Menu
Marina Gazzoni
O melhor do Seu Dinheiro
Marina Gazzoni
É CEO do Seu Dinheiro
2019-08-22T10:24:17-03:00
tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Bienvenido ao paraíso dos especuladores

22 de agosto de 2019
10:00 - atualizado às 10:24
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Enquanto (quase todos) os bancos centrais do mundo reduzem os juros, há uma taxa em escalada aqui do lado. A Argentina subiu seu juro para 74% ao ano diante do pânico dos investidores com a vitória da esquerda nas eleições primárias no início do mês. Poxa, 74% ao ano na renda fixa é uma bolada, não? Comprar títulos da dívida argentina é um bom investimento para fazer agora ou o risco de calote é tão alto que é melhor ficar de fora?

Eu realmente estou na dúvida. Achei melhor consultar o mestre Ivan Sant’Anna, colunista do Seu Dinheiro e trader desde 1958. Ele já viu a Argentina passar por poucas e boas, como moratória, reformas monetárias e choques de inflação, e muita gente ganhar dinheiro nas diversas crises dos nossos “hermanos”.


O Ivan lembrou que o país é há muito tempo o paraíso dos especuladores e que esse pessoal quer ganhar bem mais do que 74%. Os fundos abutres, que compram títulos de credores duvidosos, como o governo argentino, já lucraram muito por lá. E não faz tanto tempo. Em 2014, por exemplo, eles embolsaram uma bolada com papéis da dívida argentina comprados anos antes a preço de banana (ou quem sabe de um vinho barato).

Com a ameaça populista novamente, os abutres estão rondando a nossa vizinhança de novo. No seu texto de hoje, o Ivan Sant’Anna dá sua opinião sobre as oportunidades e riscos para quem pretende investir na Argentina no meio do furacão.

O comentário do Ivan está disponível na área Premium do Seu Dinheiro. Para acessar esse conteúdo DE GRAÇA, você só precisa se cadastrar aqui e indicar esta newsletter a cinco amigos. Assim que eles aceitarem o convite seu conteúdo será liberado.

A Bula do Mercado: agenda econômica e cenário externo

mercado financeiro hoje se volta para a agenda econômica e para o cenário externo. Por aqui, o destaque fica com a prévia deste mês da inflação oficial ao consumidor. Já o calendário norte-americano traz dados sobre auxílio-desemprego, atividade na indústria e serviços. Na Europa, chama a atenção a ata da reunião do Banco Central Europeu (BCE).

A leitura do documento revigorou alguns índices acionários na Europa, após um início de sessão sem uma direção firme. Na Ásia, Hong Kong caiu 0,8%, mas Tóquio e Xangai oscilaram no positivo. Já os índices futuros das bolsas de Nova York ensaiam ganhos, um dia após o Federal Reserve não dizer nem que sim nem que não para a continuidade da redução da taxa de juros nos Estados Unidos.

Ontem, o Ibovespa teve ganho de 2,00%, aos 101.201,90 pontos. O dólar à vista encerrou em queda de 0,52%, aos R$ 4,0301. Consulte a Bula do Mercado para saber o que esperar de bolsa e dólar hoje.

É pra tanto?


As ações das estatais saíram em disparada ontem. Tudo por conta da expectativa sobre uma lista de empresas que serão privatizadas. O anúncio veio só depois do fechamento do pregão, mas os papéis preferenciais da Telebras, por exemplo, subiram mais de 60%. Diante disso, cabe a pergunta: será que essa euforia tem sentido? O Vinícius Pinheiro olhou os números da empresa e tem uma opinião sobre o assunto.

‘Quando chegar, eu falo’

O oba-oba também tomou conta dos investidores com a notícia de que o governo pode privatizar a Petrobras, embora a estatal não estivesse na lista de privatizações anunciadas ontem. As ações da empresa subiram mais de 5%. Mas agora pela manhã o presidente Jair Bolsonaro tratou de apaziguar os ânimos: ele disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, não apresentou proposta nenhuma para a privatização da petroleira. “Quando chegar, eu falo”. Já o secretário Salim Mattar falou hoje cedo sobre os planos para os Correios.

Vitória parcial

Em Brasília, os parlamentares seguem tocando uma agenda de interesse do governo. Ontem à noite, o Senado aprovou a MP da Liberdade Econômica - aquela que pode reduzir a burocracia e limita o poder de regulação do Estado. Mas impôs uma pequena derrota ao Executivo ao derrubar a autorização para trabalho aos domingos e feriados. Enquanto isso, na Câmara passou o projeto que permite posse de arma em toda a propriedade rural. O texto segue para sanção presidencial.

Um grande abraço e ótima quinta-feira!

Agenda

Índices
- IBGE divulga prévia da inflação de julho
- Receita Federal divulga resultado da arrecadação de impostos em julho
- Estados Unidos publicam dados semanais de emprego
- IHS/Markit publica PMI de Alemanha, Estados Unidos e zona do euro em agosto

Bancos Centrais
- BCE divulga ata de sua última reunião de política monetária

Política
- Senado realiza audiência pública sobre a reforma da Previdência

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies