Menu
2019-04-16T15:17:42+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Controle de preço de combustíveis: Desta vez é diferente?

Bolsonaro desautoriza reajuste no diesel, Petrobras acata e Mourão fala em caso isolado

12 de abril de 2019
11:11 - atualizado às 15:17
Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante entrevista para o jornal do SBT
Jair Bolsonaro: ordem sobre combustíveis partiu do Palácio do Planalto - Imagem: Alan Santos/PR

Há um adágio nos mercados que diz que toda vez que o investidor se deparar com a afirmação “desta vez é diferente” e suas variantes para explicar fenômenos que já resultaram em tragédias financeiras, ele deve sair correndo sem olhar para trás.

O episódio envolvendo Jair Bolsonaro, seu vice, Hamilton Mourão, a Petrobras e o preço do diesel, parece muito com um caso desses.

A Petrobras anunciou o reajuste no diesel de acordo com regras previamente anunciadas, horas depois revisita sua posição e diz que vai esperar mais alguns dias. No noticiário na TV e nos jornais vemos que ordem partiu do Palácio do Planalto, afinal de contas o combustível é importante para caminhoneiros e para o transporte de cargas.

No mercado, a reação é imediata, a notícia é um famoso caso de “gritaram fogo no cinema”, como as portas de saída são pequenas, a correria se reflete no preço das ações da Petrobras, que pedem valor de forma acentuada no mercado internacional e local.

No meio tempo, chega um “bombeiro”, o ponderado vice-presidente, Hamilton Mourão, que em entrevista à “Radio CBN” disse que a intervenção do presidente é “um caso isolado”, que a decisão foi feita pensando em um “bem maior” e que o modelo Dilma Rousseff, que quase levou à empresa à falência, não será retomado.

Eu leio aí um grande “desta vez é diferente”. E, por ora, tudo indica que não é. A desculpa aqui é o medo com uma nova greve dos caminhoneiros. Novos episódios de elevação e queda de preços invariavelmente ocorrerão e poder-se-á elencar quaisquer outros “bens maiores”.

Se o governo quer ter pleno controle sobre os preços que avise isso, não há problema algum, o mercado incorpora no preço da ação e jogo que segue. A questão aqui é que toda a história de resgate e reconstrução da Petrobras começa a emborcar.

Em janeiro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, falou: “não há qualquer possibilidade de intervenção no preço dos combustíveis”.

Alinhamento dos preços

O presidente da estatal, um “Chicago Oldie”, Roberto Castello Branco, também defende o alinhamento de preços com o mercado externo e se mostrou contrário a um malabarismo tributário que foi pensado na campanha visando amortecer eventuais volatilidade dos preços.

Liberal e conhecedor do que o sistema de preços representa em uma economia, Castello Branco definiu a questão de maneira simples e direta: “Preços de mercado exercem papel importante numa economia, sinalizando o que se pode consumir mais e o que se pode consumir menos.”

O caso gera surpresa, mas nem tanto, pois o próprio Bolsonaro vive às turras com seu antigo “eu econômico” e o “novo eu econômico” que vem sendo forjado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ainda em outubro do ano passado, Bolsonaro já tinha descido uma de suas “caneladas” na Petrobras e seus acionistas, ao falar que a empresa não poderia ter “uma política predatória” para o preço dos combustíveis.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

A vida depois da reforma da Previdência

Por 60 votos a 19, o Senado aprovou na noite de hoje o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno. Confesso que em alguns momentos ao longo dessa longa jornada cheguei a duvidar desse resultado. De Lula a Bolsonaro, o projeto atravessou governos de todos os espectros ideológicos. A definição da idade mínima para […]

Tá quase acabando

Senado aprova reforma da Previdência por 60 votos a 19

Votado o texto principal, senadores avaliaram dois dos quatro destaques apresentados. Votação será retomada na quarta-feira

Menos de um mês de operação

Aérea ultra low cost Flybondi aumenta número de voos para Florianópolis e Rio

Adepta do modelo de negócios ultra low cost, a empresa realizou seu voo inaugural ao País, na rota Buenos Aires-Rio, em 11 de outubro

Água no chope

Doria diz que não apoiará Joice Hasselmann para a prefeitura de SP: “meu candidato é Bruno Covas”

Governador paulista se esquivou em relação às discussões sobre 2022. Para o tucano, “não é hora de debater eleição”

Último gás

Alcolumbre inicia ordem do dia no Senado que inclui votação da reforma da Previdência

Essa é a última etapa antes da promulgação da reforma, oito meses após a chegada do texto ao Congresso Nacional

Dinheiro na mão

CMO aprova projeto de lei que abre crédito para União pagar cessão onerosa à Petrobras

Projeto define em R$ 34,6 bilhões os valores relativos ao pagamento da Petrobras

E a crise continua

Ex-líder do PSL, delegado Waldir diz que Bolsonaro é covarde e se dobra a generais em reforma da Previdência dos militares

Praças estão revoltados com as mudanças porque há a previsão de um reajuste maior para as patentes mais altas

Mudanças no radar

Governo apresentará 3 propostas do pacto federativo no dia 29, diz líder do governo no Senado

A expectativa do senador Fernando Bezerra Coelho é que as três medidas sejam aprovadas no Senado ainda em 2019

De futebol a basquete

Os 10 maiores bilionários norte-americanos que possuem seu próprio clube esportivo

O dinheiro pode comprar muitas coisas, incluindo uma equipe inteira. Confira a lista dos mais ricos e aficionados por esportes

o esperado dia

Reforma da Previdência tem 99% de chance de ser aprovada como está, diz relator do projeto

Tasso Jereissati falou após aprovação por votação simbólica do projeto na CCJ do Senado; ele disse que espera texto em segundo turno na Casa ainda hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements