🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Em 90% do tempo, tudo que você precisa fazer nos mercados é seguir a manada

Mas é possível mudar sua vida financeira ao se posicionar às vezes contra os mercados, como um investidor contrarian

22 de novembro de 2020
5:50 - atualizado às 13:56
Manada de elefantes
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). Imerso nos mercados, não tive como escapar a grande discussão da semana: o “rotation trade”. 

Ao redor do mundo, aquelas ações que vinham performando muito bem em 2020 (leia-se “tecnologia”) tiveram uma semana péssima.

Já os patinhos feios (todos os segmentos afetados pelo isolamento social) receberam uma dose de vacina antes do restante de nós. 

A pergunta que recebi dos leitores do Seu Dinheiro foi a seguinte: e agora, tech ou não tech?

O investidor contrarian

Um investidor contrarian é aquele que se posiciona contra o consenso do mercado. 

É o cara que shorteou (vendeu ações a descoberto) no início de 2020. 

É o investidor que comprou renda fixa brasileira de vencimentos distantes em 2015, quando os juros reais precificaram o “Fim do Brasil”. 

É o sujeito que não só avisou, mas de fato ganhou dinheiro com a derrocada das criptomoedas em 2017.

Enfim, deu para entender o que é um investidor contrarian. 

No geral, contrariar o consenso gera boas histórias, como esses três exemplos que eu dei acima. 

No espírito da pergunta que baliza a coluna de hoje, os leitores querem saber se essa é a hora de se desfazer de nomes ligados à tecnologia e dar um all in naqueles que comeram o pão que o diabo amassou em 2020. 

Antes da minha opinião, um fato:

Na maioria das vezes, o consenso está certo

Todo mundo quer um trade para chamar de seu. Uma ideia inovadora. Um insight antes do seu tempo. Uma oportunidade de fazer algo diferente. 

O problema é que se todos fossem contrarians, por definição, ser contrarian se tornaria o novo consenso. 

A bem da verdade, o consenso é muito bom e se ajusta muito rápido a mudanças. 

Veja o que aconteceu em março deste ano: tivemos uma cisne negro do tamanho de um elefante, em questão de três dias o mercado (S&P 500) caiu 35%. 

A correlação entre todos os ativos, nesse curto intervalo, aproximou-se de 1. 

Do ouro ao bitcoin, tudo caiu junto. 

O pânico, porém, logo deu lugar a um novo consenso. Um consenso dos vencedores e perdedores do isolamento social. 

Esse novo consenso nos trouxe até aqui. 

Pavimentou o mundo em que as empresas de tecnologia ficam cada vez mais caras e que ninguém quer ouvir falar do antigo value investing.

Naturalmente, em algum momento, esse consenso dará espaço a um novo. 

A transição

Nas finanças comportamentais, falamos muito sobre o viés de disponibilidade. 

Ou seja, nossa percepção sobre a realidade é afetada mais do que proporcionalmente por eventos recentes. 

O fato do último consenso ter sido formado em meio a um cisne negro está, enganosamente, criando a percepção entre muitos investidores de que todos os novos consensos se formam em meio a uma crise. 

Isso simplesmente não é verdade. 

A grande maioria dos consensos se sobrepõem em condições normais de temperatura e pressão. 

Em movimentos como o dessa semana, de volatilidade acima da média, porém longe de serem eventos extraordinários.

Isso é o que torna tão difícil a vida de um contrarian que entra de cabeça numa tese de mudanças estruturais: a grande maioria das mudanças acontece apenas na margem. 

Dito isso, minha opinião: 

Temos recomendado aos leitores algumas posições que ficaram para trás, vítimas do isolamento social. Nomes escolhidos a dedo, que unem qualidade e preços atrativos

Porém, não considero que estejamos diante da formação traumática de um novo consenso. Continuamos expostos a nomes de tecnologia, sobretudo no exterior, através de ETFs. 

Mas essa é só a minha opinião. Esta semana, você pode participar gratuitamente no aniversário da Empiricus e ouvir a opinião dos maiores gestores do país, como Florian Bartunek, André Ribeiro e companhia. 

Poderá ouvir sobre o futuro das reformas direto da fonte, com o ministro Paulo Guedes. Este é o link para participar (gratuito). Vai por mim, vale o seu tempo.

Compartilhe

PODCAST GRATUITO

Como investir no Spotify e outras 4 empresas fora do radar?

6 de janeiro de 2021 - 16:40

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Leonardo Otero, gestor da Arbor Capital, uma gestora focada em casos de tecnologia.

investimento com benefícios imediatos

Os 5 benefícios da previdência privada – redução de imposto de renda em 2021 é só um deles

27 de dezembro de 2020 - 5:50

Você provavelmente já sabe que dá para pagar menos imposto no ano que vem com aportes na sua previdência ainda em 2020. Mas as vantagens dessa modalidade de investimento vão muito além. Eu explico tudo na coluna de hoje e trago uma lista de quatro bons planos de previdência para você investir.

ouça de graça

Tudo o que você precisa saber sobre MGLU3, o Magazine Luiza

21 de dezembro de 2020 - 12:59

Na edição desta semana do Tela Azul, nós recebemos o Henrique Imbertti, um dos principais diretores de inovação do Magazine Luiza.

DE 2020 PARA 2021

Por que a Eneva (ENEV3) é minha ação preferida para 2021

20 de dezembro de 2020 - 5:50

A Eneva possui uma das diretorias mais qualificadas do setor e adotou uma estratégia única no Brasil: misturar a exploração de gás com a geração de energia. No longo prazo, o que se espera é que a performance das ações acompanhará a sua capacidade de gerar lucros crescentes.

PODCAST GRATUITO

Bitcoin, precatórios digitais e a nova moeda do Vasco

15 de dezembro de 2020 - 8:53

Na edição desta semana do Tela Azul, nós recebemos o Fabrício Tota, diretor do Mercado Bitcoin, a maior bolsa de ativos digitais da América Latina.

O MUNDO DOS GAMES

Mais que um jogador, um investidor: como os games podem te fazer ganhar dinheiro

13 de dezembro de 2020 - 5:50

Talvez o papo seja de adolescente, mas o dinheiro envolvido é de gente grande.

ouça de graça

O que muda com o PIX e qual o futuro das agências bancárias?

9 de dezembro de 2020 - 9:58

Na edição desta semana, nós recebemos o Cristiano Gomes, um dos principais estrategistas da equipe de tecnologia do Santander no Brasil.

internacionalizando o portfólio

Como investir no exterior com R$ 5 mil, sem comprar dólar ou sair do Brasil

6 de dezembro de 2020 - 5:50

A maneira mais simples de fazê-lo é através de fundos de investimento que investem no exterior.

PODCAST TELA AZUL

Você controla seus investimentos numa planilha? Então veja isto

2 de dezembro de 2020 - 16:01

Essa semana, nós recebemos o Eduardo e o Gabriel, fundadores do Real Valor, o melhor aplicativo disponível para fazer a gestão dos seus investimentos pessoais.

APRENDENDO COM O PROFESSOR BESSEMBINDER

O clube dos 900%: o que você pode aprender com os maiores casos de geração de riqueza da Bolsa americana

29 de novembro de 2020 - 5:50

Empresas quebrando são mais frequentes que empresas dominando o mundo em algumas décadas. Mas poucos acertos podem rechear a sua carteira e garantir sua aposentadoria precoce.

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies