Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-10-14T19:46:17-03:00
Seu Dinheiro na sua noite

A pergunta que não quer calar

14 de outubro de 2019
19:46
O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Andrei Morais/Seu Dinheiro

Como jornalista, estou acostumado a fazer perguntas, mas de vez em quando me vejo em uma situação em que sou obrigado a respondê-las.

Na sexta-feira à noite fui a Santos fazer uma palestra na faculdade onde estudei sobre a profissão e os livros que escrevi, inclusive o primeiro deles – que surgiu do meu trabalho de conclusão do curso.

Na sessão de perguntas, os temas foram além da literatura e do jornalismo e chegaram à economia quando uma aluna me questionou por que os juros são altos no Brasil.

Devo ter me enrolado na hora de detalhar as causas, mas procurei deixar um recado claro: o país tem uma oportunidade de ouro para deixar essa grande anomalia no passado.

Seja pela crise que derrubou a economia ou pela perspectiva de um mínimo ajuste nas contas públicas que evite uma catástrofe fiscal, a verdade é que temos hoje taxas de juros nunca dantes praticadas.

E como escreveram recentemente os gestores do lendário fundo Verde em sua carta mensal, as consequências desse fenômeno ainda nem começaram a ser sentidas.

Enquanto ainda aprendemos a conviver com os juros na casa dos 5%, os analistas apontam que há espaço para as taxas caírem mais. Bem mais.

O Itaú Unibanco decidiu revisar as estimativas e agora espera a Selic de 4,5% ao final de 2019 e 4% em 2020. E tem gente no mercado que não descarta taxas ainda menores. Quem traz a nova rodada de projeções para os juros é o Eduardo Campos.

Crédito na praça

Entre as muitas consequências dos juros menores está a redução no custo e o aumento na demanda por crédito. Mas desde que o Banco Central começou a cortar a Selic, lá em 2016, a esperada contrapartida na economia não se materializou na mesma velocidade. Só que um dado divulgado nesta segunda-feira apontou uma luz no fim do túnel, uma chama de esperança para o governo, como você confere nesta matéria.

Quatro vezes alta

Sabe aquela famosa frase: “tenho uma notícia boa e uma ruim, qual você quer saber primeiro?” Foi mais ou menos isso que aconteceu com a bolsa nesta segunda-feira. Os dados fracos da economia chinesa, que poderiam azedar o humor do investidor, foram compensados por novas notícias sobre o desenrolar da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O saldo final acabou sendo positivo e o Ibovespa fechou em alta pelo quarto pregão consecutivo. O Victor Aguiar acompanhou de perto as negociações e conta os detalhes para você.

Chama o Meirelles

Candidato derrotado à Presidência e hoje secretário do governo de São Paulo, Henrique Meirelles fez elogios à agenda econômica do governo Bolsonaro. Mas não exatamente do jeito que você está pensando. Para ele, o grande mérito da atual gestão foi manter as diretrizes da gestão de Michel Temer. Como exemplo, ele citou a MP da Liberdade Econômica, cujos pontos foram traçados durante a passagem dele no Ministério da Fazenda. Meirelles também reservou algumas críticas ao atual governo, como você confere nesta matéria.

Foi bom, mas…

A Vale aos poucos está conseguindo recuperar o fôlego na produção de minérios, perdido desde o desastre em Brumadinho em janeiro deste ano. Mas o fato é que a mineradora ainda está longe de atingir a força que tinha no mesmo período do ano passado. Hoje, por exemplo, a Vale divulgou um relatório de produção que apontou um volume 17% menor no terceiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado. A empresa, no entanto, já tem prazo para normalizar toda a situação.

Cinco estrelas?

Desde que o fundo japonês SoftBank anunciou a compra de uma participação no Banco Inter, o mercado especula quais frutos poderiam surgir desse investimento. Pois de acordo com uma notícia publicada pela Coluna do Broadcast, do Estadão, o banco digital pode fechar uma parceria com a Uber, outra empresa que recebeu dinheiro dos japoneses. Coincidência ou não, as ações do Inter foram lá pra cima hoje. Confira o que se sabe até agora sobre essa possível união.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

*Colaboração Fernando Pivetti.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

entrevista

‘Não se pode esperar para cortar privilégio’, diz ex-secretário do Ministério da Economia

Paulo Uebel defende que o Congresso aprove uma regra de transição na proposta da reforma administrativa para incluir o fim dos privilégios que grupo de servidores atuais ainda goza

Aposente-se aos 40 (ou o quanto antes)

100 dias entre o fundo e topo do mercado

Até aqui, 2020 foi o ano de Amyr Klink, em que aqueles que souberam capotar (entre janeiro e o final de março), passaram pela tempestade sem afundar de vez em mar aberto

inflação de alimentos

Após ouvir cobrança, Bolsonaro reforça que preço do arroz não será tabelado

Ministra da Agricultura avisou que atual patamar de preços só deve baixar mesmo a partir de 15 de janeiro, quando entrar a safra brasileira.

ranking da forbes

Varejo invade lista de mais ricos do Brasil; saiba mais sobre os bilionários

Luiza Trajano, Ilson Mateus e Luciano Hang chegam entre os 10 mais ricos do país, em um ano marcado por mudanças no setor varejista, alta das ações e IPOs

Seu Mentor de Investimentos

Como proteger seus investimentos diante do risco de sanções comerciais por causa das queimadas

País tornou-se um pária no mundo por conta do que acontece no Pantanal e na Amazônia, diz colunista Ivan Sant’Anna; ele aponta uma série de tipos de ativos que podem estar imunes a uma eventual protesto da comunidade internacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu