Menu
2019-01-01T15:06:44-02:00
Novo governo em São Paulo

‘Vamos desestatizar tudo que for possível, diz Doria em posse

João Doria toma posse como governador de São Paulo, diz que Meirelles manterá as finanças do estado no azul e reafirma apoio às políticas de Bolsonaro

1 de janeiro de 2019
15:01 - atualizado às 15:06
Cerimônia da posse do governador João Dória na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp)
Cerimônia da posse do governador João Dória na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) - Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil

Ao empossar seu secretariado, no Palácio dos Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), frisou que vai desestatizar, privatizar, tudo o que for possível no Estado. "Não vamos gastar dinheiro público em áreas que podem dar melhores resultados quando geridas pela iniciativa privada", disse na manhã desta terça-feira (1º), em discurso marcado pelo tom do liberalismo econômico.

"Não tenho medo de cara feia. Vamos desestatizar e privatizar tudo que for possível. Com isso vamos liberar o governo para ajudar os mais pobres, e mais necessitados", afirmou, destacando que desenvolverá um amplo programa de desestatização, criando Parcerias Público-Privadas (PPPs).

Dirigindo-se ao secretário da Fazenda de São Paulo, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, o governador disse que o convidou para o cargo para que cuide das contas públicas, faça a economia crescer e gere empregos. "Na economia, chamei o Meirelles para controlar as finanças e mantê-las no azul", afirmou.

"O crescimento de São Paulo será a maior contribuição para governo que será empossado em Brasília", emendou, reforçando seu compromisso com a retomada da infraestrutura no Estado. O governador citou como exemplo a infraestrutura em transportes.

Doria disse que continuará a morar na sua casa. "Não quero fulanizar, mas agora as coisas vão mudar. O Palácio agora será casa de trabalho. Acabou os chás e cafezinhos aqui", exclamou o governador. "Não quero romaria de prefeitos, quero soluções para prefeituras", disse. Doria repetiu que doará seus salários a instituições. "O primeiro vai para a AACD, depois GRAAC", citou.

Segundo Doria, um de suas missões será simplificar os serviços prestados pelo governo. Para isso, de acordo com ele, na quarta-feira (2), os secretários terão que procurar implantar nas suas áreas o padrão "Poupatempo", de simplificação e agilidade na prestação de serviços.

"Se o Poupatempo faz, nós também podemos fazer", defendeu Doria, referindo-se a projeto inaugurado em 1997 no Estado para facilitar o acesso da população a informações e serviços públicos.

Ao secretariado, Doria disse que quem não funcionar será trocado, mas fez questão de dizer que São Paulo não tem só um time de secretários, mas uma "seleção".

"Governarei para todos os brasileiros de São Paulo. Vamos governar sem ideologia e assistencialismo. Vamos gerar empregos porque o que traz dignidade é o emprego", afirmou o governador. Ele acrescentou, no entanto, que seu governo vai ajudar os mais pobres e necessitados, incluindo dependentes químicos. "Mas isso não significa assistencialismo".

Reproduzindo o discurso de campanha, Doria falou que buscará implantar em seu governo uma gestão digitalizada. "O mundo está se digitalizando e os governos têm que estar sintonizado nisso", disse, acrescentando que a população brasileira escolheu uma nova política.

Doria fez questão de pontuar em várias partes de seu discurso que vai apoiar as iniciativas do governo federal de Jair Bolsonaro e que fará em São Paulo uma gestão municipalista, descentralizada, que confira mais poder aos prefeitos nas tomadas de decisões. "Vou apoiar o pacto federativo, a reforma fiscal. Vou trabalhar cada minuto pelos brasileiros de São Paulo", se comprometeu.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements