Menu
2020-09-07T19:58:49-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Produtos de investimento

Fundos da Carteira Itaú de investimentos atingem R$ 10 bilhões em patrimônio

Lançada no começo do ano para empacotar em um único produto as recomendações de investimento do banco, a família de fundos já conta com 92 mil cotistas

7 de setembro de 2020
7:01 - atualizado às 19:58
Claudio Sanches, diretor de produtos de investimento e previdência do Itaú Unibanco
Claudio Sanches, diretor de produtos de investimento e previdência do Itaú Unibanco. - Imagem: Leo Martins/Seu Dinheiro

Lançada no começo do ano para empacotar em um único produto as recomendações de investimento do banco, a família de fundos Carteira Itaú atingiu no fim de agosto a marca de R$ 10 bilhões em patrimônio líquido e pouco mais de 92 mil cotistas.

Além de permitir ao investidor a compra de toda a carteira recomendada "com um clique" sem precisar se preocupar em mudar as posições mês a mês, o fundo ainda traz agilidade para a equipe do banco fazer mudanças rápidas na alocação quando encontrar alguma oportunidade de mercado.

O rápido crescimento confirma a tendência de busca dos investidores por opções de investimento com rentabilidade diferenciada em meio ao cenário de juros na mínimas históricas. “O investidor amadureceu e está aceitando assumir mais riscos”, me disse Claudio Sanches, diretor de produtos de investimentos e previdência do Itaú.

Voltado ao público com perfil arrojado — a classificação do banco se divide em conservador, moderado, arrojado e agressivo —, o produto está acessível em toda a rede do banco, com aplicação a partir de R$ 1,00 e taxa de administração de 0,90% (máxima de 1,50%).

Além da versão tradicional, que já conta com 68 mil cotistas, a carteira tem opções de previdência (PGBL e VGBL), que contavam com 12.500 cotistas em julho.

Teste na estreia

A Carteira Itaú passou por um duro teste logo depois na estreia com o choque nos mercados provocado pela pandemia do coronavírus. No fatídico mês de março, o fundo amargou uma perda de 7,4%.

Mas o investidor que apostou no produto desde o início não tem do que reclamar. Mesmo com o tombo na crise, o fundo acumula retorno de 4,39% no ano, mais que o dobro do 1,96% do CDI até agosto.

Dentro da estratégia de plataforma aberta adotada desde 2017, a Carteira Itaú investe tanto em produtos do banco como de terceiros.

O que ajudou no desempenho, tanto para evitar perdas ainda maiores no pior momento do mercado como na rápida recuperação, foram as posições em ativos internacionais, segundo o diretor do Itaú.

Pelas restrições da regulação da CVM, o fundo pode manter até 20% dos recursos aplicados no exterior. Para atender à demanda do público que desejava uma exposição maior em ativos lá fora, o banco criou uma versão internacional da carteira, voltado ao chamado investidor qualificado — que possui pelo menos R$ 1 milhão para investir. Mesmo com as restrições, o produto atraiu até o momento 11.500 investidores.

No atual ritmo de crescimento, os fundos podem dobrar de tamanho e alcançar até R$ 20 bilhões no fim deste ano, segundo Sanches. “Não temos meta de captação por produtos, mas esse é um número factível.”

O Itaú ainda avalia criar carteiras para investidores com outros perfis de risco. “Mas precisamos encontrar uma equação de custo que não prejudique o cliente”, afirmou Sanches.

A recomendação para o cliente mais conservador hoje é combinar o investimento no fundo com uma parcela de títulos públicos pós-fixados (Tesouro Selic) para reduzir o risco.

Com a proliferação das opções de investimento nas prateleiras das corretoras e agora também dos bancos, Sanches enxerga soluções como a Carteira Itaú como uma tendência para esse mercado. “Mas não é simples de fazer, nós acertamos agora depois de bastante tempo testando.”

As plataformas de investimento também oferecem o investimento em carteiras recomendadas por especialistas. A Pi, ligada ao Santander, foi uma das primeiras a lançar produtos do tipo, e a Vitreo registrou um forte crescimento com base em produtos baseados em indicações feitas pela casa de análise independente Empiricus.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Anote na agenda

B3 atualiza metodologia sobre vencimento de opções a partir de maio; confira o que muda

Especialistas do mercado afirmam que essa mudança é positiva para o mercado brasileiro por se aproximar do modelo do exterior

Tem cupom pra isso?

Ações da Méliuz sobem após lançamento de plataforma de empréstimos online

A companhia, que desde 2019 oferece um cartão de crédito sem anuidade e com cashback, vem ampliando a gama de serviços financeiros

MERCADOS HOJE

Ibovespa descola de NY e zera alta; dólar recua

Exterior positivo traz fôlego aos negócios locais, mas problemas em Brasília persistem

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies