2020-08-26T14:16:36-03:00
Ricardo Gozzi
Mercados hoje

Ibovespa acentua queda e dólar sobe forte com declaração de Bolsonaro sobre Renda Brasil

Presidente anunciou a suspensão dos trâmites internos da proposta de um novo programa de renda mínima para suceder o Bolsa Família

26 de agosto de 2020
10:27 - atualizado às 14:16
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa firmou-se em queda e o dólar passou a subir com mais intensidade depois de o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado a suspensão da proposta do programa Renda Brasil.

Bolsonaro declarou nesta quarta-feira que a proposta a ele enviada pelo Ministério da Economia não será encaminhada ao Congresso Nacional.

Os comentários do presidente foram interpretados por analistas de mercado como um sinal de que ele está confrontando seu ministro da Economia, Paulo Guedes, em meio ao estremecimento da relação entre eles.

Por volta das 14h15, o Ibovespa operava em queda de 1,53%, aos 100.552 pontos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Suspensão do Renda Brasil sinaliza deterioração da relação Bolsonaro-Guedes

Antes da fala de Bolsonaro, o Ibovespa operava em leve queda, já com os investidores receosos quanto aos riscos fiscais e à persistente turbulência política em Brasília, mas faltava um gatilho que justificasse um movimento mais brusco.

Esse gatilho veio com os comentários de Bolsonaro. A fala do presidente acentuou ainda mais a desconfiança dos investidores com relação não apenas ao teto de gastos e à disciplina fiscal, mas também no que diz respeito à permanência de Paulo Guedes como ministro.

Ontem, a ausência do ministro Paulo Guedes no lançamento do programa Casa Verde Amarela – versão recauchutada do Minha Casa, Minha Vida – reacendeu entre os investidores o alarme em torno da relação entre o presidente Jair Bolsonaro e seu principal fiador junto aos mercados financeiros.

A deterioração da relação entre Guedes e Bolsonaro acentuou-se nas últimas semanas justamente por causa das discussões sobre a implementação do Renda Brasil, projetado com a intenção de ampliar o Bolsa Família ao mesmo tempo em que o auxílio emergencial é descontinuado.

Enquanto o presidente parece encantado com o recente aumento de popularidade atribuído ao auxílio emergencial, o ministro parece pouco disposto a ceder um milímetro que seja de suas posições.

Antes da suspensão do Renda Brasil, os dois vinham tentando encontrar uma saída para o impasse em torno do valor estipulado para o programa de renda mínima. Circula que o presidente Jair Bolsonaro não aceitaria um valor menor do que R$ 300 e que tal quantia seria considerada muito “alta” por Guedes.

O próprio ministro antecipou na semana passada que o programa seria anunciado oficialmente ontem, mas o impasse entre eles levou ao adiamento do anúncio e agora à suspensão da proposta.

Diante do impasse, os investidores temem principalmente que a incapacidade de Bolsonaro e Guedes de chegarem a um meio-termo ameace o teto de gastos e a disciplina fiscal. Num caso mais extremo, tal situação poderia resultar na saída do ministro, advertem analistas.

À espera do discurso de Powell

No exterior, os investidores mantêm-se em compasso de espera. Mesmo assim, as principais bolsas europeias fecharam em alta e os índices de ações em Nova York subiam na tarde de hoje.

Os investidores estrangeiros aguardam o discurso do presidente do Federal Reserve Bank, Jerome Powell, marcado para amanhã como parte do tradicional simpósio de política econômica de Jackson Hole.

A expectativa é que o chefe do banco central norte-americano fale sobre a perspectiva econômica e o futuro da política monetária americana em meio a indicadores econômicos contraditórios com relação ao ritmo da recuperação da maior economia do globo.

Dólar e juro

O dólar, por sua vez, acentuou a alta depois dos comentários de Bolsonaro. A moeda norte-americana já havia aberto em alta na esteira do salto de 11,2% nas encomendas de bens duráveis nos EUA entre junho e julho.

O movimento acentuou-se com o acirramento da tensão entre Bolsonaro e Guedes. Por volta das 14h15, a moeda norte-americana subia 1,47%, cotada a R$ 5,6085.

Já os contratos de juros futuros operam em alta desde o início da sessão. A tensão política é refletida especialmente nos vencimentos mais longos.

Confira as taxas negociadas de alguns dos principais contratos negociados na B3:

  • Janeiro/2022: de 2,750% para 2,860%;
  • Janeiro/2023: de 3,930% para 4,110%;
  • Janeiro/2025: de 5,750% para 6,010%;
  • Janeiro/2027: de 6,760% para 7,020%.
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS