Menu
2020-01-13T18:31:59-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Recuperação da bolsa

Ibovespa reage e sobe 1,58%, retornando ao patamar dos 117 mil pontos; dólar tem dia de estresse

O Ibovespa aproveitou o tom de maior otimismo no exterior para recuperar boa parte das perdas acumuladas na semana passada. Já o dólar à vista teve uma sessão mais cautelosa, voltando à faixa de R$ 4,14

13 de janeiro de 2020
18:31
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Na semana passada, o Ibovespa acumulou uma baixa de 1,87%. Pois, apenas na sessão desta segunda-feira (13), o principal índice da bolsa brasileira recuperou boa parte do terreno perdido.

Desde o início do dia, o Ibovespa dava sinais de que teria um pregão positivo, dando fim à sequência de seis quedas consecutivas. O exterior estava tranquilo, o front corporativo não trazia focos de pressão e o noticiário doméstico mantinha-se calmo.

E, de fato, o índice correspondeu às expectativas: abriu no azul e foi ganhando força gradativamente. Ao fim da sessão, marcava 117.325,28 pontos, em alta de 1,58% — um desempenho superior ao das bolsas americanas: o Dow Jones (+0,29%), o S&P 500 (+0,68%) e o Nasdaq (+1,04%) tiveram ganhos menos intensos.

O bom humor, contudo, não foi generalizado. No mercado doméstico de câmbio, a sessão foi marcada por uma cautela intensa, com o dólar à vista terminando em forte alta de 1,18%, a R$ 4,1418 — a maior cotação desde 10 de dezembro.

Essa diferença de comportamento entre o Ibovespa e o dólar se deve aos fatores considerados por cada um dos mercados ao longo do dia. Enquanto o noticiário internacional pautou as negociações na bolsa, a apreensão em relação à economia local foi dominante nas operações de moeda.

Dissipando os riscos

Em linhas gerais, o clima foi de maior tranquilidade no exterior, com uma menor percepção de risco por parte dos agentes financeiros. No Oriente Médio, a leitura é a de que um conflito militar é cada vez menos provável, em meio à onda de protestos populares no Irã contra o líder supremo do país, Ali Khamenei.

Desde que Teerã revelou ter disparado o míssil que derrubou o avião da Ukranian Airlines — um acidente, de acordo com as autoridades iranianas —, parte da população do país têm se mobilizado contra o governo. Assim, há o entendimento de que o Irã tende a deslocar as atenções para seus prolemas internos, deixando de lado as movimentações militares na região.

Além disso, há otimismo quanto à assinatura da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China — a cerimônia está prevista para quarta-feira (15). Por mais que o tema esteja longe de uma conclusão, a formalização do acerto tende a reduzir as tensões dos agentes financeiros no curto prazo.

Considerando essa dissipação nos riscos internacionais, os investidores mostraram-se mais confortáveis para assumir posições nos mercados acionários — e o Ibovespa foi particularmente beneficiado por esse contexto, considerando a sequência negativa das últimas sessões.

Dólar estressado

No câmbio, o dia foi de valorização do dólar em relação às moedas de países emergentes, como o rublo russo, o rand sul-africano e o peso chileno. No entanto, o Brasil se destacou nessa lista, com o real apresentando um dos piores desempenhos nesta segunda-feira.

E o que explica esse salto no dólar à vista por aqui? Segundo Ricardo Gomes da Silva, operador de câmbio da corretora Correparti, o mercado mostrou-se apreensivo com a agenda econômica recheada desta semana, especialmente com os dados referentes à atividade no Brasil.

Nos próximos dias, serão divulgados os números do IBC-Br, das vendas no varejo e do setor de serviços — informações que, segundo ele, ganharam relevância com a recente aceleração da inflação.

"Há a necessidade de manter a política monetária frouxa para estimular o crescimento, mas também há um processo de inflação recrudescente que se contrapõe", diz Silva, lembrando que, no exterior, também serão conhecidos os dados de PIB na China e outros indicadores relevantes nos EUA.

Por outro lado, o operador da Correparti destaca que o Ibovespa conseguiu ter uma sessão tranquila, o que indica que não houve um movimento de cautela generalizada nos mercados brasileiros. "É uma semana mais tensa e devemos ter bastante volatilidade, ainda mais com a baixa liquidez do começo do ano".

Juros pressionados

A valorização do dólar à vista ainda resultou em pressão nas curvas de juros, que passaram por ajustes positivos nesta segunda-feira. Veja como ficaram os DIs mais líquidos hoje:

  • Janeiro/2021: de 4,47% para 4,49%;
  • Janeiro/2023: de 5,68% para 5,74%;
  • Janeiro/2025: de 6,38% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: de 6,74% para 6,81%.

Mineração e siderurgia em alta

As companhias exportadoras de commodities tiveram uma sessão bastante positiva, impulsionadas pelo otimismo em relação às negociações comerciais entre EUA e China.

Por mais que a formalização do acerto não ponha um fim à guerra comercial, trata-se de um passo importante para acalmar os ânimos no mercado nesse front no curto prazo. Há a leitura de que, com a assinatura, a desaceleração da economia da China seja interrompida.

O desempenho do gigante asiático é especialmente importante para o setor de commodities, uma vez que a China é a grande consumidora global de minério de ferro, produtos siderúrgicos e celulose. Assim, a aceleração da economia do país implica num crescimento da demanda por esses produtos.

E, de fato, o mercado reagiu positivamente à perspectiva de conclusão do acordo: o minério de ferro negociado no porto chinês de Qingdao fechou em alta de 2,14% nesta segunda-feira.

Como resultado, Vale ON (VALE3) avançou 3,64%, CSN ON (CSNA3) teve ganho de 6,05%, Gerdau PN (GGBR4) valorizou 4,30% e Usiminas PNA (USIM5) fechou em alta de 4,38%. Bradespar PN (BRAP4) subiu 4,20% — a empresa possui participação relevante na Vale.

No setor de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) e as units da Klabin (KLBN11) tiveram ganhos de ,69% e 4,76%, respectivamente. Saiba mais sobre os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira nesta matéria.

Top 5

Veja os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +8,55%
  • CSN ON (CSNA3): +6,05%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +5,26%
  • Klabin units (KLBN11): +4,76%
  • Magazine Luiza ON (MGLU3): +4,69%

Confira também as maiores baixas do índice hoje:

  • SulAmérica units (SULA11): -2,27%
  • Braskem PNA (BRKM5): -1,31%
  • GPA PN (PCAR4): -1,09%
  • CVC ON (CVCB3): -1,05%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -0,89%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

fechando a conta

Mais um tombo aí? Ibovespa cai 3% e termina outubro no vermelho, com avanço da covid-19

Índice tem novas perdas fortes em semana difícil e fecha mês em queda de 0,7%. Desempenho reflete mau humor de Nova York com coronavírus e a sangria das ‘big techs’, antes das eleições dos Estados Unidos, fator de incerteza adicional. Após intervenção do Banco Central e com a formação da Ptax, dólar tem queda

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano fecha em leve queda após ficar quase o dia inteiro em alta

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies