Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-14T16:08:10-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Mercados hoje

Ibovespa sobe mais de 2%; otimismo no exterior se sobrepõe à cautela local

O Ibovespa pega carona no clima mais ameno visto lá fora e recupera o nível dos 80 mil pontos — o índice não termina um pregão acima desse patamar desde 13 de março

14 de abril de 2020
10:32 - atualizado às 16:08
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A sessão desta terça-feira (14) é bastante tranquila na bolsa brasileira: o Ibovespa sobe mais de 2% e já aparece acima do nível dos 81 mil pontos, um nível que não era atingido há mais de um mês. O dólar à vista, por outro lado, segue pressionado e permanece na faixa de R$ 5,18

Por volta de 16h05, o Ibovespa avançava 2,10%, aos 80.492,89 pontos, impulsionado pelo otimismo visto nos Estados Unidos: por lá, o Dow Jones sobe 2,16%, o S&P 500 tem alta de 2,81% e o Nasdaq exibe ganhos de 3,73%. Na Europa, as bolsas terminaram o dia no azul.

No câmbio, o dólar à vista chegou a cair 0,64% mais cedo, a R$ 5,1503, mas agora apenas flutua ao redor da estabilidade: no mesmo horário, tinha leve valorização de 0,02%, a R$ 5,1842.

  • Eu gravei um vídeo para explicar a dinâmica dos mercados nesta terça-feira. Veja abaixo:

Há diversos elementos contribuindo para dar sustentação às bolsas internacionais — e, consequentemente, ao Ibovespa. O principal deles vem da China, com dados animadores da balança comercial em março: as exportações caíram 6,6% e as importações recuaram 0,9%, resultados melhores que os projetados pelos analistas.

Por mais que a economia chinesa ainda sinta os impactos do surto de coronavírus — por lá, o pico foi registrado em janeiro e fevereiro —, o nível de atividade do país parece estar se recuperando num ritmo mais rápido que o esperado. Assim, aumenta a esperança quanto a uma retomada igualmente veloz na Europa e nos EUA após a fase crítica da pandemia.

Na Europa, as notícias de que os países mais afetados pela Covid-19, como Espanha e Itália, já começam a planejar o retorno gradual das atividades e um relaxamento leve na quarentena também ajudam a melhorar o humor dos investidores, dando força aos mercados do velho continente.

Cautela doméstica

O otimismo internacional acaba ofuscando os focos de preocupação vistos no Brasil. Ontem, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o projeto emergencial de ajuda financeira aos Estados e municípios — o texto, agora, segue para votação no Senado.

Segundo uma nota técnica divulgada pelo ministério da Economia durante o fim de semana, o projeto pode causar um impacto de, ao menos, R$ 105 bilhões às contas públicas — e, por isso, a pauta é considerada uma 'bomba fiscal'.

A aprovação do texto pela Câmara pode ser considerada uma derrota do governo, que tentou emplacar uma contraproposta que viabilizaria o envio direto de cerca de R$ 40 bilhões a governadores e prefeitos. A iniciativa, contudo, não foi bem sucedida.

Por mais que as turbulências domésticas não mexam com a bolsa nesta terça-feira, elas são responsáveis por gerar cautela no mercado de câmbio, levando o dólar à vista novamente ao nível de R$ 5,20.

Juros em queda

No mercado de juros futuros, o dia é de novo ajuste negativo, em meio ao avanço de apenas 0,35% no Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em fevereiro — um indício de que, mesmo antes do impacto do coronavírus, a atividade doméstica já estava bastante fraca.

Nesse cenário, os investidores continuam apostando em novos cortes na taxa Selic, de modo a fornecer estímulo à economia brasileira:

  • Janeiro/2021: de 3,09% para 3,04%;
  • Janeiro/2023: de 4,89% para 4,78%;
  • Janeiro/2025: de 6,54% para 6,39%.

Top 5

Confira abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta tarde:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRKM5Braskem PNA21,19+26,06%
GNDI3NotreDame Intermédica ON56,09+9,98%
CVCB3CVC ON14,29+9,08%
VVAR3Via Varejo ON5,92+9,02%
IRBR3IRB ON11,32+8,95%

Veja também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
UGPA3Ultrapar ON14,25-1,93%
CRFB3Carrefour Brasil ON20,40-1,45%
CIEL3Cielo ON4,88-1,41%
TIMP3Tim ON13,29-1,26%
PETR3Petrobras ON17,09-1,21%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies