Menu
2020-03-23T15:10:42-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Pessimismo

Ibovespa ignora medidas do BC e do Fed e opera em queda firme; dólar sobe a R$ 5,12

Em meio ao avanço do coronavírus pelo Brasil e pelo mundo, o Ibovespa opera novamente em queda, sem se animar com as medidas do BC e do Fed

23 de março de 2020
10:38 - atualizado às 15:10
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O estresse com o coronavírus continua mexendo com o Ibovespa. O índice brasileiro até tentou ficar no zero a zero logo depois da abertura, ainda analisando as iniciativas recém anunciadas pelo Banco Central e pelo Federal Reserve (Fed), mas, em pouco tempo, cedeu à aversão ao risco e se firmou no campo negativo.

Por volta de 15h05, o Ibovespa operava em queda de 5,02%, aos 63.678,99 pontos. Lá fora, tanto as bolsas da Europa quanto os mercados acionários dos Estados Unidos aparecem no vermelho — o Dow Jones (-3,33%), o S&P 500 (-3,13%) e o Nasdaq (-1,03%) caem em bloco.

No câmbio, o dólar à vista até chegou a recuar 0,42% mais cedo, encostando na marca dos R$ 5,00. Mas, em pouco tempo, a moeda americana voltou a ganhar força e, no momento, já sobe 2,01%, a R$ 5,1279.

  • Eu gravei um vídeo para comentar a nova onda de pessimismo que atinge o Ibovespa e as bolsas globais. Veja abaixo:

O surto global de coronavírus continua trazendo enorme pessimismo aos investidores. A doença segue avançando em ritmo preocupante pelo mundo, colocando diversos países em quarentena e forçando as pessoas a ficarem em casa — um cenário que, obviamente, afeta fortemente a economia global.

No mundo todo, já são mais de 15 mil mortes e 350 mil ocorrências confirmadas, de acordo com levantamento feito pela universidade John Hopkins, nos EUA — no Brasil, eram 25 óbitos e 1.546 casos até domingo. A situação é particularmente preocupante na Itália, que já tem mais de 5 mil casos fatais associados ao coronavírus.

Por aqui, medidas mais drásticas começaram a ser tomadas por parte de diversos governos estaduais. Em São Paulo, foi decretada quarentena por 15 dias, o que obriga todos os comércios não-essenciais a fecharem as portas durante esse período — uma medida que foi replicada por muitos Estados, em maior ou menor escala.

E a postura displicente do governo federal em meio à crise do coronavírus também é motivo de estresse para os investidores domésticos. O presidente Jair Bolsonaro tem batido de frente com os governadores e assumido um discurso de que o surto de coronavírus não é grave, o que deteriora ainda mais o cenário político do país.

Nesta manhã, o governo publicou uma MP que permite a suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, uma medida que foi criticada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia. E, nesse ambiente político belicoso, cresce o temor de que os efeitos negativos do surto de coronavírus para a sociedade e a economia serão ainda maiores.

BCs agem, mas...

Pacotes anunciados mais cedo pelos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos até afastaram parcialmente o sentimento negativo do mercado, mas sem forças para sustentar uma recuperação das bolsas.

Por aqui, o BC anunciou a redução temporária da alíquota do compulsório sobre recursos a prazo, de 25% para 17% — segundo a autoridade monetária, a mudança deve liberar R$ 68 bilhões ao sistema financeiro a partir da semana que vem.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ira expandir os programas de empréstimos, de modo a dar maior sustentação à economia. A instituição vai comprar US$ 375 bilhões em Treausires e mais US$ 250 bilhões em outros títulos, somente nesta semana.

Tais medidas vão na mesma direção, tentando contornar a queda na atividade e a redução na liquidez — a ideia é tentar amenizar ao máximo os impactos negativos da crise do coronavírus. Mas, em meio ao avanço do coronavírus pelo mundo e a falta de perspectiva em relação à retomada da vida normal, a leitura é a de que a economia global será severamente impactada.

Juros curtos em queda

Em meio ao pessimismo e às projeções de desaceleração abrupta na economia, os investidores voltam a apostar num novo corte da Selic como ferramenta para estimular a atividade doméstica.

Assim, as curvas de juros de curto prazo operam em baixa nesta segunda-feira, enquanto os DIs mais longos avançam, prevendo uma elevação na Selic após o choque inicial do coronavírus:

  • Janeiro/2021: de 3,96% para 3,75%;
  • Janeiro/2022: de 5,61% para 5,57%;
  • Janeiro/2023: de 6,92% para 7,15%;
  • Janeiro/2025: de 8,25% para 8,60%.

Altas e baixas

Veja abaixo as maiores altas do Ibovespa às 13h00:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
WEGE3Weg ON35,70 +10,37%
MRFG3Marfrig ON7,61 +7,03%
SUZB3Suzano ON28,27 +3,21%
YDUQ3Yduqs ON23,11 +3,17%
RADL3Raia Drogasil ON115,87 +3,12%

Confira também as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
HGTX3Cia Hering ON11,33 -16,07%
LREN3Lojas Renner ON29,71 -13,66%
NTCO3Natura ON21,84 -13,23%
UGPA3Ultrapar ON10,73 -12,98%
RENT3Localiza ON24,01 -12,85%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Cresce a fila

CBA, da Votorantim, registra pedido de IPO na CVM

A empresa, que afirma ser a única companhia integrada de alumínio do Brasil, pretende financiar seu crescimento orgânico e inorgânico com os recursos levantados na oferta

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O quebra-cabeças do mercado e outros destaques

Recentemente, eu fui presenteado com um quebra-cabeças de duas mil peças. “Ah, isso vai ser moleza; é só montar as bordas e depois ir preenchendo aos poucos”, pensei eu. Nem preciso dizer que eu estava redondamente enganado: a mesa da cozinha está tomada por pequenas partes de uma paisagem bucólica. De vez em quando eu […]

FECHAMENTO

Ibovespa tem mais um dia de ‘mais do mesmo’ e fecha em leve alta, contrariando NY

Setores pesos-pesados seguraram o índice no azul. O movimento garantiu uma leve alta de 0,03%, mais uma vez deixando o índice na trave dos 123 mil pontos

Vem oferta por aí

Rede D’Or confirma a avaliação para a realização de um follow on

O anúncio foi feito após o jornal Valor Econômico revelar que a companhia prepara uma oferta de ações que pode chegar a R$ 5 bilhões

Acordo com o Senado

MP da privatização da Eletrobras será votada amanhã (19), confirma presidente da Câmara

Após reclamações de parlamentares, Arthur Lira (PP-AL) também cobrou que o relator debata a proposta com todas as lideranças e bancadas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies