Menu
Julia Wiltgen
O melhor do Seu Dinheiro
Julia Wiltgen
2019-08-06T19:20:33-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

Atenção, volatilidade à frente

6 de agosto de 2019
19:20
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O drama da guerra comercial entre Estados Unidos e China não chegou ao fim, longe disso. Nesta terça-feira, o assunto continuou no radar dos mercados que, por aqui, ainda estão muito à mercê do cenário internacional.

Apesar de as discussões acerca da reforma da Previdência estarem retornando nesta semana, o tema ainda não engrenou o suficiente para voltar a centralizar as atenções dos investidores domésticos.

Hoje, por exemplo, a bolsa brasileira novamente seguiu o clima do exterior que, desta vez, foi diametralmente oposto ao de ontem. As ações viram forte alta, num movimento de recuperação depois do tombo de segunda-feira.

Comportamento típico dos mercados. Uma forte reação a algum acontecimento, seguida de uma correção depois que os ânimos se assentam e os investidores são capazes de avaliar melhor o que está se passando. Atira primeiro e pergunta depois.

Ainda não dá para saber se foi apenas uma depressão no caminho do Ibovespa, ou se a estrada adiante está muito esburacada. Mas o mais provável é que a guerra comercial ainda renda umas boas trepidações. Pelo menos é isso que esperam os tubarões do mercado, que veem muita volatilidade adiante com essa história.

O Victor Aguiar, que segura na sua mão nessa viagem pela bolsa, traz os detalhes sobre o pregão de hoje, as novidades no front da guerra comercial e tudo que mexeu com os mercados nesta terça.

Arco-íris por trás da nuvem

O acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, porém, não é sinal apenas de tempestade. Pelo menos é nisso que acredita o CEO da Franklin Templeton no Brasil, uma gigante mundial em gestão de investimentos. Para Marcus Gonçalves, toda essa volatilidade gerada pelas disputas tarifárias e os discursos inflamados também está carregada de oportunidades para quem pensa em diversificar a carteira. A Bruna Furlani esteve hoje no segundo dia de um evento fechado para investidores e traz as visões do gestor nesta matéria.

Me dá um prazo aí

Ao ser questionado sobre a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, resolveu soltar datas. Afirmou que a “PEC paralela” - a saída encontrada para conseguir englobar os entes no projeto - deve ser aprovada no plenário da Casa em até 15 dias . O prazo é bastante otimista, tendo em vista a polêmica que o assunto causou durante as discussões da reforma na Câmara. Enquanto isso, governadores correm para fechar seus pontos dentro de outra importante reforma: a tributária. Saiba todos os detalhes em jogo neste texto.

Tudo na paz

Enquanto a guerra comercial corre solta lá fora, aqui no Brasil o Banco Central parece tranquilo. Quem diz é o presidente da entidade, Roberto Campos Neto. Para ele, o cenário externo está mais conturbado, mas nada que atrapalhe os planos de longo prazo do BC quando o assunto é juros.

Campos Neto também aproveitou sua fala em evento na manhã de hoje para explicar a importância da agenda de reformas microeconômicas da entidade, que não rende muita manchete nem holofote, mas é um “trabalho de formiguinha” de suma importância para botar nossa economia de volta nos trilhos. Quem acompanhou os pormenores da apresentação do presidente do BC foi o Eduardo Campos, e ele conta tudo para você aqui no Seu Dinheiro.

E o parabéns

Quem está de aniversário hoje é a fabricante de ônibus Marcopolo. E o que poderia ser melhor para comemorar seus 70 anos do que um belo balanço trimestral? A empresa mandou bem no segundo período do ano e trouxe resultados acima do esperado, a começar pelo lucro líquido, que deu um salto e atingiu R$ 90,9 milhões na comparação anual. Quem também entrou na festa foi o investidor, que foi às compras e jogou o preço da ação lá em cima. O resultado desse movimento todo o Victor Aguiar te conta nesta matéria.

Eike e o mistério da caixa-preta

Podia ser o título de mais um sucesso cinematográfico, exibido em mais de 200 países em várias línguas. Mas é apenas Eike Batista prestando esclarecimentos sobre empréstimos contraídos pelo seu grupo empresarial, o EBX, junto ao BNDES. Eike soltou o verbo na CPI do banco no Congresso e falou que, por ter muita exposição na mídia, está sendo usado para desviar a atenção das verdadeiras caixas-pretas do BNDES . E ainda deu uma pancada na Odebrecht. O Edu Campos passou a tarde na comissão e traz todos os detalhes do depoimento do empresário.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Radiocash

“Quando comecei a criar o Me Poupe, eu queria transformar finanças em mainstream”, conta Nathalia Arcuri

A plataforma de conteúdo e educação financeira tem uma CEO com uma jornada polêmica e impactante; confira no RadioCash

Economia na defesa

Privatização da Eletrobrás é ‘entrega elevadíssima’, afirma secretário de Guedes

Segundo associações do setor, o texto aprovado vai aumentar o custo da energia para consumidores em R$ 84 bilhões nas próximas décadas

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril revelam melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies