Menu
2019-09-17T08:30:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
olho na estatal

Política de preços para a Petrobras será ‘testada’, diz especialista

Preço do petróleo chegou a subir mais de 20% no mercado internacional após os ataques contra refinaria da Arábia Saudita

17 de setembro de 2019
8:30
Adriano Pires
O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires, em 2005. - Imagem: MONALISA LINS/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

A decisão sobre o repasse ao consumidor do impacto da forte alta do petróleo será um teste à política de preços da Petrobrás. Essa é a avaliação do diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires.

Nesta segunda-feira,  17, o presidente Jair Bolsonaro disse que a estatal não deve mudar o preço dos combustíveis. O preço do petróleo chegou a subir mais de 20% no mercado internacional após os ataques contra refinaria da Arábia Saudita.

"A gente [vai] descobrir, de verdade, a política do governo Jair Bolsonaro com relação à Petrobrás", diz o especialista Adriano Pires.

Principais trechos da entrevista

O mercado já sabe a extensão do ataque na Arábia Saudita?
Não. Sabemos que o ataque reduziu pela metade a produção da Arábia Saudita, que responde por 10% da produção mundial de petróleo. O preço do petróleo teve seu pico de alta, o maior desde a guerra do Kuwait, em 1991. Foi algo bem similar em termos de alta do preço.

Quais os impactos imediatos no Brasil?
O primeiro, e mais óbvio, é a gente descobrir qual é, de verdade, a política do governo Bolsonaro com relação à Petrobrás.

Espero que a empresa mantenha o compromisso de adotar uma política de preço alinhada com o mercado internacional. Sendo assim, espero aumento nos preços dos combustíveis nas refinarias para as próximas semanas.

O problema é que o governo, até agora, está alinhado com a categoria dos caminhoneiros. Será que ele vai assumir esse desafio? Se não assumir, o mercado vai reagir mal. Se não reajustar o preço e acompanhar o mercado internacional, certamente terá dificuldades em vender as refinarias da Petrobrás, que estão preparadas para serem vendidas.

De quanto seria hoje o aumento para os combustíveis?
Com base no cenário que observamos hoje, que é a possibilidade de o barril do petróleo se estabilizar em um novo patamar, de US$ 75, esse aumento nas refinarias teria de ser de 8% a 10%. Nas bombas, o aumento é sempre menor.

Esse reajuste para o consumidor final viria quanto?
Para as próximas semanas. Não pode ser nada de imediato, já que a Petrobrás precisa avaliar o que vai acontecer com o mercado.

* Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

em brasília

Mourão diz que parte dos assessores de Bolsonaro distorce fatos

Vice-presidente afirmou nesta sexta-feira que existe “certa incompreensão” no seu relacionamento com o chefe do Executivo

seu dinheiro na sua noite

Free Solo: Ibovespa escala para perto da marca histórica

Com imagens de tirar o fôlego, o extraordinário documentário Free Solo conta a preparação do alpinista Alex Honnold para chegar ao topo do El Capitan, uma parede rochosa com quase 1000 metros de altura. Detalhe: a escalada é feita sem equipamentos de segurança. O filme vencedor do Oscar está disponível no Disney Plus. Mas quem não é […]

Respiro

E-commerce fatura R$ 7,72 bilhões com Black Friday e Cyber Monday em 2020

O valor representa aumento de 27,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

fechamento dos mercados

Ibovespa engata 5ª semana seguida de alta com Petrobras, Vale e aéreas

Índice local de ações não tinha sequência tão longa de ganhos semanais desde dezembro de 2019; dólar mantém trajetória de queda e juros longos se descomprimem de novo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies