Menu
2019-10-06T17:00:57-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Situação delicada

IPO da americana SmileDirectClub é o pior entre as empresas que captaram mais de US$ 1 bilhão desde 2007

Diante das perspectivas mais negativas para a companhia, os analistas da casa Hindenburg Research destacaram que há 85% de chance de queda no valor das ações

6 de outubro de 2019
16:45 - atualizado às 17:00
smile
Imagem: YouTube

O ano de 2019 definitivamente está surpreendendo muitos analistas que fazem a cobertura de abertura de capital de empresas (IPO, na sigla em inglês) nas bolsas de valores norte-americanas. Não é para menos. Apesar de algumas experiências bem sucedidas como a da rede social Pinterest, há outras que geraram uma série de polêmicas.

Entre as últimas empresas que se listaram na bolsa, há o exemplo da SmileDirectClub (código SDC). Pouco conhecida aqui no Brasil, a companhia de aparelhos ortodônticos com preços bem mais em conta do que os tratamentos tradicionais está cada vez mais com o sorriso amarelo.

Isso porque, de acordo com dados compilados pela Bloomberg, o IPO da companhia teve o pior desempenho entre as aberturas de capital de empresas que levantaram mais de US$ 1 bilhão desde 2007. Apenas para se ter uma ideia, no primeiro de dia de negociação os papéis da empresa fecharam 29% abaixo do preço de oferta, que ficou em US$ 23. As ações da Uber, por exemplo, caíram quase 8% no primeiro dia.

E não é só isso. Diante das perspectivas mais negativas, os analistas da casa Hindenburg Research divulgaram um relatório bastante negativo sobre a empresa na última sexta-feira (4). Nele, os especialistas destacam que as ações - negociadas em torno de US$ 14,60 por ação - têm 85% de chance de queda. As informações são do site Business Insider.

Uma série de problemas

Um dos motivos para a preocupação dos analistas da casa está no fato de que "a empresa está descuidando em um campo da medicina especializada, e colocando em risco a segurança do cliente".

"A SmileDirectClub está adotando a estratégia de uma startup de crescer muito rápido e de quebrar coisas [...] Mas, nesse caso, infelizmente, ela parece que está quebrando vários dentes de seus clientes."

O relatório detalha que a companhia está arriscando bastante principalmente, por conta das várias histórias de horror narradas por pessoas que foram colocar os moldes em casa.

Outro problema grave é que a companhia entrou com ações contra clientes insatisfeitos e pediu para que todos que desejassem o reembolso assinassem um documento que os impediria de se pronunciar contra a empresa. Tal medida incluiria não poder reclamar nas redes sociais, ou junto a órgãos reguladores e pedia a retirada de reclamações feitas anteriormente.

Ao ser questionada pelo site, a SmileDirectClub disse que veem as ações legais, incluindo o relatório feito pelos analistas citados acima, como tentativas de impedir a concorrência.

"Recentemente, houve declarações na mídia de organizações do setor odontológico e alegações em uma ação coletiva movida no Tribunal Federal de Nashville que pretende questionar a segurança e legitimidade da plataforma pioneira da SmileDirectClub", disse a empresa.

A companhia ainda pontuou que "não há base em fatos nem justificativa científica ou médica nas alegações para substanciar as falsas alegações feitas sobre nosso modelo e os médicos licenciados pelo Estado em nossa rede afiliada.

E disse também que "apoiada em evidências, a SmileDirectClub nega as alegações feitas no processo de ação coletiva e defende vigorosamente nosso modelo de negócios contra qualquer entidade que trabalhe para limitar a escolha do consumidor".

Conheça um pouco da sua história

A empresa foi fundada em 2013, em Nashville, pelos empresários Alex Fenkell e Jordan Katzman. O grande diferencial da startup é a sua capacidade de unir o online ao offline para criar um modelo de negócios disruptivo. A companhia oferece, por exemplo, aos seus clientes a opção de tirar o molde de suas arcadas dentárias em casa e enviar um kit para a startup.

Para evitar problemas, dentistas que são credenciados pelos órgãos de saúde locais acompanham o trabalho de forma remota. O custo do processo é de US$ 1,9 mil, o que seria o equivalente a

Tudo isso por um preço “fechado” de US$ 1,9 mil. O preço, de acordo com a empresa, custa 60% menos que outros tratamentos de correção ortodôntica similares. Embora possa variar entre quatro e 14 meses de duração, a média do tempo do tratamento do SmileDirectClub é de seis meses.

Ao abrir capital na Nasdaq, a empresa destacou que o valor captado ajudaria a reinvestir em inovação em termos de produtos, processos, crescimento internacional e experiência do consumidor.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tem cupom pra isso?

Ações da Méliuz sobem após lançamento de plataforma de empréstimos online

A companhia, que desde 2019 oferece um cartão de crédito sem anuidade e com cashback, vem ampliando a gama de serviços financeiros

MERCADOS HOJE

Ibovespa ignora tensão em Brasília e busca romper marca histórica; dólar recua

Exterior positivo traz fôlego aos negócios locais, mas problemas em Brasília persistem

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Taxa zero pra todo o lado

Easynvest zera taxa de corretagem para maioria das operações com ações, BDRs e opções

A corretora digital já não cobrava por investimentos em renda fixa e agora quer expandir essa ideia para ações, BDRs e opções do aplicativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies