Menu
Exile on Wall Street
Bruno Merola
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-11T11:29:17-03:00
Exile on Wall Street

Alocação não vende; e isso é um bom motivo para comprá-la

Se o leitor soubesse quantos dos clientes mais ricos do país cultivam o hábito de conferir sua conta na corretora diariamente, não acreditaria.

11 de dezembro de 2020
11:29
Diversificação
Imagem: Shutterstock

Durante mais de cinco anos de minha vida, o que eu ganhava com aulas particulares de matemática para alunos do Ensino Fundamental à pós-graduação contribuiu de maneira relevante para minha renda – que não era lá muita coisa na época da faculdade.

Sempre fui fascinado por aprender e ensinar. Acreditava e ainda acredito que, ao ser convidado a entrar na casa de estranhos levando um caderno e algum conhecimento acumulado, eu poderia mudar para sempre o interesse de uma criança sobre aquele tema. De bônus, aprendia junto, reforçando os próprios conceitos que ensinava.

Porém, havia um dilema na profissão que sempre me intrigou – e a partir do momento em que o percebi como relevante, passei a enxergá-lo em outros campos do conhecimento: quanto melhor o desempenho dos alunos, menos precisavam de mim.

Quanto mais queijo suíço, mais buracos. Quanto mais buracos, menos queijo suíço. Logo, quanto mais queijo, menos queijo.

O sofisma acima – que também poderia ser igualmente representado pela ideia recente de um ex-candidato a prefeito sobre o rombo da Previdência – indicava a finitude e a baixa escalabilidade do modelo, sob a ótica capitalista.

Como conciliar dar o seu melhor para que o aluno aprenda e garantir um certo número de recorrência nas aulas ou de indicações entre seus colegas? Por sorte, a vocação sempre venceu o incentivo dúbio, mas isso diz um pouco sobre a indústria de mercado de capitais.

Guardadas as devidas proporções, quanto mais o investidor aprende e se informa, menor é seu desejo de delegar a gestão de recursos a um profissional e mais ele arrisca ser “gestor” de seu próprio fundo.

É natural que seja assim, afinal a curva da autoconfiança passa, necessariamente, por altos e baixos: não sabemos, depois sabemos que não sabemos e, por fim, aprendemos. No meio do processo, achamos que sabemos – e esse é o momento mais desafiador.

Pessoalmente, caminho na direção contrária. Quanto mais aprendo diariamente (e há, disparado, mais coisas das quais não sei do que sei), mais escolho confiar meu patrimônio e o da minha família aos benefícios da diversificação de longo prazo.

O problema é que não há sex appeal na alocação entre classes de ativos. O investidor quer saber o melhor cavalo para 2021, a ação, fundo imobiliário ou criptomoeda que vai dar a grande porrada da vida no ano que vem.

E muitas vezes essa procura é feita sem uma política de investimentos bem construída, essencial na alocação dos grandes investidores não apenas para saber onde se quer chegar e como fazê-lo, mas para não permitir que os vieses comportamentais que todos temos na relação com o dinheiro nos desviem do trilho.

Se o leitor soubesse quantos dos clientes mais ricos do país cultivam o hábito de conferir sua conta na corretora diariamente, não acreditaria.

Por isso, faço questão de dividir com vocês a metodologia que guia nossas decisões de alocação em fundos desde abril deste ano.

De maneira simplificada, só há três formas de ganhar dinheiro, e todas as decisões que tomamos diariamente podem ser encaixadas em uma – e apenas uma – delas.

No primeiro nível, o investidor disciplinado decide qual é o modelo de alocação no longo prazo em que irá basear sua carteira. O quanto você deveria ter de cada classe de ativos para garantir o futuro da sua família e das próximas gerações, aconteça o que acontecer?

É o que chamamos de alocação estratégica. Nesta decisão inicial, maior sofisticação é maior diversificação: quanto menos concentrado – em ações, por exemplo – e mais exposto a diferentes fatores de risco, classes de ativos, geografias e moedas, mais próximo o investidor estará da consistência e da cabeça dos grandes profissionais.

Na sequência, é natural que também existam irracionalidades e oportunidades temporárias no mercado e que o investidor queira e deva se aproveitar delas, caso as identifique no momento certo. Quando é válido aumentar a exposição em Bolsa, reduzir a parcela em caixa ou comprar mais dólar como proteção, por exemplo?

Os desvios temporários à sua carteira da vida inteira são chamados de alocação tática e representam apostas de curto e médio prazo, bem mais difíceis do que o nível anterior.

Por fim, a implementação. É só após as decisões de alocação estratégica e tática que o investidor deveria pensar no que comprar: ao decidir ter 10% em títulos indexados à inflação ou 3% em small caps, em que fundo investir?

Já a seleção de gestores pode ser onde o leitor mais identifique a essência da série Os Melhores Fundos de Investimento, por exemplo. E, de fato, o relacionamento com a indústria e a busca pelos melhores gestores em cada classe de ativo é um trabalho de dedicação infinita.

As três decisões se completam e são independentes entre si: é possível montar uma alocação de longo prazo justa, errar no call de que a Bolsa subirá, por exemplo, mas estar investido em um fundo que bata o Ibovespa, tudo ao mesmo tempo.

Alocação não vende, eu sei. Não tem o charme das ações, fundos imobiliários, opções ou criptomoedas, mas como eu poderia deixar de sugerir aquilo em que mais acredito?

Para o investidor delegador, que prefere confiar sua grana a gestores de bilhões de reais, o investimento em fundos pode ser uma ótima opção, especialmente se considerados os três níveis de tomada de decisão.

Desde que incluímos a classe de juros reais no portfólio, por exemplo, o investidor já ganhou mais de 12% nesse book em pouco mais de oito meses.

Já o FoF Melhores Fundos, fundo da Vitreo que se inspira em nossa principal carteira de fundos, acumula ganhos superiores a 18% em pouco mais de um ano e meio, ante CDI de 6,97%.

Então, agora que você já conhece a Empiricus e os princípios de alocação que nos guiam, deixo o convite para conhecer mais da nossa alocação em fundos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies