Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-08-02T19:17:20-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Método na loucura

2 de agosto de 2019
19:17
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Que tal um joguinho de pôquer nesta sexta à noite? Eu nunca fui de jogar baralho, mas tive um namorado na adolescência que era o rei da lábia e da linguagem não verbal. Ele me ensinou as manhas do blefe no pôquer, no War e em outros jogos de viagem com a galera em que ser um bom ator e detectar as mentiras dos outros às vezes é mais importante do que a mão que você tem.

Esse ex-namorado me ajudou muito a aprimorar minhas habilidades sociais e ler melhor as pessoas, mas confesso que nunca fui tão boa nos jogos de estratégia e blefe quanto ele, que era praticamente um Frank William Abagnale Jr. (o ex-vigarista interpretado pelo DiCaprio em “Prenda-me se for capaz”). Enquanto ele e nossos amigos apostavam e brigavam em torno da mesa do churrasco, eu e as outras meninas preferíamos passar a tarde comendo bolo e tomando café. Bons tempos.

Quem anda jogando muito pôquer ultimamente é o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Os outros jogadores da mesa são o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e os chineses. A nova rodada ocorreu nesta semana. Depois de reclamar de Powell no Twitter pelo corte de apenas 0,25 ponto percentual nas taxas de juros, Trump foi lá e taxou mais produtos chineses, convulsionando os mercados globais.

Mas o que pode parecer loucura de um presidente excêntrico e inconsequente é, na realidade, parte da sua estratégia para conseguir o que quer nesse jogo de pôquer - ou truco, dada a veemência das falas de Trump. Há método na loucura, como escreveu meu colega Eduardo Campos, o autor da analogia lúdica. Recomendo muito a leitura da análise dele.

Bendito balanço!

A tempestade estava armada para atingir em cheio a bolsa nesta sexta-feira, com a guerra comercial entre Estados Unidos e China voltando ao protagonismo e deixando os investidores aflitos e na defensiva. Não fosse um pequeno detalhe: o resultado trimestral da Petrobras. Peso-pesado no Ibovespa, a estatal subiu forte e levou com ela o principal índice da B3, que contrariou geral e fechou em alta de 0,54%. Na semana, porém, o Ibovespa teve desempenho negativo, enquanto o dólar se aproximou novamente do patamar de R$ 3,90, como mostra o Victor Aguiar na cobertura de mercados.

Longa lista de compras

Quem está com o carrinho pronto para as compras no Brasil é a gigante japonesa Mitsui. O grupo está à solta no mercado e avalia uma série de potenciais investimentos no país. Nesse cardápio tem de tudo: de energia a hospitais. E quem está tentando aproveitar para fechar negócio é justamente a Petrobras, que negocia com os japoneses a venda da sua participação em uma gigante do setor de gás.

E por falar em venda…

A Petro está à todo vapor na missão de se desfazer de ativos pouco interessantes para o seu negócio. A bola da vez são as refinarias, e a diretoria planeja se desfazer de mais quatro delas nos próximos dois anos. E tudo isso é uma ótima notícia para quem investe em ações da estatal, já que o programa de venda de ativos rendeu, somente no 2º trimestre, um total de R$ 21,2 bilhões.

A maior da história?

No embalo das vendas, quem também resolveu se desfazer de uns ativos por aí foi Jeff Bezos. O CEO da Amazon promoveu o que pode ter sido a maior venda de ações da história da companhia. No total, cerca de US$ 1,8 bilhão foram negociados na bolsa de Nova York. O motivo da venda ainda não está claro, mas quando o dono da empresa se desfaz das suas ações, os investidores não costumam gostar muito. Mas já sabemos que, junto com essa operação, Bezos também transferiu uma parte das suas ações à sua ex-mulher, MacKenzie. Saiba como ficou o patrimônio do homem mais rico do mundo nesta matéria da Bruna Furlani.

O juro caiu e você #sextou

Semana acabando e eu não poderia deixar de fechar esta newsletter sem o já tradicional happy hour do Seu Dinheiro. No podcast Touros e Ursos de hoje, eu, o Victor Aguiar e o Edu Campos comentamos os efeitos do corte de juros pelo Copom na última quarta-feira, desde como isso afeta os seus investimentos até os próximos passos dos bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos. Também falamos sobre os melhores investimentos do mês de julho, a liberação dos saques do FGTS e os balanços corporativos que foram divulgados nesta semana. Aperte o play e bom fim de semana!

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para começar o dia bem informado

Quando o coronavírus desembarcou aqui no Brasil, os economistas debatiam qual seria a letra da crise. Seria um ‘W’? Um ‘V’? Talvez um ‘U’… Ou, na pior hipótese, um ‘L’. Se você não está familiarizado com esses termos, pense em um gráfico do PIB. O ‘V’ é o melhor cenário, marcado por um mergulho da […]

EM SITUAÇÃO DELICADA

FMI vê País com a pior dívida entre emergentes

Situação fiscal ruim do Brasil só é superada por países menores, como Angola, Líbia e Omã

ESQUENTA DOS MERCADOS

Coronavírus assusta, mas balanços corporativos tentam injetar otimismo nos mercados

O aumento do número de casos do coronavírus e a novela do pacote de estímulos fiscais americanos continuam como os principais fatores de cautela no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Lá e de volta outra vez: o maior IPO da história e a pandemia em semana de decisão monetária

Hegel costumava afirmar que a história sempre se repete (como disse, se reordena e retrocede sobre si). Ora, não é que nos deparamos com essas duas ideias nessa última semana de outubro?

Balanços

Santander tem recuperação em “V” e lucro sobe para R$ 3,9 bilhões no trimestre

A unidade local do banco espanhol supera expectativas de longe com lucro líquido de R$ 3,902 bilhões, alta de 5,3% em relação ao terceiro trimestre de 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies