Menu
2020-01-13T18:31:59-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Recuperação da bolsa

Ibovespa reage e sobe 1,58%, retornando ao patamar dos 117 mil pontos; dólar tem dia de estresse

O Ibovespa aproveitou o tom de maior otimismo no exterior para recuperar boa parte das perdas acumuladas na semana passada. Já o dólar à vista teve uma sessão mais cautelosa, voltando à faixa de R$ 4,14

13 de janeiro de 2020
18:31
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Na semana passada, o Ibovespa acumulou uma baixa de 1,87%. Pois, apenas na sessão desta segunda-feira (13), o principal índice da bolsa brasileira recuperou boa parte do terreno perdido.

Desde o início do dia, o Ibovespa dava sinais de que teria um pregão positivo, dando fim à sequência de seis quedas consecutivas. O exterior estava tranquilo, o front corporativo não trazia focos de pressão e o noticiário doméstico mantinha-se calmo.

E, de fato, o índice correspondeu às expectativas: abriu no azul e foi ganhando força gradativamente. Ao fim da sessão, marcava 117.325,28 pontos, em alta de 1,58% — um desempenho superior ao das bolsas americanas: o Dow Jones (+0,29%), o S&P 500 (+0,68%) e o Nasdaq (+1,04%) tiveram ganhos menos intensos.

O bom humor, contudo, não foi generalizado. No mercado doméstico de câmbio, a sessão foi marcada por uma cautela intensa, com o dólar à vista terminando em forte alta de 1,18%, a R$ 4,1418 — a maior cotação desde 10 de dezembro.

Essa diferença de comportamento entre o Ibovespa e o dólar se deve aos fatores considerados por cada um dos mercados ao longo do dia. Enquanto o noticiário internacional pautou as negociações na bolsa, a apreensão em relação à economia local foi dominante nas operações de moeda.

Dissipando os riscos

Em linhas gerais, o clima foi de maior tranquilidade no exterior, com uma menor percepção de risco por parte dos agentes financeiros. No Oriente Médio, a leitura é a de que um conflito militar é cada vez menos provável, em meio à onda de protestos populares no Irã contra o líder supremo do país, Ali Khamenei.

Desde que Teerã revelou ter disparado o míssil que derrubou o avião da Ukranian Airlines — um acidente, de acordo com as autoridades iranianas —, parte da população do país têm se mobilizado contra o governo. Assim, há o entendimento de que o Irã tende a deslocar as atenções para seus prolemas internos, deixando de lado as movimentações militares na região.

Além disso, há otimismo quanto à assinatura da primeira fase do acordo comercial entre Estados Unidos e China — a cerimônia está prevista para quarta-feira (15). Por mais que o tema esteja longe de uma conclusão, a formalização do acerto tende a reduzir as tensões dos agentes financeiros no curto prazo.

Considerando essa dissipação nos riscos internacionais, os investidores mostraram-se mais confortáveis para assumir posições nos mercados acionários — e o Ibovespa foi particularmente beneficiado por esse contexto, considerando a sequência negativa das últimas sessões.

Dólar estressado

No câmbio, o dia foi de valorização do dólar em relação às moedas de países emergentes, como o rublo russo, o rand sul-africano e o peso chileno. No entanto, o Brasil se destacou nessa lista, com o real apresentando um dos piores desempenhos nesta segunda-feira.

E o que explica esse salto no dólar à vista por aqui? Segundo Ricardo Gomes da Silva, operador de câmbio da corretora Correparti, o mercado mostrou-se apreensivo com a agenda econômica recheada desta semana, especialmente com os dados referentes à atividade no Brasil.

Nos próximos dias, serão divulgados os números do IBC-Br, das vendas no varejo e do setor de serviços — informações que, segundo ele, ganharam relevância com a recente aceleração da inflação.

"Há a necessidade de manter a política monetária frouxa para estimular o crescimento, mas também há um processo de inflação recrudescente que se contrapõe", diz Silva, lembrando que, no exterior, também serão conhecidos os dados de PIB na China e outros indicadores relevantes nos EUA.

Por outro lado, o operador da Correparti destaca que o Ibovespa conseguiu ter uma sessão tranquila, o que indica que não houve um movimento de cautela generalizada nos mercados brasileiros. "É uma semana mais tensa e devemos ter bastante volatilidade, ainda mais com a baixa liquidez do começo do ano".

Juros pressionados

A valorização do dólar à vista ainda resultou em pressão nas curvas de juros, que passaram por ajustes positivos nesta segunda-feira. Veja como ficaram os DIs mais líquidos hoje:

  • Janeiro/2021: de 4,47% para 4,49%;
  • Janeiro/2023: de 5,68% para 5,74%;
  • Janeiro/2025: de 6,38% para 6,44%;
  • Janeiro/2027: de 6,74% para 6,81%.

Mineração e siderurgia em alta

As companhias exportadoras de commodities tiveram uma sessão bastante positiva, impulsionadas pelo otimismo em relação às negociações comerciais entre EUA e China.

Por mais que a formalização do acerto não ponha um fim à guerra comercial, trata-se de um passo importante para acalmar os ânimos no mercado nesse front no curto prazo. Há a leitura de que, com a assinatura, a desaceleração da economia da China seja interrompida.

O desempenho do gigante asiático é especialmente importante para o setor de commodities, uma vez que a China é a grande consumidora global de minério de ferro, produtos siderúrgicos e celulose. Assim, a aceleração da economia do país implica num crescimento da demanda por esses produtos.

E, de fato, o mercado reagiu positivamente à perspectiva de conclusão do acordo: o minério de ferro negociado no porto chinês de Qingdao fechou em alta de 2,14% nesta segunda-feira.

Como resultado, Vale ON (VALE3) avançou 3,64%, CSN ON (CSNA3) teve ganho de 6,05%, Gerdau PN (GGBR4) valorizou 4,30% e Usiminas PNA (USIM5) fechou em alta de 4,38%. Bradespar PN (BRAP4) subiu 4,20% — a empresa possui participação relevante na Vale.

No setor de papel e celulose, Suzano ON (SUZB3) e as units da Klabin (KLBN11) tiveram ganhos de ,69% e 4,76%, respectivamente. Saiba mais sobre os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira nesta matéria.

Top 5

Veja os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta segunda-feira:

  • Via Varejo ON (VVAR3): +8,55%
  • CSN ON (CSNA3): +6,05%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): +5,26%
  • Klabin units (KLBN11): +4,76%
  • Magazine Luiza ON (MGLU3): +4,69%

Confira também as maiores baixas do índice hoje:

  • SulAmérica units (SULA11): -2,27%
  • Braskem PNA (BRKM5): -1,31%
  • GPA PN (PCAR4): -1,09%
  • CVC ON (CVCB3): -1,05%
  • Carrefour Brasil ON (CRFB3): -0,89%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Economia na defesa

Privatização da Eletrobrás é ‘entrega elevadíssima’, afirma secretário de Guedes

Segundo associações do setor, o texto aprovado vai aumentar o custo da energia para consumidores em R$ 84 bilhões nas próximas décadas

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril mostram melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Aperto monetário

Vem aí uma alta de 1 ponto na Selic? Por que o mercado elevou as projeções para os juros após a ata do Copom

Juro básico da economia pode subir para 5,25% ao ano já em agosto se o Copom decidir apertar o ritmo de elevação da Selic para conter as pressões inflacionárias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies