Menu
2020-05-13T18:19:53-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Novas máximas

Dólar sobe pelo terceiro dia e rompe os R$ 5,90, pressionado pela maior aversão ao risco

O dólar à vista se aproxima cada vez mais do nível dos R$ 6,00. nesta quarta-feira, a combinação entre cautela externa e tensão local fez pressionou a moeda

13 de maio de 2020
18:19
Dólar
Imagem: Shutterstock

Na semana passada, quando o Copom cortou a Selic em 0,75 ponto e sinalizou que novas reduções estavam por vir, o mercado começou a se posicionar de maneira diferente no câmbio: juros para baixo, afinal, tendem a levar o dólar para cima — e o nível dos R$ 6,00 no segmento à vista, antes impensável, começava a soar plausível.

Num estalar de dedos, a moeda americana saiu da casa de R$ 5,70 para os inéditos R$ 5,80. E, nesta semana, a escalada continua num ritmo aparentemente inabalável: nos três últimos dias, tivemos três altas — um movimento que culminou em novos recordes nesta quarta-feira (13).

E olha que, durante a manhã, o mercado até ensaiou um alívio no dólar à vista: logo depois da abertura, a divisa chegou a ser negociada a R$ 5,8190 (-0,85%) — uma calmaria que teve vida curta. Ainda antes do almoço, o câmbio virou de mão e bateu os R$ 5,9434 na máxima (+1,27%).

  • Eu gravei um vídeo explicando as razões por trás dessa nova disparada do dólar. Veja abaixo:

Ao fim do dia, a pressão sobre o dólar até cedeu um pouco: no fechamento, a moeda era negociada a R$ 5,9008, em alta de 0,55%. Ainda assim, terminou uma sessão acima dos R$ 5,90 pela primeira vez na história — desde o começo do ano, o salto já chega a 47,09%.

Toda essa aversão ao risco vista no câmbio também foi sentida na bolsa: o Ibovespa teve uma sessão instável, mas terminou a quarta-feira em leve baixa de 0,13%, aos 77.772,20 pontos, cravando a terceira queda consecutiva.

O índice brasileiro até conseguiu descolar um pouco do exterior, já que, lá fora, o clima foi bastante pesado nas bolsas: as principais praças da Europa caíram mais de 1% hoje, comportamento semelhante ao visto no Dow Jones (-2,17%), no S&P 500 (-1,75%) e no Nasdaq (-1,55%).

Pessimismo global

Lá fora, dados econômicos desanimadores vindos da Europa contribuíram para diminuir a confiança dos agentes financeiros. O PIB do Reino Unido recuou 2% no primeiro trimestre e a produção industrial da zona do euro teve baixa de 11% em março, mostrando o forte impacto do surto de coronavírus sobre a atividade do velho continente.

Nos Estados Unidos, o panorama também foi mais defensivo: o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central do país), Jerome Powell, disse não ver juros negativos como adequados, mas afirmou que as dificuldades econômicas tendem a continuar por um tempo prolongado — e não descartou novos pacotes de estímulo.

Como pano de fundo para todo esse cenário, ainda há o temor de que a reabertura econômica da Europa e dos EUA possa estar sendo feita de maneira antecipada. Essa leitura ganhou força com o surgimento de novos casos da doença na China e em outros países asiáticos, o que eleva a tensão quanto a uma segunda onda da Covid-19 na região.

A sinalização de que o Fed não vai cortar mais os juros contribuiu para pressionar o dólar à vista, uma vez que, por aqui, o Copom já deu a entender que o ciclo de alívio monetário ainda não terminou. Assim, o diferencial nas taxas entre os países tende a cair mais.

Quanto ao Ibovespa, a relativa estabilidade possui fundamentos técnicos: o índice brasileiro já vinha de duas baixas, acumulando perdas de quase 3% no período. Essa queda recente até estimulou movimentos compradores nesta quarta-feira, mas, ao fim do dia, a cautela acabou prevalecendo.

Turbulência em Brasília

Por aqui, a cena política continuou inspirando prudência entre os mercados. O vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril — em que o presidente Jair Bolsonaro teria ameaçado demitir o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro — permanece em primeiro plano para os investidores.

O conteúdo desse vídeo ainda não é público: o STF deu 48 horas para que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre o sigilo imposto ao material. Mas, considerando o que foi divulgado pela imprensa até o momento e os relatos de que o vídeo é 'bombástico', é natural que os agentes financeiros mantivessem uma postura mais prudente.

Até que se tenha mais visibilidade quanto aos desdobramentos do vídeo, o clima em Brasília deve continuar bastante tenso — o que sempre traz volatilidade às negociações na bolsa e no câmbio.

Juros em alta

No mercado de juros futuros, o dia foi marcado por mais um ajuste positivo em ambos os vértices, dando continuidade ao movimento de ontem. A pressão contínua sobre o dólar à vista, mesmo após dois novos leilões extraordinários de swap cambial pelo BC, contribuiu para a abertura dos DIs:

  • Janeiro/2021: de 2,61% para 2,65%;
  • Janeiro/2022: de 3,50% para 3,64%;
  • Janeiro/2023: de 4,73% para 4,94%;

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta quarta-feira. As exportadoras foram o destaque positivo da sessão, beneficiadas pela nova alta do dólar; além delas, Braskem PNA (BRKM5) também subiu forte — o UBS elevou a recomendação para as ações, de venda para compra, com preço-alvo de R$ 28,00 em doze meses:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BRFS3BRF ON22,85+12,17%
KLBN11Klabin units23,25+7,64%
VVAR3Via Varejo ON9,14+6,90%
JBSS3JBS ON25,25+6,36%
BRKM5Braskem PNA21,67+5,86%

Confira também as cinco maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
EMBR3Embraer ON6,19-8,70%
IRBR3IRB ON7,41-7,84%
CIEL3Cielo ON3,33-5,93%
QUAL3Qualicorp ON19,70-5,52%
USIM5Usiminas PNA4,35-5,23%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NA MODA

Grupo Soma fecha acordo por marca de blogueira e ações sobem mais de 9%

Acordo prevê que montante a ser pago, parte em dinheiro e outra em ações, equivalerá a sete vezes o Ebitda da empresa de Nati Vozza

Novidade na B3

Com novo modelo, ações da Track&Field estreiam no pregão da B3 após IPO

Oferta da empresa de vestuário e calçados esportivos inaugura modelo em que as ações preferenciais terão direito econômico — incluindo os dividendos — 10 vezes maior que o das ordinárias

MAIS POLÊMICA

B3 critica multa no acordo da Stone pela Linx

Penalidade também valeria caso os acionistas da Linx não aprovem saída da empresa do Novo Mercado, como quer a Stone

Exile on Wall Street

Por que decidimos lançar um MBA?

O problema é geral. Não há cursos de MBA de qualidade dados por praticantes

BALANÇO

Dólar ajuda e atrapalha Klabin no terceiro trimestre

Moeda americana eleva vendas no período, mas pesa em suas despesas financeiras e no endividamento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies