Menu
2021-05-26T16:13:24-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
PRIVATIZAÇÃO EM PAUTA

Retomada dos investimentos só é possível com aprovação da capitalização, diz CEO da Eletrobras

Com a capitalização, Rodrigo Limp, novo CEO da companhia, vê espaço para que a Eletrobras invista R$ 200 bilhões até 2035

25 de maio de 2021
17:18 - atualizado às 16:13
Privatização Eletrobras
Sede da Eletrobras no Rio de Janeiro - Imagem: Divulgação

Com a Medida Provisória que abre caminho para a privatização da Eletrobras aprovada na Câmara e aguardando a decisão do Senado, as atenções do mercado se voltaram para a participação do CEO recém-empossado da companhia, Rodrigo Limp, em seu primeiro evento externo.

Após a renúncia de Wilson Ferreira Junior, antigo comandante da companhia, Limp assumiu o cargo com desafios grandes a serem enfrentados em um curto período de tempo: convencer o mercado de que a privatização segue nos planos, afastar os temores de interferência do governo no comando da estatal e garantir que os avanços feitos na gestão da empresa nos últimos anos seguirão. Até agora, Limp, que tem a confiança do mercado, está se saindo bem.

Em evento organizado pelo BTG Pactual e ao lado do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Ecônomico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, e do CEO da CCR, Marco Caduro, Limp exaltou os avanços da gestão anterior e defendeu a pauta de capitalização da Eletrobras no Senado e também de privatizações em outros setores fundamentais para a obtenção de melhores serviços pela população e retomada da economia, já que o setor de infraestrutura é essencial para este movimento.

Segundo o comandante da estatal, para reforçar o modelo de concessões e avançar com outros projetos de geração de energia e transmissão, a Eletrobras teria que elevar a sua capacidade de investimento para cerca de R$ 365 bilhões em 10 anos.

Para isso, a empresa deve ser capaz de aumentar o valor destinado aos investimentos. Durante a reestruturação promovida por Ferreira Jr., que reverteu um prejuízo de R$ 35 bilhões apresentado pela estatal, a redução de investimentos foi drástica mas essencial para a companhia reduzir o índice Dívida Líquida/EBITDA de 7 vezes para 1,4 vezes.

Durante sua fala em defesa da capitalização, Limp também apontou outros benefícios da aprovação da pauta: a Eletrobras pode se tornar uma empresa mais competitiva e mais moderna sem as amarras burocráticas que prendem as estatais. A companhia já traça o seu plano estratégico até 2035 e trabalha com os dois cenários.

Caso a capitalização ocorra, a estatal deve investir cerca de R$ 200 bilhões - uma média de R$ 13 bilhões por ano. Agora, se a pauta não andar, o esperado é que menos da metade desse valor seja executado.

Esses investimentos devem servir para "preparar a empresa para o novo ambiente do setor elétrico, que passa por uma modernização e transformação". Os leilões, que foram deixados de lado durante o período mais intenso da reestruturação dos últimos anos também devem ser retomados, mas, segundo Limp, tudo será feito "mantendo a premissa de disciplina financeira" na busca de oportunidades atrativas e rentáveis para a companhia. No horizonte de longo prazo, a Usina Nuclear Angra 3 é colocada como um "projeto desafiador" mas também prioritário.

Limp vê o cenário atual dentro das condições adequadas para o avanço das reformas e está otimista não só com o avanço da capitalização da empresa que comanda, mas também com o andamento das obras de privatização e concessão no geral.

O capitão do navio

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, destacou que falta "braço" para o governo conseguir tocar a quantidade de projetos potenciais no setor e que estamos em um ciclo longo "a perder de vista" para o investimento em infraestrutura e que o Brasil tem uma enorme gama de ativos no setor para ser explorado. Além disso, Montezano destacou que a combinação de disciplina fiscal, com juros controlados, a agenda de reformas regulatórias e uma boa qualidade dos projetos em execução é um diferencial do país.

O executivo também reforçou que a instituição seguirá na venda de suas participações acionárias para realocar o capital em atividades que gerem desenvolvimento.

"Estamos fazendo os desinvestimentos com parcimônia e cautela", declarou. Apesar disso, o presidente do BNDS lembrou que, desde que assumiu o comando, em julho de 2019, o banco já vendeu R$ 65 bilhões em ações.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

de olho na reabertura

Vacina no braço e compra de ações: por que o UBS (o banco suíço) agora recomenda a bolsa brasileira

Banco suíço cita as revisões de crescimento para a economia brasileira, menor risco fiscal, expectativa de lucro das empresas e preços em patamares “convidativos”

seu dinheiro na sua noite

Anitta no conselho do Nubank, mais ofertas de ações e o ponto de inflexão do minério de ferro

Acostumado a fazer barulho no mercado, o Nubank fez, nesta segunda-feira, mais um anúncio que deu o que falar: a contratação da cantora e empresária Anitta para integrar o conselho de administração da empresa. A garota do Rio, nascida no bairro suburbano de Honório Gurgel e alçada à fama pelo funk carioca, ocupará uma cadeira […]

linhas 8 e 9

CCR assina acordo de acionistas com RuasInvest no Consórcio Via Mobilidade

Acordo prevê os porcentuais de participação de 80% da CCR e de 20% da RuasInvest no Consórcio ViaMobilidade Linhas 8 e 9

Microcaps

Panvel (PNVL3): é hora de investir?

A rede Panvel é queridinha no Sul do país. Sua recuperação tem mostrado que ela pode ser uma gema entre as microcaps da Bolsa. Descubra se vale a pena investir nela no Chama o Max de hoje.

sinal verde

Câmara aprova texto-base da MP que viabiliza privatização da Eletrobras

Placar foi de 258 votos contra 136; texto já havia sido aprovado pela Casa, mas voltou depois de alterações no Senado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies