Menu
Richard Camargo
Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)
Richard Camargo
Formado em Economia pela Universidade de São Paulo, Richard trabalhou por 5 anos na área tecnológica até chegar na Empiricus.
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-19T01:23:51-03:00
DE 2020 PARA 2021

Por que a Eneva (ENEV3) é minha ação preferida para 2021

A Eneva possui uma das diretorias mais qualificadas do setor e adotou uma estratégia única no Brasil: misturar a exploração de gás com a geração de energia. No longo prazo, o que se espera é que a performance das ações acompanhará a sua capacidade de gerar lucros crescentes.

20 de dezembro de 2020
5:50 - atualizado às 1:23
2020 2021
Imagem: Shutterstock

Olá, seja bem-vindo ao nosso papo de domingo sobre Aposentadoria FIRE® (Financial Independence, Retire Early). 

Na coluna de 24 de maio de 2020, escrevi sobre uma das minhas ações preferidas, a Eneva (ENEV3)

Desde então, a ação subiu 53%. O restante do setor de energia nem de longe acompanhou o rally da Eneva. 

Quando a Marina, CEO do Seu Dinheiro, me pediu para escrever sobre a minha ação preferida para 2021, não tive dúvidas em dobrar a aposta. 

Eneva continua como a minha queridinha para o ano que vem, e eis porque eu acredito que você deveria tê-la em sua carteira. 

Uma das melhores gestões do Brasil

Eu vejo muita energia sendo gasta em exercícios inócuos. 

Não importa quantas retas você trace num gráfico, em longo prazo, estamos falando de uma empresa. 

A performance das ações acompanhará a sua capacidade de gerar lucros crescentes. 

É impressionante o quanto uma conclusão simples como essa é ignorada por investidores de todos os tamanhos. 

E, geralmente, por mais que analisemos com todo o cuidado do mundo as demonstrações financeiras, o fator que fará os lucros crescerem não está quantificado no balanço. 

São as pessoas. O management que comanda a empresa. 

A Eneva é liderada por um CEO brilhante, o senhor Pedro Zinner, e possui uma das diretorias mais qualificadas do setor. 

Esse time desenhou uma estratégia única no Brasil: misturar a exploração de gás com a geração de energia. 

Geralmente, essas atividades são desempenhadas por empresas diferentes. 

A Eneva concentra os dois riscos. Ele explora campos onshore em busca de acesso a molécula de gás.

Uma vez com o acesso, ela participa de leilões de energia, para gerar a demanda que vai consumir suas reservas. 

Na prática, a Eneva opera com um custo de molécula que é apenas uma fração do que é praticado no mercado internacional. 

Seus projetos - como o mais recente Azulão-Jaguatirica - possuem as maiores taxas de retornos da indústria. 

Um setor com muito crescimento

O gás natural é um combustível fóssil. E você já sabe que o mundo caminha para o uso massivo de energias renováveis. 

Porém, não tire conclusões precipitadas. 

As energias renováveis sofrem de alta sazonalidade. Para gerar energia hidrelétrica, precisamos de chuvas. 

O Brasil, por exemplo, possui um período chuvoso bem definido, as famosas “águas de março”. 

Fontes eólica e solar também possuem sazonalidade. 

Em toda matriz energética é preciso que existam combustíveis “de contenção”. Fontes que podem ser utilizadas em qualquer momento, numa eventual emergência. 

Exemplos dessa fonte mais segura são o carvão, o diesel e o gás natural. Todos combustíveis fósseis. 

Porém, entre eles, a geração a gás natural produz entre 70% e 80% menos poluição que o uso de outras fontes como carvão e diesel. 

Por isso, ao redor do mundo, o gás natural é conhecido como o combustível da transição energética. Não há matriz limpa e renovável sem a segurança e previsibilidade do gás. 

E o Brasil está ciente disso. 

Nos próximos 10 anos, a participação do gás na matriz energética brasileira vai dobrar. Vamos desligar usinas a carvão e a diesel, principalmente na região do Norte do país, e substituí-las por térmicas a gás. 

A Eneva é a empresa mais qualificada em todo o país para explorar essa tendência. 

Outros pontos que me animam

A Eneva é uma empresa redonda. Neste ano, três das gestoras mais bem sucedidas do país - Dynamo, Atmos e Velt - assinaram um acordo de acionistas de longo prazo, se comprometendo a não vender suas ações e indicar membros para o Conselho da empresa. 

O selo que esses três nomes trazem à sua estratégia é sem dúvidas muito valioso.

Além disso, a Eneva possui plano de investimentos claro e bem financiado. 

Em 2020, ela foi a maior emissora de debêntures do país, substituindo aproximadamente R$ 4 bilhões em dívidas, por prazos maiores e menores custos. 

O perfil da dívida da Eneva em 2020 foi alongado de 5,5 para 9,3 anos. 

Lucrativa, com um plano de negócios repleto de opcionalidades que não me estenderei descrevendo e com um passivo no lugar, a Eneva é uma das minhas preferidas para 2021. 

Ela foi uma das responsáveis pelo excelente desempenho do Fundo PRP nos últimos 12 meses.

Mas não é a única ideia que gosto pensando em 2021. Você pode conhecer essas outras ideias aqui.  

Um abraço!

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro sobe após a abertura com boas perspectivas para os balanços e dólar avança hoje

No panorama doméstico, o risco fiscal permanece no radar, enquanto a semana conta com importantes balanços

O melhor do Seu Dinheiro

O Tesouro Direto virou tesouro de tolo? O que mexe com os mercados na semana e outros destaques

O investidor devia estar contente no começo deste ano com o que parecia uma grande oportunidade: investir no Tesouro Direto com um retorno garantido de quase 3,5% ao ano mais a variação da inflação. Naquele momento, as aplicações mais conservadoras de renda fixa estavam com rentabilidade real negativa e o Banco Central indicava que os […]

SEGREDOS DA BOLSA

Esquenta dos mercados: risco fiscal é pano de fundo para semana de Copom, IPCA-15 e balanços domésticos e no exterior

Os próximos dias serão tensos para os investidores, que devem ficar de olho na votação da PEC dos precatórios e medidas do Banco Central contra a inflação

REFORÇANDO O CAIXA

Depois de anunciar emissão de debêntures, 3R Petroleum lança oferta de ações. Entenda o que a empresa pretende fazer com quase R$ 4 bilhões a mais em seu caixa

Empresa de óleo e gás fará ofertas primária e secundária; a previsão é de que o processo de prospecção de investidores interessados se encerre em 4 de novembro

Renda fixa também varia

Terra arrasada no Tesouro Direto: sinônimo de renda fixa, títulos públicos têm perda de até 30% no ano; hora de vender ou de comprar mais?

Tensão nos mercados na última semana jogou juros para cima e preços dos títulos para baixo, mas não é de hoje que o Tesouro Direto sofre com a deterioração fiscal. Entenda o que está acontecendo e o que fazer

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies