Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-05-16T19:02:32-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Sempre é hora de comprar dólar

16 de maio de 2019
19:02
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A pergunta que mais me fazem relacionada a investimentos é justamente aquela que eu considero a mais difícil de responder: para onde vai o dólar?

Imagino que você também esteja com essa dúvida depois que a moeda da terra de Donald Trump voltou a ser negociada acima dos R$ 4,00. Seria só o começo de uma disparada ou apenas um soluço?

Com a autoridade de quem já assistiu a esse filme algumas vezes - a primeira em 2002, na véspera da primeira eleição do Lula -, posso dizer que não faço a menor ideia de onde o dólar vai parar.

Mas repito aqui o que eu costumo afirmar aos amigos, médicos e motoristas de Uber: é preciso ter sempre uma pequena parte da sua carteira em dólares, seja diretamente ou via fundos cambiais. Afinal de contas, nós estamos no Brasil.

A última reprise do filme do dólar a R$ 4 é recente: aconteceu no fim de setembro, quando o país ainda vivia o impasse pré-eleitoral.

Com a confirmação da vitória de Bolsonaro e a expectativa da implantação de uma agenda liberal na economia, a bolsa engrenou e a moeda americana chegou a cair abaixo dos R$ 3,70.

O mercado se antecipou ao fato, mas o fato não veio, pelo menos não por enquanto. Com a tramitação devagar, quase parando da reforma da Previdência, e a ameaça de guerra comercial entre EUA e China, os investidores começaram a reduzir suas fichas.

O “tsunami” desta semana, que inclusive foi anunciado por Bolsonaro, fez o humor do mercado piorar ainda mais. Os estragos da onda sobre o dólar e o Ibovespa, que quase voltou a ficar abaixo de 90 mil pontos, você acompanha com o Victor Aguiar.

A pá de cal (ou de lama)

Desde cedo a bolsa já não vivia um dia positivo, mas a situação piorou de vez quando as ações da Vale - uma das poucas que se mantinham no azul - entraram em queda livre no meio da tarde. E o pessimismo com a mineradora tem um motivo claro: a empresa informou à Justiça que uma outra barragem corre sérios riscos de se romper nos próximos dias. A Bruna Furlani foi buscar os detalhes dessa história e conta para você nesta matéria.

Tanques vazios

O que aconteceu com o posto Ipiranga? Não, não estou falando do ministro Paulo Guedes, mas do primeiro e único dono do bordão nacionalmente conhecido. A Ultrapar, dona da rede de postos de combustível, divulgou seu balanço ontem à noite e, apesar de registrar lucro, não conseguiu convencer os investidores de que se deu bem no 1º trimestre. Resultado: queda de mais de 3% nas ações hoje. Para te ajudar a entender o que acontece com a empresa, a Jasmine Olga trouxe nesta matéria as principais reações dos analistas sobre os números da companhia.

Uma questão de prioridades

Já faz um tempo que a palavra de ordem dentro do Banco Central é “paciência”. A instituição tem continuamente pregado a calma e a tranquilidade como chave do sucesso na condução dos juros. Mas muita gente boa tem questionado essa estratégia, sobretudo diante da fragilidade da economia brasileira. Não seria a hora de uma redução da Selic, mesmo a um custo de um pouco mais de inflação? O presidente do BC, Roberto Campos Neto, respondeu a essa questão em uma audiência hoje no Congresso, que o Edu Campos acompanhou de perto.

O verdadeiro alvo

Quando o meio de campo da política já parecia embolado, o ressurgimento de notícias de supostas práticas de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo o senador Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente, dificultou ainda mais o jogo para o governo. E quem resolveu falar sobre o assunto hoje foi o próprio Jair Bolsonaro. Para o capitão, o objetivo final de todo esse esquema de investigações é ele próprio. Lá dos Estados Unidos, o presidente contra-atacou bem ao seu estilo. Saiba tudo o que Bolsonaro disse sobre as investigações.

Já acabou ou ainda tem mais?

Voltando a falar em moedas, não foi só o dólar que subiu. A forte alta na cotação do bitcoin nas últimas semanas animou os investidores que apostam na tecnologia. E não seria para menos, afinal a criptomoeda voltou a romper patamares que não eram vistos desde o fim do ano passado. Mas o que acontece daqui para frente? O bitcoin tem mais espaço para subir ou a valorização é passageira? Quem traz todas as respostas é o nosso colunista André Franco.

Sobre destinos e caminhos

Nessa semana você acompanhou aqui no Seu Dinheiro que o Tesouro Direto pagou um total de R$ 9 bilhões aos investidores. Mas esse dinheiro todo foi só uma parcela do total de R$ 88 bilhões em vencimento de títulos. Para além das dicas que já demos sobre o melhor lugar para guardar os valores recebidos no Tesouro, muita gente fica na dúvida sobre para onde efetivamente foi toda essa grana que o governo pagou. Saiba com a nossa colunista Angela Bittencourt onde os peixes grandes do mercado colocaram esse dinheiro.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Energia elétrica

IPCA pode ir a 6,5% na bandeira vermelha

A bandeira vermelha 2, que tem custo adicional de R$ 6,243, iria a R$ 7,571 caso adotada a proposta da consulta pública

Esquenta dos Mercados

Relatório da inflação, leitura do PIB dos EUA e queda de ministro devem guiar a bolsa hoje

Assim como uma noite no deserto, o investidor deve ficar atento aos sinais para atravessar um momento de dificuldade

Volta ao original

Câmara rejeita emendas do Senado e retoma texto original de MP que eleva imposto para bancos

Deputados retomaram a alíquota de 25% na CSLL também para as agências de fomento e bancos de desenvolvimento estaduais

Para dar e vender

Defensivas e com potencial de crescimento: como as ações do setor de saúde ainda podem dar muitas alegrias na bolsa

A combinação de baixo endividamento, bons níveis de caixa e espaço para consolidação tornam as ações do segmento muito atrativas, segundo analistas

Fernando Cirne

A importância das fusões e aquisições para a Locaweb

Já avaliamos mais de 1.900 empresas e, desde o IPO, concluímos 10 importantes aquisições, que se somaram às outras seis concretizadas antes da abertura de capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies