Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-20T19:10:32-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

20 de setembro de 2019
19:10
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro...) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo.

O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os investidores fecharem os olhos ou minimizarem eventuais riscos no horizonte durante os ciclos de euforia nos mercados.

Se existe hoje um grande elefante na loja de cristais dos mercados, ele se chama S&P500, o índice que reúne as principais ações da bolsa norte-americana.

Desde a crise financeira de 2008, que derrubou o S&P500 em mais de 50%, a bolsa nos EUA passa por um dos maiores ciclos de alta de toda a história. Existe apenas uma certeza: uma hora os preços vão voltar a cair. A dúvida, portanto, não está no “se”, mas no “quando”.

Nesses momentos de incerteza, a análise técnica é uma poderosa ferramenta para captar os momentos de virada nos mercados. Então ninguém melhor para responder quando o ciclo de alta do S&P500 chegará ao fim do que o Fausto Botelho.

Com mais de 40 anos de carreira e professor de gerações no mercado financeiro, o nosso colunista viu de perto muitos ciclos e bolhas se formarem e estourarem.

No vídeo desta semana, ele faz um alerta importante sobre o principal índice da bolsa norte-americana. Ao mesmo tempo, aponta para uma grande oportunidade no mercado de criptomoedas. Então não deixe de assistir ao vídeo que ele preparou especialmente para o Seu Dinheiro.

Vítimas da guerra

As empresas de papel e celulose, que costumam ser apontadas como defensivas pelos especialistas, vivem um momento complicado. As ações da Suzano e da Klabin voltaram a sofrer na B3 depois de mais um relatório apontando um cenário difícil para o setor. Agora foi a vez do banco americano Goldman Sachs, que decidiu rebaixar a recomendação para ambos os papéis em meio à queda na demanda por matérias-primas com a guerra comercial Estados Unidos e China. Mas as razões não param por aí, como você confere nesta matéria da Bruna Furlani.

Quem é vivo sempre aparece

Depois do fracasso das negociações para a venda da participação que detém na Braskem, a Odebrecht resolveu reaparecer. A construtora contratou a empresa de assessoria financeira e gestão de recursos Lazard para seguir com as negociações de venda, segundo o site Brazil Journal. Se o negócio der certo mesmo, a empreiteira poderia colocar no caixa algo em torno de R$ 20 bilhões. A notícia animou os investidores e fez os papéis subirem forte na bolsa, como mostra o Fernando Pivetti.

Parada para respirar

Apesar do noticiário corporativo agitado, quem olha apenas para o Ibovespa pode concluir que a bolsa teve um dia tranquilo. E é até bom que seja assim. Depois de uma semana intensa em razão das reuniões do Copom e do Fed, os investidores diminuíram o ritmo de negociações hoje. O principal índice da bolsa oscilou próximo da estabilidade durante quase todo o pregão e fechou em alta de 0,46%. O Victor Aguiar fez um balanço especial da bolsa nos últimos dias e o que você precisa saber sobre o que movimentou os mercados. Leitura mais que recomendada para fechar a semana!

O novo domador do Leão

Depois da polêmica envolvendo a criação de um imposto nos moldes da CPMF e que custou a cabeça de Marcos Cintra, o Ministério da Economia divulgou o nome do novo secretário especial da Receita Federal. O escolhido foi José Barroso Tostes Neto. Ele entrou em 1982 no órgão, como auditor fiscal, e terá a missão de comandar o Leão durante a dura e longa batalha da reforma tributária no Congresso. Veja todos os detalhes sobre a nomeação.

#Sextou com Selic e ofertas de ações

O fim de semana está batendo na porta – e também o happy hour do Seu Dinheiro. O Victor Aguiar, a Julia Wiltgen e eu fizemos hoje mais uma edição do podcast Touros e Ursos, que não podia ter como destaque outro assunto senão a queda da Selic. Vamos falar sobre o que muda nos seus investimentos com a taxa em 5,5% ao ano e debater o cenário para os próximos meses. Tem também um balanço sobre as ofertas de ações que esquentaram a bolsa nesta semana. Aperte o play e confira tudo!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração Fernando Pivetti e Bruna Furlani.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies