Menu
2019-04-16T15:17:42+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Controle de preço de combustíveis: Desta vez é diferente?

Bolsonaro desautoriza reajuste no diesel, Petrobras acata e Mourão fala em caso isolado

12 de abril de 2019
11:11 - atualizado às 15:17
Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante entrevista para o jornal do SBT
Jair Bolsonaro: ordem sobre combustíveis partiu do Palácio do Planalto - Imagem: Alan Santos/PR

Há um adágio nos mercados que diz que toda vez que o investidor se deparar com a afirmação “desta vez é diferente” e suas variantes para explicar fenômenos que já resultaram em tragédias financeiras, ele deve sair correndo sem olhar para trás.

O episódio envolvendo Jair Bolsonaro, seu vice, Hamilton Mourão, a Petrobras e o preço do diesel, parece muito com um caso desses.

A Petrobras anunciou o reajuste no diesel de acordo com regras previamente anunciadas, horas depois revisita sua posição e diz que vai esperar mais alguns dias. No noticiário na TV e nos jornais vemos que ordem partiu do Palácio do Planalto, afinal de contas o combustível é importante para caminhoneiros e para o transporte de cargas.

No mercado, a reação é imediata, a notícia é um famoso caso de “gritaram fogo no cinema”, como as portas de saída são pequenas, a correria se reflete no preço das ações da Petrobras, que pedem valor de forma acentuada no mercado internacional e local.

No meio tempo, chega um “bombeiro”, o ponderado vice-presidente, Hamilton Mourão, que em entrevista à “Radio CBN” disse que a intervenção do presidente é “um caso isolado”, que a decisão foi feita pensando em um “bem maior” e que o modelo Dilma Rousseff, que quase levou à empresa à falência, não será retomado.

Eu leio aí um grande “desta vez é diferente”. E, por ora, tudo indica que não é. A desculpa aqui é o medo com uma nova greve dos caminhoneiros. Novos episódios de elevação e queda de preços invariavelmente ocorrerão e poder-se-á elencar quaisquer outros “bens maiores”.

Se o governo quer ter pleno controle sobre os preços que avise isso, não há problema algum, o mercado incorpora no preço da ação e jogo que segue. A questão aqui é que toda a história de resgate e reconstrução da Petrobras começa a emborcar.

Em janeiro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, falou: “não há qualquer possibilidade de intervenção no preço dos combustíveis”.

Alinhamento dos preços

O presidente da estatal, um “Chicago Oldie”, Roberto Castello Branco, também defende o alinhamento de preços com o mercado externo e se mostrou contrário a um malabarismo tributário que foi pensado na campanha visando amortecer eventuais volatilidade dos preços.

Liberal e conhecedor do que o sistema de preços representa em uma economia, Castello Branco definiu a questão de maneira simples e direta: “Preços de mercado exercem papel importante numa economia, sinalizando o que se pode consumir mais e o que se pode consumir menos.”

O caso gera surpresa, mas nem tanto, pois o próprio Bolsonaro vive às turras com seu antigo “eu econômico” e o “novo eu econômico” que vem sendo forjado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ainda em outubro do ano passado, Bolsonaro já tinha descido uma de suas “caneladas” na Petrobras e seus acionistas, ao falar que a empresa não poderia ter “uma política predatória” para o preço dos combustíveis.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Xadrez político

Bolsonaro tira general da cúpula do governo e coloca nos Correios

Floriano Peixoto será a segunda troca na Secretaria-Geral em menos de seis meses de governo

DE OLHO NO GRÁFICO

Ouro e bitcoin estão subindo enquanto o Dow Jones sofre tendência de queda

Coluna do Fausto Botelho traz vídeos sobre análise gráfica e dicas de investimentos. Os temas são mercado de ações e criptomoedas

Pensando no futuro?

Bolsonaro fala pela primeira vez em disputar a reeleição em 2022

Diante de moradores de Eldorado, no interior de São Paulo, o presidente apontou para a possibilidade de disputar novamente as urnas

Logo na largada

Fed sinaliza que regulará criptomoeda do Facebook

Presidente do BC norte-americano, Jerome Powell, confirmou que a rede social conversou com o Fed sobre regulação

Seu Dinheiro na sua manhã

Trilha sonora de fim de festa

Ali pelo fim dos anos 1990 ficou relativamente popular na região da Baixada Santista uma espécie de “trilha sonora de fim de festa”. Quando o anfitrião desejava jogar um balde de gelo na animação da galera, pressionado pelos vizinhos em fúria, bastava pôr para tocar Daysleeper, do REM. A música faz parte do disco Up, de 1998. […]

Entrevista

BC erra ao atrelar queda de juros à reforma, diz Figueiredo, da Mauá Capital

Ex-diretor do Banco Central prevê duas quedas na Selic de 0,5 ponto porcentual cada uma até o fim do ano e diz que política monetária deve apenas focar na expectativa de inflação

Tensão diplomática

Cotações do petróleo sobem depois de derrubada de drone americano pelo Irã

Forças iranianas informaram que o drone foi derrubado porque estava invadindo o espaço aéreo do país, mas autoridades dos EUA negam

Ações

Bolsas da Ásia fecham em alta com Fed e otimismo com comércio EUA-China

Sinalização de queda dos juros e possibilidade de uma nova rodada de negociações entre Estados Unidos e China ajudaram mercados asiáticos

Política monetária

Corte de juros é uma possibilidade, diz vice-presidente do BC europeu

Luis de Guindos disse que o BCE está preparado para agir se o cenário de deterioração na perspectiva econômica se mantiver

Julgamento no TRF4

Ex-presidente da Petrobras e do BB tem pena reduzida na Lava Jato

Aldemir Bendine, que comandou o Banco do Brasil e a Petrobras, teria recebido propina de R$ 3 milhões da Odebrecht para favorecer o grupo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements