Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-04T20:05:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
De volta à pauta

Previdência: Tudo certo, nada resolvido para o 2º turno de votação

Congresso retoma trabalhos e a reforma da Previdência volta a pautar noticiário e mercados. Votação está prevista para o dia 7, mas ainda há detalhes a acertar

5 de agosto de 2019
5:14 - atualizado às 20:05
Previdência congresso
Votação do texto-base da PEC 6/2019 - Reforma da Previdência - Imagem: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Depois de um hiato de três semanas, a reforma da Previdência retoma seu curso de tramitação no Congresso Nacional. A etapa a ser vencida é a votação em segundo turno na Câmara dos Deputados. Depois, novo capítulo se abre no Senado Federal.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e membros do governo, como o secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, acreditam que o processo pode começar na terça-feira e a votação ocorrer na quarta-feira, dia 7. De fato, a pauta oficial da Casa lista o projeto. Mas ainda existem algumas arestas a aparar.

O leitor deve lembrar que durante o processo de votação em primeiro turno vimos inúmeras notícias sobre liberação de emendas parlamentares. Um estímulo, digamos assim, para os deputados votarem. Nada fora do “normal” da política, aliás os deputados estão ali para levar recursos para suas bases mesmo (antes de me xingar, apenas explico, não faço juízo).

Acontece, que o ritmo de liberação perdeu fôlego (todos sabemos das restrições e contingenciamento do Tesouro), e algumas faturas ficaram em aberto. Além disso, há questões envolvendo indicações políticas para alguns cargos em Estados.

As duas questões estão sendo tratadas pelo ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, que deve ter passado o fim de semana em negociações para aparar essas arestas. No entanto, só saberemos se vota mesmo ou não, quando toda a “turma” voltar do recesso na terça-feira.

Só lembrando que o placar de votação no primeiro turno surpreendeu, com 379 votos a 131, um massacre na oposição. Em tese, o segundo turno tenderia, ao menos, a repetir o placar. Os números podem variar para mais, já que algumas emendas foram atendidas, ou para menos, se algum deputado apanhou feio quando foi ter com suas bases.

Mercados

A aprovação em primeiro turno foi bem recebida e já “está no preço” dos ativos. Essa votação também foi um dos fatores que levou o Comitê de Política Monetária (Copom) a cortar a Selic em meio ponto percentual na semana passada, de 6,5% para 6% ao ano.

No entanto, o BC continua enfatizando que a frustração com a agenda de reformas é risco preponderante no seu cenário e que apesar dos avanços, “a continuidade desse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia”.

O próximo encontro do Copom será nos dias 17 e 18 de setembro. O texto da Previdência ainda deve estar em discussão no Senado.

Atenção também ao andamento da reforma tributária, que conta com três versões, por ora. Uma da Câmara, outra sendo articulada pelo Senado e uma ainda não conhecida de autoria da equipe econômica do governo. Em algum momento essas propostas terão de convergir.

Estados e municípios

No Senado, as discussões devem se centrar na inclusão de Estados e municípios na reforma. Também se negocia a articulação de um PEC paralela para tratar do tema. Assim, a reforma não ficaria comprometida por essa discussão.

Estudo do Ministério da Economia estima uma economia de cerca de R$ 330 bilhões ao longo de dez anos com a reforma sendo aplicada pelos entes subnacionais.

Na semana passada, Marinho disse que tem conversado com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para articular essa votação. Estados e municípios na reforma seria um forte aceno de menor preocupação fiscal para frente, pois toda vez que um ente encontra dificuldade para fechar as contas, quem tem de socorrer é a União (todos nós).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies