Menu
Richard Camargo
Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
2020-11-19T13:56:16-03:00
CONTRARIAR OU NÃO O CONSENSO?

Em 90% do tempo, tudo que você precisa fazer nos mercados é seguir a manada

Mas é possível mudar sua vida financeira ao se posicionar às vezes contra os mercados, como um investidor contrarian

22 de novembro de 2020
5:50 - atualizado às 13:56
Manada de elefantes
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). Imerso nos mercados, não tive como escapar a grande discussão da semana: o “rotation trade”. 

Ao redor do mundo, aquelas ações que vinham performando muito bem em 2020 (leia-se “tecnologia”) tiveram uma semana péssima.

Já os patinhos feios (todos os segmentos afetados pelo isolamento social) receberam uma dose de vacina antes do restante de nós. 

A pergunta que recebi dos leitores do Seu Dinheiro foi a seguinte: e agora, tech ou não tech?

O investidor contrarian

Um investidor contrarian é aquele que se posiciona contra o consenso do mercado. 

É o cara que shorteou (vendeu ações a descoberto) no início de 2020. 

É o investidor que comprou renda fixa brasileira de vencimentos distantes em 2015, quando os juros reais precificaram o “Fim do Brasil”. 

É o sujeito que não só avisou, mas de fato ganhou dinheiro com a derrocada das criptomoedas em 2017.

Enfim, deu para entender o que é um investidor contrarian. 

No geral, contrariar o consenso gera boas histórias, como esses três exemplos que eu dei acima. 

No espírito da pergunta que baliza a coluna de hoje, os leitores querem saber se essa é a hora de se desfazer de nomes ligados à tecnologia e dar um all in naqueles que comeram o pão que o diabo amassou em 2020. 

Antes da minha opinião, um fato:

Na maioria das vezes, o consenso está certo

Todo mundo quer um trade para chamar de seu. Uma ideia inovadora. Um insight antes do seu tempo. Uma oportunidade de fazer algo diferente. 

O problema é que se todos fossem contrarians, por definição, ser contrarian se tornaria o novo consenso. 

A bem da verdade, o consenso é muito bom e se ajusta muito rápido a mudanças. 

Veja o que aconteceu em março deste ano: tivemos uma cisne negro do tamanho de um elefante, em questão de três dias o mercado (S&P 500) caiu 35%. 

A correlação entre todos os ativos, nesse curto intervalo, aproximou-se de 1. 

Do ouro ao bitcoin, tudo caiu junto. 

O pânico, porém, logo deu lugar a um novo consenso. Um consenso dos vencedores e perdedores do isolamento social. 

Esse novo consenso nos trouxe até aqui. 

Pavimentou o mundo em que as empresas de tecnologia ficam cada vez mais caras e que ninguém quer ouvir falar do antigo value investing.

Naturalmente, em algum momento, esse consenso dará espaço a um novo. 

A transição

Nas finanças comportamentais, falamos muito sobre o viés de disponibilidade. 

Ou seja, nossa percepção sobre a realidade é afetada mais do que proporcionalmente por eventos recentes. 

O fato do último consenso ter sido formado em meio a um cisne negro está, enganosamente, criando a percepção entre muitos investidores de que todos os novos consensos se formam em meio a uma crise. 

Isso simplesmente não é verdade. 

A grande maioria dos consensos se sobrepõem em condições normais de temperatura e pressão. 

Em movimentos como o dessa semana, de volatilidade acima da média, porém longe de serem eventos extraordinários.

Isso é o que torna tão difícil a vida de um contrarian que entra de cabeça numa tese de mudanças estruturais: a grande maioria das mudanças acontece apenas na margem. 

Dito isso, minha opinião: 

Temos recomendado aos leitores algumas posições que ficaram para trás, vítimas do isolamento social. Nomes escolhidos a dedo, que unem qualidade e preços atrativos

Porém, não considero que estejamos diante da formação traumática de um novo consenso. Continuamos expostos a nomes de tecnologia, sobretudo no exterior, através de ETFs. 

Mas essa é só a minha opinião. Esta semana, você pode participar gratuitamente no aniversário da Empiricus e ouvir a opinião dos maiores gestores do país, como Florian Bartunek, André Ribeiro e companhia. 

Poderá ouvir sobre o futuro das reformas direto da fonte, com o ministro Paulo Guedes. Este é o link para participar (gratuito). Vai por mim, vale o seu tempo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Uber dos ônibus

Justiça proíbe apreensão de ônibus solicitados por aplicativo

Fiscais da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) vinham interrompendo viagens de ônibus organizadas por meio de apps como o Buser

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies