Menu
Richard Camargo
Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2020-06-26T10:57:11-03:00
TEMPOS ESTRANHOS NA BOLSA

O estranho movimento de empresas que ganham valor quando pedem dinheiro para o mercado

Em tempos normais, se a empresa está precisando de capital, os acionistas atuais (e os futuros) estão em posição de vantagem para negociar uma fatia da companhia. Mas o que se vê hoje na bolsa é que tem gente disposta a pagar mais pela ação de uma empresa que precisa de dinheiro…

28 de junho de 2020
5:50 - atualizado às 10:57
A primeira onda de valorização da bolsa já passou, mas ainda dá tempo de surfar na segunda
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). Na semana passada, bati num tabu. Escrevi sobre o dilema do perdedor e como você pode lidar com prejuízos que invariavelmente acontecem. Hoje, vou abordar mais um dos novos (e estranhos) fenômenos do mercado: a euforia com aumentos de capital. 

Na minha época não era assim  

Fui educado numa escola relativamente ortodoxa. A Faculdade de Economia e Administração da USP, diferente do restante da universidade, ainda é um polo de mentes independentes.

Tudo bem que muitas das ideias propagadas com independência na faculdade já deixaram os manuais de economia e ingressaram nos livros de história, mas ainda sim, é uma metodologia clássica, que não foi sequestrada pela ideologia. 

Fora as questões mais filosóficas, os fundamentos do mercado de capitais nunca geraram debates calorosos na sala de aula. 

Anunciou aumento de capital? 

Beleza, as ações vão cair um pouco. É natural... 

Se a empresa está precisando de capital, os acionistas atuais (e os futuros) estão em posição de vantagem. 

Cabe à empresa ceder um pouco e captar recursos a níveis abaixo do preço de tela. 

Quão abaixo? Varia. 

Se a empresa possuir um plano sólido para alocação dos recursos e boa liquidez, entre 2% e 3% de desconto costuma funcionar. 

Agora, se a empresa está mais suja que pau de galinheiro, precisa dar bons motivos ao mercado para justificar a emissão. Uns 5% de desconto, no mínimo. 

Mas pelo visto, esse princípio também está sendo excluído dos manuais e endereçado aos livros de história. 

A moda agora é outra

No último dia 20, a IMC (MEAL3), dona das marcas Frango Assado, Viena e master franqueada do KFC e do Pizza Hut no Brasil, anunciou um aumento de capital. 

A empresa está com a maioria de suas lojas fechadas e, há menos de um mês, havia renegociado dívida com credores. 

Claramente, a IMC não está em posição de barganha por recursos com o mercado. Neste momento, seu plano é sobreviver, e não crescer. 

Ainda sim, no dia do anúncio, as ações subiram quase 5%. 

Aconteceu também com Via Varejo e as ações subiram.

Enquanto escrevo essa coluna, especula-se que o mesmo acontecerá com o IRB Brasil, e as ações também sobem em resposta. 

O que está acontecendo? 

Depois da festa, a ressaca vai ser brava

Ao que tudo indica, os juros baixos deixaram os investidores tão sem alternativas e ansiosos por alocar capital, que eles parecem dispostos a pagar às empresas pelo risco.

Isso não me parece bom. 

Consigo ouvir Murakami sussurrando e adaptando um trecho de 1Q84 ao pé do meu ouvido:

“Esses novos investidores… receio que não possuam o saudável ceticismo necessário para perdurar no mercado (...) estão pulando na piscina antes de verificar a profundidade da água.”

Não se deixe enganar; empresas não gostam de vender ações. 

Se o fazem, são por dois motivos: 

  1. ou consideram que suas ações estão caras (e vale a pena levantar capital nesse patamar), 
  2. ou porque necessitam desesperadamente de dinheiro. 

Eu não sei você, mas eu não fico animado em pagar mais pela empresa em nenhum dos dois cenários.

Claro que, a partir desses dois motivos principais, um milhão de histórias bonitas se desdobram… planos de aquisição, crescimento, inovação… blá blá blá. 

Isso é o que eles querem que você acredite; o que os influencers no Youtube e no Instagram vão repetir como robôs, sem se questionar se faz sentido ou não.

Por isso, seja cético com essa festa. 

Na Empiricus, temos a maior de equipe de análise do Brasil. Somos quase 40 pessoas mergulhadas no mercado todos os dias. 

Por 5 reais por mês, nunca foi tão barato ter um acompanhante em quem você pode confiar para ir à festa contigo. 

Um ótimo domingo!

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

entrevista

‘Caminhamos para o precipício ambiental’, diz CEO da Suzano

Walter Schalka diz que a sustentabilidade tem de unir empresas e governo para que o Brasil possa virar uma potência ambiental no mundo

decisão da justiça

Ex-secretário, vereador e empresário de Marília tornam-se réus por fraudes

De acordo com o Ministério Público Federal, o grupo é acusado de corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

caso queiroz

Citados em ‘rachadinha’ continuam com cargos

Ex-assessores fazem parte de uma lista de 69 pessoas que trabalharam com Flávio Bolsonaro e tiveram sigilo bancário e fiscal quebrados por decisão da Justiça em abril do ano passado

veja números de sábado

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 44 milhões na terça-feira

Caixa promove a mega semana das férias, com três concursos na próxima semana, que ocorrerão na terça-feira, quinta-feira (16) e sábado (18)

nem tudo é sucesso

O projeto de Jeff Bezos que levou seis anos, milhões de dólares — e fracassou

Sem alarde, Amazon lançou em maio deste ano um jogo chamado “Crucible”, que foi retirado para download gratuito poucas semanas após ser disponibilizado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu