Menu
2019-06-07T18:56:11-03:00
Busca por retornos maiores

Gestores testam apetite de investidor no mercado de crédito corporativo

Mercado começa a testar o apetite do público por papéis de empresas menores, muitas vezes desconhecidas do investidor

6 de maio de 2019
8:22 - atualizado às 18:56
dinheiro
Imagem: Shutterstock

Em um ano marcado por instabilidades políticas, dúvidas sobre a reforma da Previdência e queda dos juros, investidores cativos da renda fixa parecem dispostos a dobrar a aposta no mercado de crédito corporativo em busca de maiores retornos - mesmo que isso represente assumir um pouco mais de risco.

Depois do sucesso das debêntures incentivadas - títulos de renda fixa que as grandes empresas emitem para financiar projetos e operações de infraestrutura -, agora o mercado começa a testar o apetite do público pelos papéis de empresas menores, muitas vezes desconhecidas do investidor.

Nas últimas semanas, com a queda no prêmio por debêntures de companhias como BNDES, Petrobras e Gol, quem se acostumou com retornos de 160% do CDI teve de se informar sobre papéis de empresas como a incorporadora carioca Carvalho Rosken e a empresa gaúcha Produtécnica, vendedora de herbicidas para pequenos produtores agrícolas.

Debêntures são títulos de renda fixa que as empresas emitem para custear seus projetos e operações. Quem compra esse título, portanto, empresta dinheiro para a companhia. Por ser uma aplicação de maior risco, esses papéis costumavam pagar juros maiores do que outras aplicações tradicionais de renda fixa, como títulos públicos e CDBs. Mas atualmente o que se vê é que cada vez os retornos desses papéis se aproximam de outros títulos. Para as empresas, no entanto, ainda é vantajoso, pois elas captam recursos a juros mais baratos que nos bancos.

Pé no freio

O motivo do achatamento nos juros é que as grandes companhias que movimentam esse mercado pisaram no freio e estão em compasso de espera pela recuperação da economia e o futuro da Previdência. As últimas grandes emissões de debêntures foram para trocar uma dívida que está para vencer por outra, com prazo maior de vencimento. Com isso, os prêmios para o investidor têm caído de 30% a 40%.

Para esse aplicador, a solução passou a ser empresas menores, com debêntures de 4% a 5% acima do CDI (taxa acompanha a Selic e hoje está em 6,40%). São operações mais modestas, de R$ 10 milhões até R$ 100 milhões, mas que já estão no portfólio de casas como TAG e GPS.

“Esse é um mercado que está crescendo bastante. Os prêmios se fecharam muito nas debêntures de grandes empresas. Tem boas oportunidades entre empresas com bons fundamentos, mas que, por algum motivo, estão mal precificadas”, diz o sócio e chefe de distribuição da XP Investimentos, Getúlio Lobo.

Taxas

Entre as gestoras que buscam essa saída está a GPS Investimentos, gestora de fortunas do banco Julius Baer, que vem estruturando operações com outros investidores para trazer papéis com retorno do CDI acrescido de 2% para suas carteiras. “Há um desequilíbrio entre a oferta e demanda por títulos de crédito privado e temos recorrido a empresas de capital fechado e participado da estruturação de operações”, conta Jean-Pierre Cote Gil, da GPS.

A TAG, especializada em milionários, está estruturando papéis de dívida para a Produtécnica, de Passo Fundo (RS). A empresa quer captar R$ 14 milhões, pagando 11,5% ao ano, quase 170% do CDI. “São emissões que não interessam aos grandes bancos. Por outro lado, pagam bem o investidor e a empresa consegue dinheiro mais barato”, conta Dan Kawa, da TAG. (Com Cynthia Decloedt)

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Agenda BC#

BC estende regras para débito automático a contas de pagamento pré-pagas

A diretoria do Banco Central decidiu estender para as contas de pagamento pré-pagas (aquelas cujos recursos devem ser depositados previamente) as regras sobre autorização e cancelamento de débitos em conta que já estavam previstas para contas de depósitos e para contas-salário

Aprovação concedida

Tim e Vivo recebem aprovação da Anatel e do Cade para compartilhamento de rede

Serão compartilhadas infraestrutura de redes móveis para as tecnologias 2G, 3G e 4G

Empresa diz que não comenta

MPT-RS pede interdição de planta da JBS no Estado por surto de coronavírus

A JBS respondeu, sobre a ação civil pública movida nesta quarta, que não comenta processos judiciais em andamento

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Ninguém segura

A corrida dos touros: Ibovespa sobe pelo quarto dia e volta aos 93 mil pontos; dólar cai a R$ 5,09

O Ibovespa teve mais um dia de ganhos e chegou ao maior nível desde 6 de março, sustentado pelo otimismo global. O dólar à vista caiu forte, chegando a R$ 5,01 na mínima da sessão

tombo histórico

Abinee reporta queda de 30,3% na produção do setor eletroeletrônico em abril

Essa foi a maior queda verificada na série histórica iniciada no início de 2002, segundo o presidente da entidade, Humberto Barbato

Empresários de comércio e serviços

76% de 400 micro e pequenos empresários esperam queda de faturamento

A pesquisa ouviu empresários dos setores de comércio e serviços. Parcela de 26% dos entrevistados espera recuo de 31% a 50%, enquanto 22% têm expectativa de queda até 30%

Compartilhamento de serviços

Cade nega recurso da Claro e mantém aprovação de operação entre Tim e Telefônica

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) negou recurso apresentado pela Claro contra o aval do órgão a operação de compartilhamento de redes entre a TIM e a Telefônica Brasil

Ajuda financeira

Maia diz ter informação que socorro a Estados e municípios será pago até dia 9

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que a primeira parcela do socorro a Estados e municípios deve ser entregue aos entes até a próxima terça-feira, 9

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements