Menu
2020-10-15T16:56:00-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Mercados hoje

Ibovespa segue em leve baixa com fala de Guedes e menores perdas em NY

Índice chegou a ficar no positivo após ministro da Economia dizer que pode desistir de “nova CPMF”. Sessão é recheada de cautela com aumento de casos de covid-19 na Europa e falta de estímulos nos EUA

15 de outubro de 2020
10:34 - atualizado às 16:56
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A aversão ao risco dá o tom nos mercados globais nesta quinta-feira (15), mas uma notícia doméstica aliviou o Ibovespa durante a tarde.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou à CNN Brasil que pode desistir da criação de um novo imposto sobre transações digitais nos moldes da antiga CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), indicando aos investidores maior flexibilidade para a negociação política de reformas.

"Talvez eu desista", disse Guedes, que também afirmou que o novo imposto, se for criado, não vai financiar o programa social do governo, o Renda Cidadã. "Não tem aumento de imposto, não existe aumento de imposto", afirmou o ministro.

O Ibovespa abriu o dia em queda forte de 1,57% — a mínima intradiária, aos 97.778,26 pontos. Por volta das 16h50, recuava 0,18%, aos 99.151,97 pontos, marcando perdas bem menores do que as das bolsas americanas. Na máxima, o índice ficou no positivo, em alta de 0,08%, aos 99.411,60 pontos.

"Isso melhorou o cenário, e até as ações dos bancos chegaram a ficar no positivo no Ibovespa", diz Ari Santos, operador de renda variável da Commcor. Hoje, entre essas empresas apenas o papel ordinário do Banco do Brasil (BBAS3) opera em alta, avançando 1,1%.

O operador observa que a melhora foi também sustentada pelas altas firmes de CSN, que traz expectativa de um balanço positivo, e a JBS, após o acordo da véspera para pagar multa à Justiça dos Estados Unidos.

"A expectativa é que os resultados venham melhores do que o esperado", diz Igor Cavaca, analista da Warren, para quem a expectativa para os resultados também melhorou o sentimento dos investidores.

Enquanto isso, em meio à cautela adotada pelos investidores, o dólar à vista tem alta muito leve de 0,3%, para R$ 5,6155. No entanto, após a fala de Guedes, chegou a cair 0,14%, para R$ 5,5905, na mínima.

O Dollar Index (DXY), índice que compara a moeda a uma cesta de divisas como euro, libra e iene, mostra avanço de 0,48%, indicando tendência de fortalecimento global do dólar hoje.

Aversão ao risco

Mais cedo, os mercados locais ecoavam a forte aversão ao risco vista no exterior desde ontem.

Após os ajustes positivos pós-feriado no Brasil e uma reação otimista a sinais de andamento da reforma tributária ontem, o principal índice acionário da B3 voltou a acompanhar mais de perto do exterior.

Lá fora, dois fatores pesam no humor do investidor. O primeiro se refere aos temores relativos à segunda onda de coronavírus na Europa. O governo da França, por exemplo, impôs toque de recolher a uma série de cidades, incluindo Paris, e o de Portugal decidiu pelo estado de calamidade — em ambos os casos, medidas que restringem a circulação de pessoas.

O governo inglês, por sua vez, já fala em novas medidas de distanciamento.

O segundo fator que desanima os investidores são as negociações emperradas para a aprovação de um novo pacote de estímulos fiscais nos Estados Unidos. Ontem, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, admitiu que é improvável que o pacote saia antes das eleições presidenciais.

No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse à Fox Business que tentaria um valor maior do que o atualmente pleiteado por Mnuchin em conversas com a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, de US$ 1,8 bilhão.

O comentário do republicano vem após Mnuchin sinalizar que poderia haver concessões aos democratas para firmar um pacote antes das eleições.

As bolsas de NY operam em queda firme neste momento. O Dow Jones cai 0,1%, o S&P 500, 0,14%, e o Nasdaq amarga a maior perda, de 0,40%.

Após o alívio visto nas últimas sessões, os juros futuros fecharam em alta nesta quinta — as taxas dos vencimentos de janeiro de 2023 e janeiro de 2025 reduziram o avanço após a fala do chefe da pasta da Economia.

Veja as taxas dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2021: de 1,971% para 1,970%
  • Janeiro/2022: de 3,21% para 3,31%
  • Janeiro/2023: de 4,56% para 4,69%
  • Janeiro/2025: de 6,43% para 6,59%.

Indicadores piores do que o esperado

Do lado dos indicadores econômicos, mais notícias ruins. O Banco Central divulgou pela manhã o IBC-Br de agosto, considerado a prévia do PIB, que apresentou o quarto avanço mensal consecutivo, subindo 1,06% ante julho.

Apesar de mostrar alta da atividade, o número, no entanto, veio abaixo da mediana das expectativas dos analistas consultados pelo Broadcast, que era de 1,70%.

Nos Estados Unidos, o número de pedidos de auxílio-desemprego subiu 53 mil na semana, totalizando 898 mil, acima da expectativa do mercado de 830 mil.

Siderúrgicas lideram alta

Em meio à aversão a risco generalizada, o petróleo opera em queda e o minério de ferro também fechou em baixa.

O contrato de petróleo WTI recua 0,22%, enquanto o barril tipo Brent — que serve de referência para os preços da Petrobras — tem baixa de 0,39%. Em linha com isso, as ações preferenciais da Petrobras (PETR4) recuam 1,45%, enquanto as ordinárias (PETR3) tinham queda de 1,60%.

A maior queda do Ibovespa nesta quinta são as ações da PetroRio (PRIO3), acima de 5%.

Já o minério de ferro negociado no porto de Qingdao, na China, fechou em queda de 0,69%, a US$ 118,70. As ações da Vale (VALE3), com isso, recuam 0,97%.

Por outro lado, os papéis da siderúrgica CSN (CSNA3) operam na contramão do Ibovespa, em forte alta, em meio à expectativa pelos resultados trimestrais da companhia, a serem divulgados hoje, depois do fechamento.

A expectativa é que a companhia apresente um lucro líquido de R$ 1,4 bilhão no terceiro trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 871 milhões visto um ano antes. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado pode chegar a R$ 3,2 bilhões, uma alta de 104% em um ano.

Outra companhia do setor, a Usiminas é a maior alta percentual de hoje. Enquanto isso, a JBS também registra elevados ganhos percentuais. Saiba mais nesta matéria.

Top 5

Veja as maiores altas do Ibovespa agora:

CÓDIGOEMPRESAPREÇOVARIAÇÃO
USIM5Usiminas PNAR$ 10,80 5,57%
CSNA3CSN ONR$ 19,39 5,38%
JBSS3JBS ONR$ 22,53 4,89%
MRVE3MRV ONR$ 18,26 3,34%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 28,13 3,23%

Veja também as maiores quedas:

CÓDIGOEMPRESA PREÇOVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ONR$ 36,40-5,16%
COGN3Cogna ONR$ 5,03 -3,64%
GNDI3Intermédica ONR$ 67,00 -2,50%
IRBR3IRB ONR$ 7,00 -2,23%
ABEV3Ambev ONR$ 13,52 -2,03%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

calma, gente

XP considera exagerada reação do mercado à alta de impostos sobre bancos

Analistas ponderam impacto que alta do tributo terá no lucro e no valuation e mantêm recomendação de compra para Bradesco e BB

Exile on Wall Street

O Brasil do Doutor Castor

Castor de Andrade foi talvez o mais famoso bicheiro brasileiro. Tinha, quase literalmente, um exército trabalhando para si. Chegou a contar com mais de cem policiais a seu dispor, além de vários servidores públicos, políticos proeminentes e juízes sob sua influência. Apareceu na posição de segundo homem mais rico do Brasil no meio da década […]

MERCADOS HOJE

Dólar bate R$ 5,71 mesmo após duas intervenções do BC; bolsa recua 1,4%

As bolsas pelo mundo operam em movimento de realização de ganhos, o que é uma péssima notícia para o Brasil, que também tem que lidar com os próprios demônios

preparando para batalha

Dasa vai atrás de recursos para competir com Rede D’Or, Hapvida e Notre Dame Intermédica

Grupo de medicina diagnóstica da família fundadora da Amil segue com planos para fazer re-IPO, em meio à consolidação do mercado de saúde

O melhor do Seu Dinheiro

As mariposas e o tal do reflation trade

Assim como as mariposas são atraídas pela luz, é da natureza do mercado financeiro sair em busca dos ativos com a promessa de maior retorno. Não por acaso, ambos muitas vezes acabam queimados. Podemos dizer, contudo, que o instinto dos investidores é um pouco mais aguçado. Além do brilho do retorno, outra variável costuma pesar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies