Menu
2019-12-03T16:51:17-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).

Itaú BBA espera que privatizações atinjam R$ 100 bilhões em média por ano até 2022

3 de dezembro de 2019
16:27 - atualizado às 16:51
itaú bba
Sede do Itaú BBA na Avenida Faria Lima, em São Paulo -

As privatizações e vendas de participações em empresas estatais pelo governo devem atingir R$ 100 bilhões por ano em média até 2022. A estimativa é do Itaú BBA, unidade de atacado do maior banco privado brasileiro.

O programa de venda de ativos pelo governo e a perspectiva de crescimento maior da economia no ano que vem devem ajudar a atrair o investidor estrangeiro, segundo Caio David, presidente do Itaú BBA, que reuniu a imprensa para um encontro na sede do banco hoje.

Havia uma expectativa de que o capital externo voltasse com mais força ao país após a aprovação da reforma da Previdência, mas isso ainda não aconteceu.

Para João de Biase, diretor-executivo do Itaú BBA, o investidor de fora do país tem participado de operações no mercado local, mas de forma mais seletiva e em negócios de maior porte.

“A maior operação do ano, que foi a venda da TAG [Transportadora Associada de Gás] pela Petrobras, foi para estrangeiros, o grupo franco-belga Engie e o fundo canadense CDPQ”, afirmou.

Mais ofertas

O Itaú BBA espera mais um grande ano para as ofertas de ações e renda fixa no mercado de capitais em 2020. As emissões títulos de dívida, como debêntures, devem crescer entre 10% e 15% em relação a este ano, apesar dos problemas vividos recentemente por esse mercado. Em 2019, o volume de operações debêntures e outros títulos aos investidores deve alcançar os R$ 140 bilhões.

As ofertas de ações devem apresentar uma expansão ainda maior, de até 20% no ano que vem, segundo o banco. Aqui tivemos duas realidades bem distintas. Enquanto as emissões de empresas já listadas na B3 tiveram forte crescimento, as ofertas públicas iniciais (IPO, na sigla em inglês) apresentaram mais um ano abaixo do esperado, com apenas cinco operações.

“A proporção de IPOs vai ser maior em 2020”, afirmou De Biase, que vê hoje um número maior de empresas preparadas para abrir o capital.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

polêmica

Governo barra novo cadastro para auxílio

A estratégia do governo já desperta críticas de organizações da sociedade civil, que consideram urgente a abertura de um novo prazo para pedidos de auxílio

Tombo grande

Elon Musk perde US$ 27 bilhões em uma semana após tombo da Tesla

Mesmo com o tompo gigantesco, Musk segue como segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Boletim médico

Covid-19: mortes ultrapassam 264 mil e casos chegam a quase 11 milhões

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite deste sábado (6)

ESTRADA DO FUTURO

A mentira envolvendo o Clubhouse e o Tinder que rendeu 400% de valorização

Os mercados estão longe de serem perfeitos, e hoje vou te contar uma história real que envolve duas das empresas mais quentes no setor de mídias sociais: o “Clubhouse” e o “Tinder”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies