2019-04-05T08:48:33-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Novidade!

Depois de toda a discussão sobre o Tesouro Selic perder da poupança, Tesouro Direto muda regras

Depois de matéria no Seu Dinheiro mostrando que Tesouro Selic rendia menos que a poupança no curto prazo, Tesouro Nacional anuncia redução do spread entre preços de compra e venda do título

4 de abril de 2019
20:27 - atualizado às 8:48
Tesouro Direto tem rendido menos que a poupança para períodos curtos; regra acaba de mudarImagem: shutterstock

O Tesouro Nacional vai reduzir o spread (diferença) entre os preços de compra e venda do Tesouro Selic (LFT), depois que uma reportagem que eu publiquei no Seu Dinheiro mostrou que o Tesouro Selic vinha rendendo menos que a poupança em certas circunstâncias.

Segundo nota publicada no site do Tesouro Direto na noite desta quinta-feira (4), a diferença entre a taxa de investimento e a taxa de resgate - conhecida como spread de compra e venda - do Tesouro Selic foi reduzida de 0,04% para 0,01% ao ano (ou 1 ponto-base).

"Essa alteração é parte do contínuo processo de aprimoramentos no Tesouro Direto e terá como resultado a redução dos custos de aplicação para o investidor e, consequentemente, o aumento de sua rentabilidade líquida", diz a nota. Segundo o Tesouro Nacional, o novo spread passa a valer a partir desta sexta-feira, 5 de abril.

A informação foi antecipada pelo Tesouro Nacional à youtuber de finanças pessoais Nathalia Arcuri. Em uma live, ela mostra uma das matérias que eu publiquei, com a resposta do Tesouro para a questão, admitindo o problema do spread e dizendo que estava preparando novidades.

O bafafá em torno do Tesouro Selic

Na segunda-feira eu publiquei aqui no Seu Dinheiro uma matéria mostrando por A mais B que o Tesouro Selic, título mais conservador do Tesouro Direto, anda perdendo da poupança para quem resgata antes de seis meses, por conta do spread entre os preços de compra e venda e da alta alíquota de IR neste prazo.

Frame do vídeo do canal Me Poupe!, da Nathalia Arcuri, quando ela cita matéria do Seu Dinheiro - Imagem: Reprodução/YouTube

Tudo começou com uma discussão de investidores num grupo de renda fixa no Facebook, que se queixavam de que, se resgatassem seu Tesouro Selic no curto prazo, teriam uma rentabilidade inferior à da poupança no mesmo prazo.

Como boa CDF, fui fazer umas continhas e olhar o meu próprio extrato do Tesouro e era verdade! Na matéria que eu publiquei eu mostro as simulações e explico tim tim por tim tim o que vinha acontecendo.

Se o Tesouro Selic perde da poupança em certos prazos, ainda que ganhe em outros, este fato tira a sua atratividade para a aplicação da reserva de emergência, aquela que pode ter de ser resgatada a qualquer momento.

Da forma como estava, o título só ficava interessante para quem aplicasse por prazos superiores a seis meses ou levasse o papel ao vencimento.

Pedi que o Tesouro explicasse o que vinha acontecendo e eles me enviaram uma resposta, dizendo que estavam buscando uma solução para o problema.

Nesta quinta-feira, eles informaram que irão reduzir o spread de modo que o Tesouro Selic fique sempre mais rentável que a poupança, em qualquer prazo, mesmo para quem resgata antes do vencimento.

E não é que a mudança boa veio? Mais uma vez, o Seu Dinheiro se posicionou ao lado do investidor, que foi ouvido. Não deixe de compartilhar com seus amigos a novidade!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional