Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-10-14T14:39:14-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Quem manda é o lucro

22 de agosto de 2019
18:55 - atualizado às 14:39
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Vermelho ou verde? Para facilitar a vida de míope mal curado, deixo sempre as duas cores bem berrantes na tela de cotações que fica a meu lado para saber rapidamente quando a bolsa e as principais ações do Ibovespa estão em alta ou em queda.

Hoje foi o típico dia em que um único ponto verde, que representa o dólar, ficou praticamente isolado em meio ao mar vermelho na minha tela. Das 66 ações que compõem o principal índice da bolsa, só 13 fecharam em alta.

O que um investidor profissional faz em dias assim? Foi a pergunta que fiz a Ney Miyamoto, um dos sócios da gestora Alaska, que veio me encontrar para um almoço aqui perto da redação do Seu Dinheiro.

O pretexto para o encontro foi uma conversa sobre o meu livro “Os Jogadores”, que embora seja uma história de ficção traz vários causos do mercado financeiro que o experiente gestor conhece bem.

Miyamoto me respondeu que, nos pregões em que a tela de cotações da Alaska fica predominantemente vermelha, os gestores convocam um comitê para discutir o tema. Essas reuniões duram menos de dois minutos e a conclusão costuma ser a mesma: não fazer nada.

Para a Alaska, a bolsa brasileira está no início de um ciclo de alta que ainda pode se estender por vários anos e será puxado pelo aumento nos lucros das empresas listadas.

O risco desse cenário não se concretizar é justamente qualquer mudança que ameace os resultados das companhias. Em resumo: quem manda é o lucro.

De todo modo, o tempo nos mercados tem inspirado cautela. Na véspera de um importantíssimo discurso marcado para amanhã, os investidores preferiram ficar na defensiva e por pouco o Ibovespa não voltou a cair abaixo dos 100 mil pontos. Saiba na cobertura do Victor Aguiar tudo o que mexeu com os mercados.

Terceira Lei de Newton

Para toda ação há uma reação. O que vale para a física vale para a guerra comercial entre Estados Unidos e China. Hoje foi a vez de os chineses alertarem que não vão ficar de braços cruzados enquanto Donald Trump segue impondo tarifas aos seus produtos. No bom português (ou mandarim, no caso), a equipe de Xi Jinping voltou a subir o tom e a incendiar o mercado internacional.

Padrinho da fusão

Enquanto não consegue a aprovação do Congresso Nacional para ser embaixador nos Estados Unidos, Eduardo Bolsonaro exerceu suas atribuições “diplomáticas” para que a Anatel se posicione sobre uma negociação empresarial que interessa ao governo americano: a fusão entre AT&T e Warner. E parece que a estratégia de ataque funcionou, já que a agência reguladora convocou uma reunião extraordinária para falar sobre o assunto. Só que o aval não deve vir tão fácil assim, como você confere nesta matéria.

Deu a louca no gerente

Depois de um anúncio de certa forma decepcionante para quem esperava uma agenda mais agressiva de privatizações, o governo voltou à carga hoje. A equipe econômica anunciou que pretende conceder todos os aeroportos que hoje são operados pela Infraero para a iniciativa privada até 2022. Mas depois que vender tudo, qual será o destino da estatal que administra os terminais? A resposta você fica sabendo neste link.

Jatinhos no radar

Assim como o setor aéreo convencional, a aviação executiva passou por maus bocados durante os piores anos da crise econômica brasileira. O país ainda não se reergueu completamente do tombo, mas os jatinhos já podem ser vistos com mais frequência no céu e os executivos desse setor já trazem boas notícias: os negócios firmados no primeiro semestre de 2019 já superam o acumulado do ano passado. E isso é uma boa notícia também para quem investe na bolsa, já que tem empresa se beneficiando dessa onda positiva.

Invista 10 e receba 700

A oferta é mais do que tentadora, mas para o nosso colunista Fausto Botelho é mais do que possível. No mais novo vídeo do ‘De olho no gráfico’, ele traz para você os motivos pelos quais acredita que o bitcoin, hoje cotado em US$ 10 mil, pode chegar aos US$ 700 mil. Tudo isso no próximo ciclo de alta da criptomoeda. Aperte o play e confira os detalhes.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fundos de investimento

Ney Miyamoto deixa equipe de gestão da Alaska

Fundador e um dos executivos mais experientes da equipe da Alaska, Miyamoto permanece como sócio e investidor dos fundos da casa

Vai pedir música no Fantástico

CVM abre terceiro processo administrativo desde início da crise na Petrobras

O sistema da CVM não indica a apuração de eventuais operações atípicas com papéis da petroleira no período recente.

No banco de reservas

Brasil deixa time das 10 maiores economias

O País deverá fechar o ano como a 12ª maior economia em termos de valor do PIB, ultrapassado por Canadá, Coreia do Sul e Rússia.

Mercado de capitais

CVM libera bancos para fazerem empréstimos “travestidos” de debêntures

Financiamento via debêntures conta com algumas vantagens em relação ao empréstimo tradicional, como a alíquota zero de IOF

Crise

Venda de veículos cai 16,7% e tem pior fevereiro em 3 anos, diz Fenabrave

Desde 2018, quando foram vendidos 156,9 mil veículos no segundo mês do ano, o setor não tinha um fevereiro tão fraco.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies