratas

Sócio fundador da Mauá Capital diz que economia deve se recuperar e a Bolsa terá bom desempenho em 2021, desde que não haja descuido do lado fiscal

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies