Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-04-05T15:39:48-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

O futuro é emergente

Uma das lendas do mercado financeiro resolveu dar sua opinião sobre o futuro dos investimentos ao redor do mundo. E ele não falou dos Estados Unidos

8 de março de 2019
19:58 - atualizado às 15:39
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

“The future is female” - “o futuro é feminino” ou “o futuro é das mulheres”, numa tradução livre. O slogan feminista da década de 1970 foi resgatado recentemente e passou a estampar camisetas pelo mundo, inclusive no Brasil. Eu mesma tenho a minha, com letras em roxo e glitter.

É inegável que, historicamente, as mulheres avançaram muito, no mundo inteiro. Hoje já chefiamos famílias e empresas, além de ocupar boa parte do mercado de trabalho. O Seu Dinheiro mesmo é um projeto liderado por mulheres. Mas ainda há muitos problemas a enfrentar, como a alarmante violência contra a mulher e também uma série de questões econômicas.

Já sabemos que empresas com mulheres na liderança tendem a ser mais diversas e obter resultados melhores, mas ainda somos poucas em postos executivos de grandes empresas; sabemos também que mulheres tendem a ser boas investidoras, até melhores que os homens, mas o mercado financeiro ainda é um mundo bastante masculino. Isso sem falar no “gender gap”, a diferença de rendimentos entre homens e mulheres de mesmo posto de trabalho e qualificação, muito influenciada pela maternidade.

Essas desigualdades são ruins não apenas do ponto de vista social, mas também econômico. Mais mulheres no mercado de trabalho, ganhando o mesmo que os homens, ocupando postos de liderança e financeiramente educadas significam economia girando mais e melhor. Eu tendo a acreditar sim que o futuro será mais feminino do que é hoje. O mundo está mudando, e será bastante positivo para as sociedades - e também para os investidores - que grupos sociais e economias antes à margem cresçam e apareçam.

Alguns grandes investidores, por exemplo, andam dizendo por aí, também numa tradução livre da minha parte, que o futuro é emergente. Embora os Estados Unidos ainda sejam a maior economia do mundo, não parece que, nos próximos 20 anos, America will be great again - ao menos não como já foi em outros tempos.

Esta é a opinião do fundador da GMO, Jeremy Grantham, uma verdadeira lenda do mercado. Em rara entrevista à “CNBC”, o gestor aconselhou os investidores a ficarem longe do mercado americano e buscarem retorno nos países emergentes. Não é pouca coisa, vindo de alguém que anteviu as crises de 2008 e das empresas “ponto com” nos anos 2000.

A questão, para ele, é que de fato os mercados desenvolvidos atingiram um certo limite populacional em termos de trabalho e consumo, área em que os emergentes ainda têm gás. O repórter Eduardo Campos traz para você os detalhes desta história.

Sextou!

Essa nuvem cinza que paira sobre os Estados Unidos e os países desenvolvidos já pesa na bolsa. O dia começou mal para o Ibovespa, que na parte da manhã refletiu previsões de menor crescimento global, sobretudo para os países ricos, e os dados ruins do “payroll”, que mostraram a criação de apenas 20 mil postos de trabalho nos EUA, quando a previsão era de 185 mil vagas.

Mas o posto Ipiranga do presidente Bolsonaro trouxe bons ventos no fim do dia: segundo Paulo Guedes, faltam 48 votos na Câmara para passar a reforma da Previdência e garantir o “seu trilhão de reais”. O resultado foi uma alta forte da bolsa no fim do dia, na contramão de Nova York. Veja tudo que movimentou os mercados no pregão de hoje.

Dia 66 de Bolsonaro - Nova estratégia?

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a reforma da Previdência nas suas redes socias e em pronunciamentos que fez ao longo do dia. Os eventos de ontem e hoje parecem sugerir uma mudança de estratégia, com Bolsonaro entrando na batalha da comunicação. A questão, agora, é... (leia mais)

Liberais só até a página 2?

Muitos candidatos se elegeram nas últimas eleições com plataformas econômicas liberais, incluindo o presidente Jair Bolsonaro. Mas assim que uma crise envolvendo duas grandes montadoras passou a ameaçar milhares de empregos em São Paulo, governantes das três esferas da administração pública resolveram mover alguns pauzinhos para tentar segurar as empresas no estado e preservar os postos de trabalho.

Recentemente, a GM veio com uma história de talvez abandonar o Brasil. Agora, o prefeito de São Caetano do Sul, eleito pelo PSDB, tenta negociar, oferecendo à montadora incentivos tributários para ficar. Quanto à Ford, as três esferas de governo decidiram cobrar da montadora um plano detalhado do fechamento da sua fábrica em São Bernardo do Campo, visando a ter argumentos para tentar reverter a decisão.

No meio do imbróglio, o governador João Doria já tratou de afirmar que as empresas do setor automotivo interessadas em comprar a fábrica da Ford se comprometem a preservar os empregos, além de anunciar um programa de incentivo fiscal à indústria paulista de veículos, com redução de ICMS. Confira os detalhes do plano nesta reportagem.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies