Menu
2019-10-14T14:24:56-03:00
foco na agenda econômica

Congresso quer protagonismo e promete votar a reforma tributária ainda este ano

PEC proposta acaba com três tributos federais – IPI, PIS e Cofins. Extingue o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. Todos eles incidem sobre o consumo

24 de junho de 2019
12:19 - atualizado às 14:24
baleia-rossi
Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Lideranças da Câmara dos Deputados vão acelerar a tramitação da reforma tributária logo após a votação da reforma da Previdência na Comissão Especial, prevista para ocorrer em até duas semanas. O cronograma que está sendo articulado é aprovar a reformulação do sistema tributário na Câmara e no Senado no fim do segundo semestre, como parte da estratégia do Congresso de assumir o protagonismo na condução da agenda econômica e retomar o crescimento do País.

Apelidada de "agenda boa", a reforma tributária é o contraponto escolhido pelos parlamentares à reforma previdenciária, a "agenda negativa", porém, necessária. "Fatores políticos hoje são convergentes e favoráveis para acabar com a novela da reforma tributária", diz o líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária, que tem como base o texto preparado pelo economista do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), Bernard Appy.

Sem esperar o envio do projeto da equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, elaborado pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, a proposta da Câmara teve o apoio da oposição e passou rapidamente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) em maio, surpreendendo o setor empresarial e governadores.

A agilidade na tramitação contou até mesmo com apoio da oposição - algo que não ocorreu na reforma da Previdência.

A disputa agora é pela relatoria dessa proposta. O líder da maioria na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), é o favorito por enquanto. Ex-ministro do governo de Dilma Rousseff, Aguinaldo está em seu terceiro mandato e é considerado um quadro experiente e com bom trânsito entre os partidos de oposição, além de ser um dos principais líderes do Centrão. A estratégia definida é não modificar muito o projeto que está em tramitação.

A escolha de Ribeiro tem o aval do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O deputado João Roma (PRB-BA), que presidiu a polêmica comissão da MP 870, da reforma administrativa, também é um dos cotados. Já a presidência da comissão deve ser assumida por Hildo Rocha (MDB-MA). Ele já presidiu a comissão que discutiu a reforma tributária na legislatura passada, que não foi aprovada.

Simplificação

A PEC proposta agora acaba com três tributos federais - IPI, PIS e Cofins. Extingue o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. Todos eles incidem sobre o consumo.

Ela cria o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), de competência de municípios, Estados e União, além de um outro imposto, sobre bens e serviços específicos, esse de competência apenas federal.

O IBS foi formulado no modelo do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), adotado em muitos países. O tempo de transição previsto é de dez anos.

Um dos pontos polêmicos é o fim dos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus. O tema da guerra fiscal reacendeu após o governador de São Paulo, João Doria, conceder incentivos, deixando em alerta os Estados.

Para Emerso Casalli, que assessora o setor de serviços na discussão da proposta, a real discussão da reforma só começou para os setores que serão beneficiados. "No âmbito de quem paga a conta, a reforma não começou", diz.

Segundo ele, a proposta tem o apoio da indústria, mas, no setor de serviços, mais voltado para o consumidor final, a discussão ainda não aconteceu. "As pessoas não têm noção que a proposta vai pegar uma mensalidade escolar, hoje com um tributo de 8,65 %, que vai aumentar para 25%. O impacto é gigantesco", avalia.

De acordo com ele, uma reforma tributária que não enfrente o problema dos encargos sobre a folha de pagamento será "capenga" e incompleta, pois não vai priorizar o desafio do emprego.

A PEC em tramitação não inclui a desoneração. Já a equipe de Guedes defende um imposto sobre a folha de pagamentos nos moldes da extinta CPMF. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

executivo de carreira

Vice-presidente do BB, Walter Malieni, morre aos 50 anos

Executivo de carreira do BB, com mais de 35 anos de casa, Malieni completaria 51 anos em novembro

números da covid

Covid-19: Brasil tem 2,96 milhões de casos e 99,5 mil mortes

Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.079 óbitos, segundo o balanço diário do Ministério da Saúde divulgado hoje (7)

Reserva de R$ 1,3 bi para gastos

Iguatemi vai recomprar até 1,3 milhão de ações

Quantidade representa 1,5% dos papéis em circulação da companhia. Ações acumulam queda de mais de 30% no acumulado de 2020

seu dinheiro na sua noite

Uma conversa sobre investimentos para o meu pai

O primeiro salário que recebi na vida foi em julho de 1994, mês inaugural do Plano Real. Foi com esse dinheiro que saí pelas lojas do bairro do Gonzaga, em Santos, em busca de um presente para dar no Dia dos Pais. Desde então, esse sempre foi um problema para mim, porque meu pai não […]

Preferência

Oi fecha acordo de exclusividade com Vivo, Claro e Tim para venda de operação móvel, diz jornal

Após fim da exclusividade da Highline, que desistiu de fazer nova oferta, teles brasileiras passam à frente, com oferta de R$ 16,5 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements