Menu
2020-05-12T15:23:47-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Revravolta nos mercados

Dólar sobe a R$ 5,86 e Ibovespa passa a cair com notícias sobre vídeo da reunião entre Moro e Bolsonaro

Notícias quanto ao teor ‘bombástico’ do vídeo da reunião entre Bolsonaro e o ex-ministro Sergio Moro, no último dia 22, elevam a cautela entre os investidores, levando o Ibovespa ao campo negativo e colocando o dólar nas máximas

12 de maio de 2020
15:20 - atualizado às 15:23
Sergio Moro
Imagem: Shutterstock

A recuperação vista nos mercados brasileiros durante a manhã se esvaiu nesta tarde: o Ibovespa virou para queda e o dólar à vista passou a subir, em meio aos relatos de que o vídeo da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Sergio Moro, em 22 de abril, teria um conteúdo 'bombástico'.

O Ibovespa chegou a subir 1,62% mais cedo, mas, por volta de 15h15, já recuava 0,74%, aos 78.475,90 pontos; no câmbio, o dólar à vista teve comportamento semelhante e, no mesmo horário, já avançava 0,76%, a R$ 5,8647 — a divisa tocou os R$ R$ 5,7430 mais cedo (-1,33%).

Segundo o site "O Antagonista", Bolsonaro pediu a troca da superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro de modo a proteger sua família — ele dizia estar sendo alvo de perseguição. O texto ainda acrescenta que o presidente trocaria o diretor-geral da PF e Moro caso não tivesse o desejo atendido.

O Ibovespa passou a perder força de maneira mais intensa pouco depois das 14h30 — horário que coincide com a publicação da matéria. Já o dólar à vista agora flerta com um novo recorde de encerramento: a atual máxima nominal, de 7 de maio, é de R$ 5,8409.

Gráfico mostrando o comportamento do Ibovespa nesta terça-feira (12). Veja que o índice começa a mergulhar por volta de 14h30 (linha vermelha)

O mercado de juros futuros também reagiu com cautela aos rumores envolvendo a reunião entre Moro e Bolsonaro. Os DIs, que apresentavam um comportamento relativamente estável nesta terça-feira, passaram a subir com intensidade, tanto na ponta curta quanto na longa:

  • Janeiro/2021: de 2,47% para 2,56%;
  • Janeiro/2022: de 3,27% para 3,46%;
  • Janeiro/2023: de 4,46% para 4,65%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies