Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-25T17:29:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
A política de preços continua

Após polêmica com o governo, Petrobras anuncia reajuste de R$ 0,10 no preço do diesel

Movimento é visto como um importante sinal para os investidores de que petroleira manterá sua política de preços

17 de abril de 2019
20:04 - atualizado às 17:29
Petrobras
Imagem: Shutterstock

A política de preços está viva! O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, anunciou nesta quarta-feira, 17, um reajuste de R$ 0,10 por litro no preço do diesel.

O movimento é um importante sinal para os investidores de que a política de preços da petroleira, iniciada lá na gestão Pedro Parente, irá continuar.

Durante coletiva de imprensa, Castello Branco informou que o novo preço do diesel passa a valer a partir de quinta-feira. O custo por litro agora será de R$ 2,2470, valor 4,84% maior que o praticado nesta quarta-feira, de R$ 2,1432.

Ainda de acordo com o presidente da estatal, a variação mínima do preço será de 4,5% e a máxima de 5,147%. Ele avisou também que a Petrobras terá uma nova forma de divulgar os reajustes, como reais por litro e não como porcentual.

Nada mudou

Após a interferência do presidente Jair Bolsonaro, Castello Branco deixou claro que a política de preços da empresa não foi alterada.

Na semana passada, uma ligação do presidente Bolsonaro, que questionou o tamanho do reajuste, causou o adiamento do aumento. O ruído gerado entre os investidores resultou também em uma perda bilionária no valor de mercado da empresa.

Castello Branco foi enfático ao dizer que nada impede que a estatal decida mudar a periodicidade do reajuste. Segundo ele, a companhia pode optar por aplicar o aumento "quando achar importante".

Questionado sobre o reajuste no diesel impactar a decisão dos caminhoneiros de fazer nova paralisação, o executivo afirmou que justamente essa preocupação o fez adiar o ajuste na semana passada. "Todos nós sofremos com a greve dos caminhoneiros (2018), foi com base nisso que sustei o ajuste", disse.

Ele ressaltou também que só vê greves desse tipo em países como Brasil e França, onde o refino é estatal. "Já reclamei da solidão no refino, sou contra o monopólio", disse.

O presidente da Petrobras afirmou que irá apresentar a proposta de venda de refinarias à diretoria-executiva e depois ao conselho. A reunião do conselho de abril ainda não ocorreu. "A venda das refinarias vai mostrar que a companhia não vai ter interferência externa", disse, emendando que quem decide o tamanho do aumento é a diretoria de refino junto com o financeiro da empresa. "A palavra final é minha quando tem divergência".

Castello Branco também deixou claro que o presidente Bolsonaro não teve ciência prévia do novo reajuste.

"O presidente soube agora do aumento. Não soube antes", disse ao lembrar que, na semana passada, o chefe de Estado "não pediu nada, apenas alertou os riscos".

O executivo afirmou ainda que não houve perda com o adiamento do reajuste, isso por conta do hedge feito pela companhia. "O frete marítimo caiu e por isso o aumento foi menor que o anunciado (anteriormente), de 5,7%", afirmou, completando: "Esse acontecimento teve final feliz, reafirmou a independência da Petrobras".

Explicando o reajuste

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite de hoje, a Petrobras explicou que o preço estabelecido pela Petrobras representa, em média, 54% do preço do diesel nos postos de serviço.

Segundo a estatal, o preço médio do diesel ao consumidor no Brasil é 13% menor do que a média global, havendo 105 países com preços superiores, segundo a globalfuelprices.com.

A Petrobras informa ainda que o reajuste levou em consideração os mecanismos de proteção, através dos derivativos financeiros, e as variações de demais parcelas que compõem o Preço Paridade Internacional (PPI) com destaque para redução recente do frete marítimo.

"A Petrobras reafirma a rigorosa observância do alinhamento de seus preços com a paridade internacional", diz a nota.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies