Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-09-13T19:16:56-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Quando o segundo sol chegar

13 de setembro de 2019
19:16
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As bandas que fazem os shows de abertura nos festivais de rock costumam tocar para menos gente do que a atração principal. Mas quem chega mais tarde às vezes perde a oportunidade de assistir a grandes apresentações.

Guardo bem na memória o show da Cássia Eller na terceira edição do Rock and Rio, em 2001. Ela foi a primeira a tocar na noite do R.E.M. e arrebatou o público alternando interpretações marcantes de seu repertório como O Segundo Sol e covers de Beatles e Nirvana, com direito a “topless” diante das câmeras da Globo.

Assim como nos festivais de rock, as ofertas de ações na bolsa quase nunca vêm sozinhas. A nova temporada teve início nesta semana com uma boa surpresa: a captação de pouco mais de R$ 400 milhões da incorporadora Trisul.

Um eventual fracasso poderia colocar em dúvida todo o “festival” de ofertas que vêm por aí. Mas o resultado da Trisul mostra que os investidores mantiveram o apetite pelas emissões de ações apesar das incertezas no cenário externo.

Na semana que vem, as ofertas continuam com os bancos Pan e o gaúcho Banrisul. Em todos os casos, são empresas que já contam com ações listadas na B3 e farão emissões restritas, nas quais apenas investidores com mais de R$ 10 milhões podem entrar.

O verdadeiro teste da grande audiência mesmo virá com a volta dos IPOs (sigla em inglês para oferta pública inicial de ações). Pelo menos quatro empresas estão no “backstage” se preparando para entrar no palco.

Mas a grande atração esperada para temporada de ofertas de ações pode acabar se apresentando em outro palco. Seguindo a trilha de algumas empresas brasileiras como PagSeguro, Stone e Arco Educação, a XP Investimentos deverá abrir o capital na bolsa de Nova York.

Eu conto mais detalhes sobre a expectativa para o IPO da corretora e também das outras candidatas no festival de ofertas da bolsa até o fim do ano nesta matéria.

Dinheiro no bolso

O pregão desta sexta-feira na bolsa foi aquele típico de “realização de lucros”. Ou em português claro: dia de colocar dinheiro no bolso. Até a próxima quarta-feira, o mercado deve se movimentar na expectativa da decisão sobre as taxas de juros no Brasil e nos Estados Unidos, que saem no mesmo dia. Depois de uma sequência de quedas, o dólar também voltou a ganhar terreno hoje. Saiba mais sobre como foi o desempenho dos mercados com o Victor Aguiar.

Hora das estimativas

E por falar em juros, as expectativas dos investidores por mais cortes na Selic são altas, sobretudo depois que a economia voltou a dar aquela patinada em julho. O Santander, por exemplo, aposta em tesouradas generosas, a começar por uma de meio ponto percentual já na quarta-feira. As projeções completas e os cenários traçados pelo bancão para os juros neste fim de ano você fica sabendo nesta matéria do Edu Campos.

Mi hermano querido

Parente é aquela coisa: você pode amar ou odiar, mas o fato é que sempre vai existir um vínculo nessa relação. É mais ou menos o que acontece entre Brasil e Argentina. Da rivalidade do futebol às viagens de férias, criamos uma relação bastante forte com os hermanos, e isso se reflete diretamente na economia e nos investimentos. Aliás, você sabe como a crise na Argentina pode afetar as suas aplicações? Confira a resposta com a Julia Wiltgen neste vídeo.

Não era tudo isso?

Um dilema que com certeza você já leu aqui na newsletter: as novas empresas de tecnologia vieram para mudar a forma como nós consumimos produtos e serviços. Mas será que elas serão tão boas para os acionistas como são para os clientes? Os investidores começaram a se fazer essa pergunta em meio aos planos da WeWork de abrir o capital. Depois dos resultados frustrantes de Uber e Lyft, a startup de escritórios compartilhados deve reduzir substancialmente seu valor de mercado para viabilizar a estreia na bolsa.

Cerveja e Amazon - tudo sem CPMF

Fim de semana chegando e chegou a hora de mais um happy hour do Seu Dinheiro. Para encerrar a maratona de investimentos o Victor Aguiar, o Eduardo Campos e eu vamos bater uma papo com você no podcast Touros e Ursos. Na roda de conversa desta semana tratamos da nova tacada da Amazon no Brasil às polêmicas envolvendo a nova CPMF, passando pela expectativa para a reunião do Copom na semana que vem. Aperte o play e vem com a gente!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração de Fernando Pivetti.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies